A mãe de todas as batalhas

destaque-601025-rexpa

POR GERSON NOGUEIRA

O Re-Pa que fecha a fase de classificação do grupo B da Série C tem tudo para ser a mais vibrante e dramática decisão entre os centenários rivais paraenses. Pelo andar da carruagem, ambos chegarão ao choque-rei precisando vencer para obter classificação.

Escrevo antes do fim da 15ª rodada, mas o equilíbrio reinante na parte de cima da tabela indica que tanto Papão quanto Leão irão precisar pontuar na 18ª rodada. É improvável que um deles consiga gordura suficiente nas próximas duas rodadas para não depender do último jogo.

No caso do Remo, a situação é ainda mais grave, pois o time teve amplas possibilidades de garantir antecipadamente a vaga desde o começo do returno da etapa classificatória. O mérito de ser a equipe mais regular até a 14ª rodada, permanecendo sempre no G4, o time de Márcio Fernandes patinou nos dois últimos jogos do turno – derrotas para São José e PSC.

A defesa nunca fraquejou, mas os problemas de articulação se acentuaram com a saída de Douglas Packer e a perda do ala-zagueiro Rafael Jansen, lesionado. Junte-se a isso o crescimento técnico dos adversários, que passaram também a rastrear (e anular) as virtudes do time azulino.

O fato é que a virada de fase flagrou um Remo mais fragilizado no meio-campo e pouco contundente na frente. Tudo o que foi positivo no começo se tornou preocupante na segunda fase. Não há desespero, mas é evidente que os tropeços frente a Ypiranga, Juventude, Luverdense e Tombense tornaram o trajeto até a classificação mais complicado.

Apesar de ainda depender de suas forças – classifica-se caso vença dois dos jogos restantes –, não há mais a tranquilidade de administrar a caminhada, como estava mais ou menos desenhado antes da derrota para o Tombense. Cresce, a probabilidade de não alcançar as duas primeiras colocações, que dão vantagem de fazer em casa o jogo de volta do mata-mata.

Do lado alviceleste, a recuperação empreendida nas últimas oito rodadas pode ser atribuída ao trabalho de Hélio dos Anjos, que inverteu as expectativas na Curuzu. Reenergizou o time quando torcida e diretoria já se conformavam com a possibilidade de uma campanha frustrante.

A perspectiva de obtenção da vaga depende do resultado diante do São José (jogo disputado depois do fechamento da coluna). Caso vença, o PSC somará 23 pontos, habilitando-se a garantir a classificação com uma vitória e dois empates nos jogos que restam – Atlético-AC, Luverdense e Remo.

Um empate mantém preserva chances de classificação, embora não permita voltar ao G4. Com 21 pontos, haverá necessidade de ganhar dois dos três jogos. Já uma derrota deixa o time fora do G4, com o risco de cair uma posição, e torna obrigatório conquistar duas vitórias e um empate.

Por essas e outras variáveis, é quase certo que o 4º clássico do ano será uma portentosa luta fratricida, com sérios desdobramentos para quem perder e imenso contentamento para o vencedor. Sem desprezar, obviamente, a hipótese sempre possível de um empate que pode ser mortal para ambos.

——————————————————————————————–

Trabalho de Fernandes encara momento mais delicado

Márcio Fernandes quase conquistou a unanimidade junto ao torcedor remista quando o Remo empreendeu um bom começo na Série C e chegou à liderança do grupo B. A performance veio se juntar à conquista o título estadual e fez do técnico um nome inquestionável no Baenão.

Esse conceito vem sendo corroído pela maneira como o Remo se atrapalha em jogos fáceis, desperdiçando pontos importantes, principalmente em confrontos disputados em casa. A crônica dificuldade em mexer no time, a demora em operar mudanças ao longo dos jogos e a teimosia com algumas peças têm comprometido o trabalho do treinador.

Na derrota para o Tombense, a queda de rendimento ficou evidente, assim como a incapacidade reativa do Leão ante um adversário limitado e que só começou a atacar quando percebeu que a fragilidade remista. Há o forte receio de que o time, caso se classifique, não consiga superar um oponente da chave nordestina na briga pelo acesso.

——————————————————————————————–

Bola na Torre

Giuseppe Tommaso apresenta o programa, a partir das 20h (excepcionalmente), na RBATV. Integram a bancada de debates a jornalista Paula Marrocos (Rádio Clube) e este escriba de Baião. Na pauta, tudo sobre a Série C e a Copa Verde.

——————————————————————————————

Azarão, Braga pode surpreender na Copa Verde

Para o Bragantino, a Copa Verde já começou, e com sucesso. O time dirigido por Robson Melo passou com louvor pelo primeiro obstáculo, o São Raimundo-RR. Duas vitórias, uma em Bragança e outra em Boa Vista, ambas por 2 a 1. Pelo ritmo apresentado, o Tubarão deixou para trás a fase ruim experimentada no mata-mata da Série D.

Fidélis voltou a ser peça importante e Wendell é uma aquisição que agrega habilidade ao setor de criação, além de ser um definidor. Na 2ª fase, pega o Santos-AP e tem chances de ir em frente. Na condição de franco-atirador, o Braga pode ser uma boa surpresa na competição regional.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 04)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s