Normalizar selvageria é ameaça à democracia

agressoes-600x267

Por Kennedy Alencar

Obviamente, há um lado positivo nas entrevistas dadas por Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) ao “Jornal Nacional” na segunda-feira, dia seguinte ao primeiro turno das eleições. Ambos os candidatos afirmaram ter compromisso de respeito à democracia.

Mas há um nivelamento indevido e também uma cobrança descabida sobre os compromissos de Bolsonaro e Haddad com a democracia. Quando o PT esteve no poder e teve oportunidades nas esquinas da história de trilhar um caminho autoritário, o partido não o fez.

Exemplos: Lula não cedeu à tentação do terceiro mandato, não houve rebelião em relação ao impeachment e o ex-presidente não resistiu à ordem de prisão dada pelo juiz Sergio Moro.

Já Bolsonaro tem um longo histórico de declarações a favor da ditadura militar de 1964, inclusive com a defesa da tortura. Na votação do impeachment da Dilma, ele homenageou um torturador, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra.

Há inúmeras entrevistas do candidato do PSL com ataques aos direitos humanos e das minorias. Já defendeu que mulher ganhe menos do que homem por engravidar. Já manifestou preconceitos contra gays e negros. Ao longo de 30 anos de carreira política, ele deu declarações preconceituosas e antidemocráticas.

Nesse cenário, tratar Bolsonaro e Haddad da mesma maneira normaliza a selvageria do candidato do PSL à Presidência da República.

Bolsonaro está numa estratégia eleitoral para tentar diminuir a rejeição. Compromisso com a democracia é muito bom, mas não pode ser mera tática eleitoral.

Bolsonaro pode ter mudado? Sim. Pode ter mudado da noite de domingo para segunda, porque no dia da eleição ele levantou suspeita de fraude na urna eletrônica para impedir eventual vitória dele no primeiro turno. Isso é um comportamento antidemocrático. Ele questionou a mesma urna eletrônica que deu votação expressiva ao filho dele candidato a deputado federal em São Paulo, Eduardo Bolsonaro.

É lícito suspeitar que esse discurso seja uma tática eleitoral diante de tudo o que Bolsonaro disse e fez ao longo de sua vida política. Uma vez eleito dentro da regra do jogo, será preciso que as instituições e a sociedade civil cobrem respeito às normas legais durante eventual governo.

Tratar desiguais de uma maneira igual acaba sendo bom para o Bolsonaro. Quem precisa jurar lealdade à democracia brasileira é Bolsonaro, porque ele é autoritário. No passado, o candidato do PSL disse que o Brasil precisava de uma guerra civil com a morte de pelo menos 30 mil pessoas, algumas delas inocentes. Pregou o fuzilamento de FHC.

É preciso tomar cuidado para não nivelar candidatos diferentes. No quesito democracia, Bolsonaro está muito atrás do PT e de Haddad nem se fala. É um risco para a democracia comprar pelo valor de face declarações que são mera tática eleitoral. Uma vez empossado, esse discurso pode mudar.

Na entrevista ao “Jornal Nacional”, Bolsonaro fez uma advertência ao general Mourão por ter defendido uma nova Constituição a ser elaborada por notáveis. Mourão rebateu no dia seguinte dizendo que não era vice “anencéfalo”. Bolsonaro também disse que não entendeu muito bem a referência a autogolpe, mas o general Mourão foi muito claro em entrevista à Globonews sobre a possibilidade de golpe em caso de caos social.

O histórico de Bolsonaro não pode ser comparado com o do PT nem com o de Haddad quando se trata de respeitar a democracia. Ao cobrir a disputa política, o jornalismo erra ao tratar desiguais de forma igual. Bolsonaro está em posição de maior fragilidade do ponto de vista das credenciais democráticas.

*

Perigo autoritário

Casos de agressões pelo país e a morte de um capoeirista em Salvador mostram o risco da normalização da selvageria de Bolsonaro e de seus guardas da esquina.

*

Crise contratada

O desgaste da relação entre Bolsonaro e Mourão pode ser prejudicial a um futuro governo do candidato do PSL. A história recente do Brasil mostra que desentendimentos entre presidente e vice contribuem para crises ou momentos políticos de tensão.

Itamar Franco rompeu com Fernando Collor de Mello antes da crise do impeachment de 1992 crescer. A relação entre Dilma Rousseff e Michel Temer já era ruim antes do acirramento de divergências que levaria à queda da petista. Seria negativa uma crise entre Bolsonaro e Mourão com o governo já instalado. Há um risco maior porque o vice é um general da reserva respeitado por colegas da ativa.

Nos últimos meses, houve forte ativismo político da parte dos militares, que deram declarações políticas, o que não acontece em democracias avançadas. Não é preciso que militares digam que cumprirão à Constituição porque isso está dado. É isso o que tem de acontecer, sem autorização ou tutela militar. Nas democracias, quem manda é o poder civil.

*

Triste fim

É ruim para a democracia brasileira que o PSDB se enfraqueça e se torne um satélite do bolsonarismo. Ontem, Alckmin sugeriu que Doria foi um “traidor” na campanha eleitoral. O candidato do PSDB ao governo paulista fez gesto pró-Bolsonaro enquanto o postulante tucano Palácio do Planalto e seu padrinho político ainda estava na luta.

*

Velho truque

O partido Novo dediciu rejeitar Haddad no segundo turno e adotaa posição de neutralidade. Indiretamente, ajuda Bolsonaro.

*

Carta branca

Na segunda-feira, o próprio Lula disse a Haddad que o candidato do PT não deveria visita-lo mais em Curitiba devido à repercussão negativa na eleição desses encontros. Os dois conversaram para alinhar a estratégia eleitoral do segundo turno.

Haddad recebeu carta branca para tocar a campanha e mudar o programa de governo elaborado com Lula e o PT. A ideia é criar uma frente ampla e democrática atrair o apoio de Ciro Gomes (PDT) e de FHC (PSDB). Haddad já fez gestos para os dois.

O candidato do PT tirou de campo a proposta de Constituinte, ideia do PT, em sintonia com essa nova estratégia eleitoral. Haddad ganhou mais liberdade para montar o discurso econômico da campanha.

O candidato já disse que pretende indicar um empresário ou economista do setor produtivo para a campanha. Josué Gomes da Silva, do grupo Coteminas e filho de José Alencar, é um nome cotado.

A ideia é fazer contraponto a Paulo Guedes, banqueiro e assessor econômico de Bolsonaro que tem laços com o mercado financeiro. Jaques Wagner pode ser um nome para a Casa Civil ou a articulação política de um governo Haddad. Wagner tem feito a coordenação política da campanha de Haddad no segundo turno.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s