Goleada impõe reflexões

DdzGVhfU0AAK5xV

POR GERSON NOGUEIRA

Quem viu o Papão ser atropelado pelo Tigre catarinense na terça-feira à noite deve ter custado a acreditar que se tratava de um jogo entre o terceiro colocado e o vice-lanterna da Série B. Sem se incomodar com a ilustre visita, o 2º pior time da competição deu um banho de bola no 3º melhor time, segundo os números frios da classificação.

Difícil foi compreender o sistema de jogo empregado pelos bicolores na partida. Apesar de jogar com aplicação e alguma organização os 15 minutos iniciais, o time desceu ladeira abaixo nos 75 minutos restantes, sofrendo dois gols no término do primeiro tempo e mais dois na etapa final.

Nas entrevistas pós-jogo, pontificaram os discursos de acomodação, puxando para a argumentação típica de cursos de consultoria aplicados ao futebol, segundo a qual nada é tão bom quando dá certo e nem tão ruim quando resulta em perda.

O zagueiro Diego Ivo, considerado um dos líderes do elenco, chegou a repetir na Rádio Clube que “foi bom isso ter acontecido agora”, como se derrotas pudessem ser boas a qualquer momento. Acrescentou que a goleada servia de alerta para que o time ficasse mais focado.

Dado Cavalcanti seguiu na mesma toada, dizendo que o resultado vexatório aconteceu na hora certa para chacoalhar a equipe. A pergunta obrigatória, a partir dessas análises, é: por que a tal chacoalhada não aconteceu antes, evitando o sofrimento com revés tão retumbante?

Sem ver a cor da bola na maior parte do confronto, o Papão não teve forças e nem tranquilidade para sair do cerco imposto por Mazola Jr., que usou peças bem conhecidas do público paraense para superar o ex-time.

Um resultado tão acachapante gera reflexões, que devem servir para aprumar as coisas. Afinal, a pior atuação do PSC na temporada requer análises e avaliações internas rigorosas, ainda que a posição na tabela continue satisfatória.

No Tigre, dois destaques. Luiz Fernando, que despontou no Águia de Marabá, virou uma espécie de faz-tudo no Criciúma atual. E o rodado Zé Carlos, carrasco do PSC nos últimos três anos (marcou seis gols em sete confrontos), que liderou as jogadas de área com bom posicionamento e arrojo para superar o trio de zagueiros bicolores.

Aliás, a última linha foi um dos pontos mais frágeis do Papão. Diego Ivo, Edimar e Douglas Mendes sofreram muito com a chegada rápida, a rápida troca de passes e os cruzamentos rasantes do Tigre. É verdade que não contaram com proteção adequada, pois Renato Augusto voltou a atuar mal.

A rigor, ninguém se salvou. Todos os setores fraquejaram, com ênfase nas laterais, onde Maicon Silva e Carlinhos se esmeraram em erros. No ataque, pouco se notou a presença de Mike e Cassiano.

Dado sinalizou para possíveis mudanças contra o Goiás, amanhã à noite. Perema pode retornar à zaga. Moisés deve fazer companhia a Cassiano na frente, mas a alteração mais importante – e temerária – deve ocorrer no meio-campo. Renato, lesionado, deve ser substituído por Cáceres ou Danilo Pires, visto que William não foi relacionado. A conferir.

——————————————————————————————

Leão junta os cacos para dar a volta por cima

Artur Oliveira tem insistido na necessidade de contratação de um lateral-esquerdo. Sem um especialista para o setor (Esquerdinha estava lesionado), viu-se obrigado a manter Bruno Maia improvisado contra o Salgueiro, apesar da má atuação contra o ABC na rodada anterior. Coincidência ou não, foi por ali que nasceu a jogada do gol salgueirense.

Cabreiro, Artur sugeriu João Vítor, lateral revelado pela Tuna e hoje defendendo o Independente na Série D. A diretoria tenta atendê-lo. Outros dois reforços devem vir do ex-clube de Artur, o Bragantino. Keoma e Romário estão quase fechados com os azulinos.

Para o jogo decisivo contra o Náutico, no sábado, Esquerdinha deve retornar à equipe. Quem talvez perca posição é Dudu, de rendimento errático, principalmente pelo imperícia nos passes e lentidão na saída para o ataque. Brasília e Dedeco devem ficar na marcação.

