Time ficha-suja: mais da metade do ministério responde a processos

images_cms-image-000612445

O futuro governo Bolsonaro, surgido no bojo de uma onda “contra a corrupção”, tem mais da metade dos ministros anunciados envolvidos em  denúncias e investigações. Seis dos dez nomes indicados por Bolsonaro estão enrolados: Onyx Lorenzoni, deputado (Casa Civil); Paulo Guedes, economista (Economia); Marcos Pontes, tenente-coronel (Ciência e Tecnologia); Tereza Cristina, deputada (Agricultura); Luiz Henrique Mandetta, deputado e médico (Saúde); e Sérgio Moro, agora ex-juiz federal (Justiça).

Até o momento, não há investigações em curso contra quatro ministros anunciados: Augusto Heleno, general (Segurança Institucional); Fernando Azevedo e Silva, general (Defesa); Ernesto Araújo, diplomata (Relações Exteriores); e Wagner Rosário, atual ministro (Controladoria-Geral da União).

As acusações e denúncias contra cada um:

Onyx Lorenzoni: recebimento comprovado de doações ilícitas em campanha eleitoral (caixa 2); para o futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, o uso de caixa 2 em campanhas eleitorais, é “pior que corrupção”.

Paulo Guedes: há investigações por fraudes contra fundos de pensão e fundos de investimentos em valores que podem chegar a mais de R$ 1 bilhão.

Marcos Pontes: acusado de ser sócio oculto de uma empresa quando era militar da ativa -aos militares é vedado serem sócios de empresas.

Tereza Cristina: investigada por conceder incentivos fiscais à JBS quando era secretária estadual de Desenvolvimento Agrário e Produção de Mato Grosso do Sul, na mesma época em que arrendou para si uma propriedade ao grupo.

Luiz Henrique Mandetta: o deputado não reeleito é investigado por fraude em licitação, tráfico de influência e caixa 2 no contrato para implementar um sistema de informatização na saúde em Campo Grande, no período no qual foi secretário. O futuro ministro teve os bens bloqueados em uma ação civil pública relativa ao caso.

Sérgio Moro: responde a diversos processos disciplinares no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Entre eles estão: vazamento para a imprensa da delação premiada de Antonio Palocci; a divulgação da conversa gravada entre a então presidenta Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula; a aceitação do convite para se tornar ministro da Justiça do presidente eleito Jair Bolsonaro, diante da revelação que o convite fora feito ainda durante a campanha eleitora; a interferência indevida de Moro para impedir o cumprimento de um habeas corpus que determinava a soltura de Lula, em julho passada; viagem ao exterior patrocinada por entidade privada (Lide) para participar de evento a convite de João Doria.

A qualidade do ministério de Bolsonaro está surpreendendo até setores da mídia que vinham manifestando neutralidade e até simpatia a Bolsonaro.

Além dos futuros ministros enrolados com a Justiça, Bolsonaro, que havia prometido um ministério desvinculado da política tradicional está compondo um governo alicerçado no DEM. O partido é o único com parlamentares no ministério até o momento e, mesmo com um desempenho pífio nas eleições, já abocanhou 30% do lote já anunciado: três dos dez indicados são “democratas”,  Lorenzoni, Tereza Cristina e Mandetta. O DEM é o sucessor do PFL, por sua vez sucessor do PDS, que surgiu da Arena, o partido que deu sustentação ao regime militar e reúne a casta política mais arraigada no aparelho de Estado e à política clientelista, especialmente no Nordeste.

Em termos de representação parlamentar, o DEM terá uma bancada no máximo média em 2019. Elegeu apenas 29 deputados federais, muito atrás do PT (56), do PSL (52), PP (37) ou MDB e PSD (cada um com 33). A bancada do DEM é menor até que as do PR, PSB e PRB. É apenas a nona babcada na Câmara, empatada com a do PSDB. No entanto, é a força política predominante até agora no Ministério Bolsonaro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s