Tite laboratoriando, em titês

20180911220104_5b986550efda3

Por Alberto Helena Jr.

El Salvador, noves fora, zero! E daí?

Daí que a Seleção Brasileira cumpriu sua missão básica e venceu o jogo-treino por 5 a 0, que poderiam ter chegado ao dobro não fossem as tantas chances perdidas pelos nossos atacantes ou conjuradas pela defesa adversária.

Nesse caso, o que interessa mesmo é anotar que o menino Artur conferiu senso ao nosso meio-campo, como se esperava, aliás, permitindo que o triângulo, ali, fosse escalonado, não reto com os dois volantes em linha e uum meia à frente. Passe preciso, boa colocação à frente de Casemiro, Artur empurrou Coutinho para as proximidades da área, o que produziu maior poder de ataque ao Brasil.

Assim, reduziu-se a importância de nosso contragolpe, esse vício recente e maléfico, substituído pela marcação mais avançada, resultando na facilidade para a criação de chances de gol. E eles vieram naturalmente, com Neymar, Richarlison e Coutinho, logo no primeiro tempo. Placar ampliado por Richarlison no início do segundo período.

E aqui vale exaltar a presença do atacante do Everton, ex-Flu, costumeiramente utilizado pelas extremidades do campo, mas escalado por Tite como centroavante.É onde pode explorar melhor sua capacidade de finalização, sem, contudo, perder a mobilidade, graças à sua velocidade e a habilidade na canhota.

Belíssima estreia, ao contrário de Militão, que se deu melhor nos últimos minutos de partida quando trocou a lateral-direita pela zaga central. Na lateral, Militão foi tímido demais no ataque e impreciso nos passes, embora destruísse bem no seu setor.

De resto, interessante a experiência feita por Tite a partir dos 16 minutos da etapa final, quando deslocou Neymar para o comando do ataque, tendo William e Everton Cebolinha pelas extremas. Vale a pena o treinador insistir com essa proposta, nem que seja por alguns momentos nos amistosos futuros.

Afinal, Neymar vai atravessando o mau-humor generalizado com um número de gols pela Seleção que o aproxima das marcas históricas de Ronaldo Fenômeno e, pasmem!, Pelé. Ali, no comando do ataque, seu poder de fogo aumenta muito.

Enfim, é seguir em frente experimentando sempre, que o futebol é como a vida – um grande laboratório.

Um comentário em “Tite laboratoriando, em titês

  1. Fico impressionado com as análises de jornalistas calejados, como essa de Helena Jr. O adversário de ontem é uma seleção que malmente serviria para aqueles jogos festivos solteiros contra casados. Não serve de parâmetro pra nada.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s