A barbárie está autorizada. O horror saiu do armário

Por Luiz Eduardo Soares

Amig@s, grande parte de nossas vidas é regida pelo que é invisível: emoções, afetos, expectativas, desejos, memórias, fantasias. Há também nossas crenças, valores e as ideias que produzimos ou reproduzimos. Boa parte dos veículos que dão corpo a esse mundo de coisas intangíveis são os símbolos, de que nós, antropólog@s e artistas, nos ocupamos. Uma característica chave dessa realidade virtual é que ela está imersa feito um iceberg no grande oceano que chamamos inconsciente. Os símbolos são como barcos que brilham no fundo escuro da noite. Quando as ondas baixam, nós os vemos, iluminados, sinalizando para nós alguma mensagem distante e obscura. Quando as ondas sobem, os barcos desaparecem no horizonte.

Digo tudo isso porque quero comentar fatos recentes da política, esse drama cujo desfecho depende de nós, nas eleições. O primeiro foi fotografado e circula na internet: dois homens fortes e sorridentes, usando camisetas com a estampa de Bolsonaro, erguem, orgulhosamente, a placa de rua com o nome de Marielle. Mas não se trata de homenagem. A placa foi partida ao meio. Os dois homens se vangloriam como quem levanta um troféu. Em o fazendo, transmitem uma mensagem mais profunda do que provavelmente supõem: ao quebrar a placa que celebra a memória da vítima do mais horrendo dos crimes, o mais vil, o mais bárbaro, os dois saúdam a morte, a morte no sentido grego clássico, a morte como condenação ao esquecimento eterno.

Por isso, em sua coreografia patética, capturada pela foto, assassinam Marielle pela segunda vez. Evocam sua memória para negá-la. Erguem a placa, retirada de seu lugar de origem, para destruí-la, deixando, entretanto, que permaneça identificável o nome, o nome agora dividido em duas partes, o nome que perde sentido, que vira silêncio. Fazem da placa uma lápide e da lápide partida o símbolo do esquecimento. Isso se chama profanação e promove a segunda morte de Marielle.

O outro fato ocorreu em São Paulo e foi gravado em video. Um grupo numeroso de torcedores do Palmeiras aguarda o metrô entoando seu canto de guerra e esse canto, enaltecendo Bolsonaro, promete matar os homossexuais.

Retomo agora minhas primeiras palavras: grande parte de nossas vidas é regida pelo que é invisível. Na política, não é diferente. Por isso, não é preciso incluir no programa de governo referências a um plano de extermínio, não é preciso apresentar publicamente um programa genocida. Não é necessário exaltar a violência e o preconceito, ou incitar o ódio, explicitamente – ainda que isso tenha sido feito. O que põe em circulação a barbárie não está nos argumentos racionais da candidatura ou em suas propostas de políticas públicas. A mensagem já foi passada à sociedade. E a mensagem se resume a uma autorização. Autorização à barbárie. A morte foi convocada. A barbárie está autorizada. O horror saiu do armário. Os espectros do fascismo estão aí, entre nós, a nos assombrar e ameaçar. Estão aí porque já existiam inclusive no espírito de alguns sujeitos que não imaginavam que pudessem ser contaminados.

A candidatura da ultra-direita autorizou a violência, a vendetta ressentida contra o que foi constituído como objeto de ódio e medo: as classes perigosas, os negros, a comunidade LGBT e todos os portadores da mudança, a mudança mítica que traz incerteza, incerteza sobretudo quanto a si mesmo. O grande medo que eles têm é de si mesmos. É o medo daquele oceano noturno, que abre sua goela no fundo da noite e dá à luz o lado sombrio do sujeito.

Mas não se enganem, o terror não passará. O fascismo será derrotado. Vamos ao segundo turno e teremos tempo de virar o jogo.

(*) Antropólogo (publicado originalmente na página do autor no Facebook)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s