Meiúca (ainda) é o mapa da mina

EBpq_gvXoAAKUjV

POR GERSON NOGUEIRA

Remo e PSC não tiveram campanhas estáveis na Série C. Um começou muito bem, acumulou pontuação e depois começou a desidratar, recuperando-se nas duas últimas rodadas. O outro custou a pegar ritmo, andou capengando e ressurgiu na virada de turno, credenciando-se à luta pela classificação.

Após 17 rodadas, a dupla Re-Pa tem motivos para continuar acreditando no sonho do acesso. O Papão chegará mais fortalecido à rodada final, pois atingiu 27 pontos e pode se classificar com um empate. O Leão depende de uma vitória sobre o rival para passar à fase seguinte.

A evolução demonstrada pelo PSC na virada da competição tem muito a ver com a entrada em cena do meia-armador Tomas Bastos, que aparece também para finalizações, valendo-se principalmente do talento para cobranças de falta.

Chegou sem pompa, mas entrou rapidamente no time e mostrando credenciais num departamento que era até então o ponto nevrálgico do sistema criado por Hélio dos Anjos: a pífia artilharia.

Tomas Bastos deu uma contribuição expressiva, marcando cinco vezes (três em cobranças de pênalti), para tirar o Papão da vexatória colocação entre os times que menos haviam feito gol na competição.

Jogador de boa movimentação no meio, mais chegado às tabelinhas e troca de passes com os atacantes, Tomas tem o mérito de se colocar muito bem junto à grande área para participar das manobras tanto se aproximando como se infiltrando entre os zagueiros.

Contra o Luverdense teve papel decisivo. Disparou o chute que originou toda a jogada do primeiro gol. Marcou um gol de falta, em cobrança perfeita, e depois lançou na área a bola cheia de efeitos para o cabeceio de Nicolas no terceiro gol.

O desembaraço com que assumiu o protagonismo no meio-campo do PSC confirma o acerto de sua contratação. Curioso é que a falta de badalação em torno de seu nome contrasta com a grande expectativa que havia em relação a Tiago Luís, até agora acomodado na condição de suplente.

No Remo, mesmo sem a importância de Tomas Bastos para o Papão e fora do clássico decisivo do dia 25 por ter recebido o terceiro cartão amarelo, o meia Zotti escreve uma história de renascimento no clube. Fustigado por críticas pesadas após erros nos jogos contra Tombense e Boa Esporte, no turno, ele reapareceu diante do Volta Redonda.

Mostrou desenvoltura e exibiu o estilo clássico, especialista em passes longos e jogadas cadenciadas, na reta final do confronto. Teve participação discreta na terça-feira contra o Sobradinho, pela Copa Verde, mas foi lançado contra o São José no lugar de Garré, que era a primeira opção.

Sua participação foi ativa na batalha pela posse de bola durante o primeiro tempo e se tornou ainda mais expressiva na etapa final, quando ajudou a ajustar o meio-campo e disparou o chute que abriu caminho para a vitória remista. Saiu como um dos heróis da vitória de sexta-feira.

A participação de Tomas Bastos e Zotti, cada um à sua maneira, reafirma a importância do trabalho no meio-campo para a estruturação dos times. Muitas vezes as contratações se concentram em homens de ataque, ignorando o valor da criação na meiúca.

—————————————————————————————

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro comanda o programa a partir das 22h, na RBATV, com participação de Giuseppe Tommaso e deste escriba de Baião. Em debate, a rodada da Série C e a movimentação na Copa Verde.

—————————————————————————————

Gaúchos podem se garantir no fechamento da rodada

Dois jogos do grupo B da Série C concentram as atenções das torcidas de Leão e Papão no complemento da 17ª rodada. Ypiranga e Boa Esporte se enfrentam neste domingo e a partida pode definir a classificação do time gaúcho, que tem 25 pontos. Pode ir a 28 pontos, com 7 vitórias.

Amanhã, o Juventude (27 pontos, 7 vitórias) visita o Volta Redonda (24) e também pode se garantir em caso de vitória.

Para que a dupla paraense se classifique (com empate no Re-Pa), é necessário que o Volta Redonda perca para o Juventude e empate com o São José na 18ª rodada. Nesse caso, Papão e Leão atingiriam 28 e 27 pontos, respectivamente, enquanto o São José terminaria com 26 e o Voltaço com 25.

————————————————————————————–

Registros do coração

A coluna deste domingo tem dupla dedicatória: para meu filhote João Gerson, aniversariante de sábado (17), e meu amado pai José Dias, que rasga folhinha gloriosamente neste domingo. Dias felizes, corações em festa.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 18)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s