Fase ruim na Série C leva Papão a afastar quatro jogadores

whatsapp-image-2019-06-08-at-20.45.08

A diretoria do Paissandu decidiu afastar quatro jogadores por deficiência técnica e questões disciplinares, após as últimas apresentações do time, com ênfase na partida de sábado contra o Atlético-AC em Rio Branco. O goleiro Douglas Silva, os volantes Alex Galo e Marcos Antônio e o atacante Paulo Henrique são os jogadores incluídos na lista de dispensa. A decisão foi tomada pela diretoria em comum acordo com o diretor de Futebol Felipe Albuquerque e o técnico Hélio dos Anjos.

O clube ainda não oficializou a notícia, que, segundo a fonte, deverá ser divulgada pelo próprio presidente Ricardo Gluck Paul em entrevista coletiva. O afastamento do quarteto abre o processo de reformulação do elenco para o restante da Série C.

Depois do jogo em Rio Branco, Hélio dos Anjos admitiu a necessidade de novas contratações. “Eu falo o que já falei para a direção, e a direção me pediu até esse jogo para a gente discutir definitivamente a possibilidade de trazer jogadores. Vou dar alternativas voltadas para o nosso momento, para a nossa realidade de divisão. Eu já tenho pesquisado. O Henrique, nosso analista, já captou tudo que precisa captar para a gente decidir. Mas eu vou ser sincero, inclusive porque já falei para o Felipe [Albuquerque]: há a necessidade de trazermos alguma coisa para revitalizar o grupo”.

Há sete partidas sem vencer, o PSC terá como próximo adversário o Luverdense, sábado, às 17h, no Mangueirão.

2 comentários em “Fase ruim na Série C leva Papão a afastar quatro jogadores

  1. Gerson e amigos, penso que o grande problema do Paysandu reside na escalação do time titular e não apenas na dispensa de jogadores.

    Se observamos as últimas partidas disputadas pelo Papão na série C apenas um volante de marcação é escalado para jogar junto com Marcos Antônio, Thiago Luís e Diego Rosa no meio campo, sendo que esse trio não aguenta mais de 45 minutos por nítida questão física e com isso o único volante de marcação fica sobrecarregado.

    Assim, além da pressão natural por resultados, o time acaba esgotado no aspecto físico diante da falta de marcação eficaz no meio por parte daquele trio.

    E dentro desse panorama o Paysandu já teve quatro atletas expulsos na competição, claro que por responsabidade de cada um deles, mas também em razão da escalação da equipe que mantém Thiago Luís, Marcos Antônio e Diego Rosa que não conseguem marcar seus adversários o que aumenta a pressão psicológica nos referidos atletas e nos componentes da equipe que chegaram a ser expulsos nesta série C por não terem controle emocional para lidar com tal adversidade

    Portanto, sendo a meiuca a alma de uma equipe de futebol, como fazer a transição veloz para o ataque e a recomposição para marcar se os três meio campistas acima identificados ainda não têm resistência física para aguentar mais de 45 minutos de jogo?

    Nesse cenário, embora Thiago Luís até pudesse ser o articulador da equipe pelo menos de forma mais incisiva por 45 minutos, a presença de Diego Rosa e Marcos Antônio ao lado dele faz com que o time não tenha o vigor físico no meio campo e, sem o mesmo, a criação das jogadas fica comprometida.

    Por isso Hélio dos Anjos, sabendo das limitações do elenco e da dificuldade de contratações, poderia optar por um sistema de jogo com três zagueiros com Caique jogando ao lado da dupla de defensores tal qual ocorreu no jogo em que o Papao ganhou o remo por 3 a 0, cinco jogadores no meio com dois volantes de marcação(e não apenas um como atualmente) um meia armador e dois alas abertos sendo um deles Pimentinha ou Elielton para uma transição rápida e os jogadores Vinicius Leite e Nicholas no ataque.

    A propósito, fiz uma pesquisa e observei inclusive que Hélio dos Anjos já utilizou esse sistema 3-5-2 no Goiás, no Atlético Goiano e no Fortaleza. Aliás, o técnico do remo utiliza três zagueiros e tem dado certo.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Análise muito boa amigo Peixoto.
    Completo com o seguinte, temos um elenco formado por jogadores de posições vitais que não jogam 60 ou mesmo 45 minutos de partida.
    São peças que ao meu ver não valem a pena insistir com o investimento.
    Ou o Paysandu dispensa mais gente e contrata jogador com preparação física para aguentar um partida inteira ou irá acabar fora da zona de classificação.
    Não adianta trazer atletas que só irão se condicionar com o passar dos jogos, não há mais tempo para erros pois a consequência já é conhecida.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s