Os 50 anos de um clássico dos Mutantes

os-mutantes-2

Por Julinho Bittencourt

Os meninos, chamados de Os Mutantes, já eram bem manjados aqui e acolá em programas de TV, festivais, shows ao vivo entre outros. Estouraram mesmo no III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record, em 1967, quando acompanharam o cantor e compositor Gilberto Gil na sua antológica “Domingo no Parque”.

O disco de estreia só veio mesmo um ano depois e agora, no meio de 2018, por mais incrível que possa parecer, acaba de completar 50 anos de seu lançamento. O álbum foi batizado singelamente de “Os Mutantes”. Não foi um sucesso retumbante, como basicamente nada do grupo, mas, por outro lado, é impossível qualquer conversa séria sobre música brasileira onde o disco não entre, assim como vários outros que gravaram.

No princípio, os Mutantes eram basicamente três, ou seja, a loirinha Rita Lee e os irmãos Arnaldo e Sérgio Baptista. Extremamente simpáticos, irreverentes e criativos, pegaram esta primeira chance e não se fizeram de rogados. Tiveram direito até a um George Martin próprio, o maestro tropicalista Rogério Duprat que, de certa forma, requalificou a ousadia da garotada.

O resultado é inesquecível, profuso, repleto de tendências e timbres, arranjos inusitados, enfim, uma farra que rimava com toda a barafunda que rolava mundo afora naquele momento. O trio tinha um talento musical abusivo. Tocavam bem diversos instrumentos, cantavam e vocalizavam muito bem e estavam repletos de energia.

O repertório, como quase todo disco de estreia de uma banda de rock ficou dividido entre canções de terceiros e composições próprias. Logo de saída, feita quase que por encomenda, a antológica canção “Panis et Circenses”, de Caetano Veloso e Gilberto Gil, quase que indivisível do grupo, escancara o escárnio às pessoas na sala de jantar ocupadas em nascer e morrer. O caminho estava traçado.

A partir dali, com outra canção inédita, desta vez do então Jorge Ben, Os Mutantes esbanjam suingue com “A Minha Menina”. Logo depois, a esquisitíssima e psicodélica “O relógio”, composta pelo trio, inaugura o repertório autoral. Posto isto, mais uma volta de 360 graus pra ir parar no animado baião de Humberto Teixeira e Sivuca, “Adeus Maria Fulô”.

Até então, nada de exatamente rock and roll e, na mesma toada, a um tanto reflexiva “Baby”, de Caetano, enche o caminho de cores com uma versão virada do avesso. Mais uma composta pelo trio, manda o “Senhor F” dar “um chute no patrão”, com direito à polifonia e final falso estilo Beatles. Outra virada do avesso, mais uma vez de Caetano e Gil e uma versão repleta de ruídos para “Bat Macumba”, também de Caetano e Gil.

Do repertório anterior de Rita Lee, foi parar no disco a singela “Le Premier Bonheur du Jour”, clássico francês de Frank Gérald, Jean Renard gravado por Françoise Hardy. Outra do trio, desta vez com o dedo de Caetano, “Trem Fantasma” recria de maneira magistral, com melodia e arranjo circulares, o efeito do brinquedo de parque de diversões.

Para encerrar, Os Mutantes fizeram versão para o clássico da banda Mamas and the Papas “Tempo no Tempo (Once Was a Time I Thought)” e, logo em seguida, também de autoria do trio, “Ave Gengis Khan”.

No final das contas, um disco que entrou para a história e, de quebra, ficou em nono lugar na lista da revista Rolling Stone entre os 100 melhores discos de música brasileira de todos os tempos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s