Lutar e vencer

haddad-bahia-600x414

Por José Reinaldo Carvalho, no Brasil247

Alguém em sã consciência e honestidade de propósitos duvida de que foi uma vitória Fernando Haddad se qualificar para o segundo turno com 31.342.005 votos, no quadro de uma luta desigual?

Desde 2013, o Brasil vive uma vertiginosa onda de direita, que se tem acentuado e avolumado com uma sucessão de fatos que em seu conjunto podem ser qualificados como uma espécie de contrarrevolução. Dentre esses acontecimentos funestos se destacam a destituição da presidenta Dilma Rousseff e a prisão do presidente Lula.

Uma situação assim nefasta deixou sequelas também em setores da esquerda. Uns miravam 2013 como um levante popular por transformações progressistas. Outros nele se basearam para forçar notas interpretativas e na sequência passaram a a encarar o golpe de 2016 como o momento non plus ultra da superação do ciclo lulo-petista (sic!), propício à abertura do novo ciclo neo-desenvolvimentista sob a liderança do… centrão.

Quem poderia imaginar que em tal contexto de ofensiva da direita mais empedernida e da esquerda mais confusa a candidatura do petista Fernando Haddad, em aliança com o Partido Comunista do Brasil que indicou a vice Manuela D´Ávilla, pudesse alçar um voo tão alto, considerando as condições em que a chapa foi lançada, em plena ocorrência de uma fraude eleitoral que foi a todos os títulos o impedimento de Lula?!

É este o critério pelo qual devemos analisar o atual estágio da luta eleitoral a 12 dias da votação e não da antecipação da derrota.

Não esqueçamos de que o plano das forças reacionárias era vencer as eleições já no primeiro turno. Este plano fracassou. Ninguém se engane com as aparências. Este plano incluía considerar Lula, o PT, seus aliados na esquerda como forças proscritas do cenário político. Mas eis que há uma batalha de segundo turno, há eleitos, há candidatos por eleger e nada indica que a esquerda esteja proscrita ou morta, a não ser que se opte por utilizar as armas que a direita pretende distribuir aos ricos.

Pendente do resultado eleitoral, o Brasil democrático e popular aposta na vitória, no avanço e, se há forças de vanguarda dignas desta designação, não pensa em outro cenário que não seja a vitória e o avanço daqueles partidos e movimentos que, impregnados de amor à pátria e convicções de progresso social, encontram-se empenhados em barrar a ameaça fascista e tornar este país um apanágio das liberdades. Não há nem pode haver outro plano estratégico senão este, o que implica lutar até o último voto pela vitória no segundo turno da eleição presidencial.

Existe muita coisa em jogo: a luta contra as desigualdades sociais, o combate ao racismo, homofobia e misoginia, a defesa dos programas sociais, o plano nacional de desenvolvimento, a defesa da soberania nacional, a universalização de direitos, a política externa de integração entre povos, defesa da paz e inserção do Brasil num mundo carregado de ameaças.

Esta postulação requer a mobilização de todas as reservas ideológicas e morais do Brasil democrático, progressista e popular, a capacidade de desatar a energias criadora e mobilizadora das massas populares no Brasil urbano e profundo, de fustigar a memória nacional sobre os danos até hoje não reparados de 21 anos de ditadura castrense, de uma década de flagelo neoliberal e a habilidade de fazer soar o alarme da consciência coletiva para a ameaça da perda de direitos e a transformação de trabalhadores e empreendedores em párias.

Requer também a renovação da capacidade da esquerda para unir amplas forças políticas e sociais numa frente tão ampla quanto seja possível para conjurar o perigo do fascismo.

Fazem bem o Haddad e as forças de esquerda e centro-esquerda (PT, PCdoB, PSB, PCB, PSOL e PROS) que se reuniram nesta segunda-feira (15) em Brasília. Serenas e firmes, decidem sobre tarefas imediatas, ignoram ruídos, miram o futuro da árdua mas não impossível tarefa de construir a unidade, acima de toda tendência à fragmentação.

Tempo haverá para todo tipo de debate e exercício de formulação programática, desde que prevaleçam a lucidez, a capacidade de lutar e a unidade. O ciclo progressista iniciado com a primeira eleição de Lula em 2002 e continuado por Dilma teve virtudes e defeitos, misérias e grandezas. Tempo haverá para o balanço judicioso e criterioso, para autocríticas e a abertura de novos caminhos.

Neste instante dramático e crucial, a firmeza quanto ao rumo é tudo. E como dizia certo bigodudo que ganhou a Segunda Grande Guerra, a esquerda não pode nem deve jamais perder de vista a direção do golpe principal.

A vitória do candidato da frente democrática, Fernando Haddad, é o antídoto à candidatura de Bolsonaro, a qual representa uma ameaça à democracia e aos valores civilizacionais, a ascensão das forças de extrema direita, fascistas, o perigo de restabelecer uma ditadura, a aplicação de políticas antissociais, a perseguição às forças de esquerda, a repressão aos movimentos sociais.

Há tempo para lutar, agora. E para vencer, já.

2 comentários em “Lutar e vencer

  1. O PT internamente já está em clima de fim de feira. Se no primeiro turno o eleitor deu um traço nos tucanos, no segundo a vítima serão os petistas. Essa bipolarização coxinha x mortadela vai se encerrar com a eleição do pistoleiro de filme de Western Spaghetti palhaço Bozonaro.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s