O terror fascista está nas ruas

images_cms-image-000607946

Episódios gravíssimos de violência perpetrados por apoiadores de Jair Bolsonaro contra cidadãos brasileiros nos últimos dias mostra que o fascismo já se sente empoderado no Brasil insuflado pelo ódio. Querendo impor-se pelo medo e pelo terror, partidários do candidato da extrema-direita sentem-se legitimados pelo capitão da reserva, não coíbe tais crimes, pelo contrário, estimula-os.

Na madrugada desta segunda-feira, 8, horas após o resultado do primeiro turno das eleições presidenciais, o mestre de capoeira Moa do Katende foi morto com 12 facadas nas costas em um bar em Salvador, após dizer que tinha votado em Fernando Haddad para a presidente. O autor do crime, que começou a discussão, manifestou aos gritos seu apoio a Jair Bolsonaro, de acordo com informação oficial a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública do Estado da Bahia (SSP-BA) (leia mais).

No Recife, uma jornalista do Jornal do Commercio foi agredida e ameaçada de estupro por dois homens na tarde da eleição. De acordo com a jornalista, cujo nome não foi revelado, dois homens atacaram-na e a ameaçaram de estupro no momento em que saía do local de votação, no bairro de Campo Grande, na zona norte do Recife. Segundo ela relatou à Polícia, um deles vestia camisa do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL). O motivo da agressão seria o fato de ela ser jornalista (leia mais).

O discurso de ódio propagado por Jair Bolsonaro também se volta contra a memória e familiares da vereadora Marielle Franco, brutalmente assassinada no dia 14 de março deste ano, cujos autores até hoje não foram identificados. Também nesta segunda-feira, 8, no Rio de Janeiro, a irmã de Marielle, Anielle Franco, relatou em sua página no Facebook ter recebido gritos no rosto enquanto andava na rua com sua filha de dois anos no colo, sem qualquer roupa de político, partido ou bandeira. “Por conta de um antipetismo vocês preferem propagar o ódio e a violência?! O seu candidato, em suma, defende esse tipo de postura, e outras coisa bem piores! Pensem bem”, escreve Anielle (leia mais).

Já em Teresina, um jovem foi espancado por simpatizantes do Bolsonaro simplesmente por estar vestindo uma camiseta vermelha. O pai do arquiteto postou as imagens em seu Facebook no sábado (6). De acordo com o depoimento de Paulo Bezerra, eles agrediram o rapaz enquanto gritavam palavras de ordem. No vídeo é possível ouvir alguns falando “é comunista”, como justificativa para as agressões. Os homens que espancam o jovem vestem camisas com o rosto e nome do ex-capitão (leia mais).

Em nenhum dos casos, Jair Bolsonaro se pronunciou, deixando implícito o seu apoio à escalada dos atos fascistas. As instituições também parecem fazer vistas grossas ao que ocorre no País. O candidato da frente democrática a presidente, Fernando Haddad, condenou o assassinato do mestre de capoeira Moa do Katende. “Um dia amargo para a democracia. A cultura do ódio precisa ser interrompida urgentemente”, disse Haddad pelo Twitter.

Não foi por falta de aviso. Fascismo é morte e violência, em todos os sentidos – inclusive das ideias. Por isso, precisa ser combatido sem tréguas. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s