Com marchas em 135 cidades, Grito dos Excluídos marca presença da esquerda no ‘Dia da Dependência’

exclu-770x433

Vestidos de preto, manifestantes de esquerda criticaram medidas do governo Jair Bolsonaro, pediram a liberdade do ex-presidente Lula e a defesa da Amazônia na marcha do Grito dos Excluídos neste sábado (7), em São Paulo. A cor é um contraponto ao pedido do presidente Jair Bolsonaro para que a população saísse às ruas de verde e amarelo no dia da Independência. O ato acontece tradicionalmente em paralelo aos desfiles cívico-militares do feriado. Esta é a 25ª edição.

Parte dos manifestantes pintou o rosto de verde e amarelo, como fizeram estudantes contrários ao então presidente Fernando Collor, que renunciou em 1992. Membros de movimentos estudantis, como a UNE, gritavam na marcha que “cara-pintada voltou”.

Em duas faixas da Paulista, foi colocada uma faixa preta com a frase “Luto pelo Brasil”.

Em São Paulo, os participantes se reuniram na praça Oswaldo Cruz, ao lado da avenida Paulista, e caminham até o Monumento às Bandeiras, próximo ao parque Ibirapuera.

Até as 11h, quando a marcha começou a se movimentar, a Polícia Militar contabilizava cerca de 2.000 participantes. Os organizadores estimaram 30.000.

2d5380be-0585-4bb4-9fd0-7c2df08038db

Este ano, além de preto, predominava o tradicional vermelho de centrais como a CUT, sindical, e a CMP, de movimentos da esquerda.

Ao contrário do ano passado, o ex-prefeito Fernando Haddad (PT), principal nome da oposição a Bolsonaro, não participou do ato.

Subiram ao carro de som outros petistas de São Paulo, como o vereador Eduardo Suplicy, o ex-prefeito de São Bernardo Luiz Marinho e o deputado Paulo Teixeira.

“Esse não é o dia da Independência, mas da maior dependência do Brasil ao capital estrangeiro”, disse, acrescentando que estava de preto não só pelo luto, mas para “lutar para tirar o Bolsonaro”, disse Teixeira.

Já Marinho, além de pedir liberdade de Lula, preso desde abril de 2018 sob acusação de corrupção e lavagem de dinheiro, criticou a Lava Jato. “Fora Bolsonaro e (Sergio) Moro e (Deltan) Dallagnol na cadeia”, disse o ex-prefeito.

6a2e8806-fd1b-4c05-96ea-f2c729c4e679

Antes de sair, os organizadores do ato fizeram uma intervenção artística com uma maquete com plantas que representava a amazônia queimando -saía fumaça verde da maquete.

“Realizamos esse grito num momento muito dificil da conjuntura brasileira”, disse o coordenador da CMP, Raimundo Bonfim, citando a situação da educação, emprego e o “desmonte generalizado das políticas públicas”.

René Vicente, presidente da CTB em SP, criticou o “ecocídio patrocinado pelo presidente Jair Bolsonaro” e pediu vaias ao ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente).

Um levantamento da CMP aponta que o Grito dos Excluídos ocorrerá, neste ano, em 132 cidades, de todas as regiões do país, um recorde, segundo a entidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s