Nos treinos desta semana, o técnico tem demonstrado a intenção de manter o esquema com três meias (Everton, Rodriguinho e Rafael) dando suporte ao centroavante Eliandro. Artur ficou satisfeito com a movimentação ofensiva que o Remo conseguiu no primeiro tempo diante do Salgueiro.

É inegável que os meias proporcionam maior qualidade de passe e flutuações interessantes junto à área, sempre com a chegada de um homem-surpresa para finalizar. O problema é a insegurança para arriscar chutes a gol. Travados, os jogadores parecem com medo de tentar o disparo final, acabando por desperdiçar várias oportunidades.

O Remo não tem tempo a perder e precisa sanar seus problemas para que a sonhada recuperação se inicie na Arena Pernambuco. Ainda que seja apenas a segunda vez que o time joga com essa configuração, o torcedor já cobra exageradamente de Artur resultados satisfatórios. Novo tropeço vai transformar a cobrança em explosões de ira.

——————————————————————————————

Invasão do Baenão afronta o clube e desafia diretoria

Clubes de massa são instituições públicas e representam milhões de abnegados, não pertencendo a um grupo específico e nem mesmo a uma diretoria. No Remo, a cerca sempre andou baixa nos últimos tempos, permitindo que todo tipo de aventureiro se arrisque a invadir e até se apossar da propriedade.

Anteontem à noite, um grupo de baderneiros atacou os portões da concentração remista, conhecida como Toca do Leão, no estádio Evandro Almeida. Por pura sorte, o incidente não registrou vítimas ou danos de monta, mas a invasão já é em si um ato intolerável e que deve ser punido com rigor pelos que dirigem o clube.

A porta não pode ser derrubada por ninguém, nem mesmo pelos que se dizem torcedores e agem como turba violenta. Ironicamente, naquele instante, chefes de facções ditas “organizadas” eram recebidos por dirigentes para uma conversa dita civilizada.

(Coluna publicada no Bola desta quinta-feira, 07)

7 comentários em “Goleada impõe reflexões

  1. As reflexões tem de surgir até de forma natural em tono dessa campanha e time bicolor, principalmente após esse apagão em contra o Tigre vice lanterna , um time que não é nem sombra do Criciúma da década de 90. A apresentação do Paysandu foi preocupante porque não se deve esquecer que o plantel e time titular é a base do time do parazão que levou um verdadeiro pagão nos REXPas e perdeu todas para time limitadíssimo do Remo, o qual a menos que ocorra milagre deve encerrar a temporada 2018 duramente em agosto. Por aí se vê para quem essa base titular bicolor perdeu. Então a campanha que é muito boa até agora não deve ofuscar as mazelas tipo essa derrota de 4×1 e as apresentações ruins em 7 jogos desta B, mesmo tendo conquistado pontos na maioria, porque o time só mostrou futebol satisfatório contra Ponte e Londrina.

    Curtir

  2. E uma reflexão que faço sobre uma coisa que muito me intriga sobre esse e outros times do Paysandu formados é quais os motivos de tanta dificuldade que o Paysandu possui de vencer times de Santa Catarina e Rio Grande do Sul lá dentro. Já comentei isso aqui e volto a tocar no assunto, porque a última vitória bicolor lá foi justamente sobre esse Tigre por 3×0 em 2016, o qual em 2018 devolve com juros a aquela derrota. Antes de 2016 o Paysandu só tinha vencido o Juventude no distante 2003 pela séria A, mais o Paysandu tinha aquele time inesquecível de bom. O Papão jamais venceu Gremio e Inter lá, e esse ano foi eliminado da Copa Brasil pelo quarta divisão Novo Hamburgo. Quer dizer, são números alarmantes contra o Papão porque com o futebol nivelado hoje em dia, não se pode mais admitir esses tipos de sina ou tabu. No oposto disso, quase todos os times grandes e médios desses estádios tem vindo quase sempre em Belém e vencido sem dificuldades. É preciso melhorar essas estatísticas porque sempre tem muitos times desses Estados em todos as séries nacionais, principalmente A, B e C onde não ter cacife para sem impor e vence-los lá, são muitos pontos que previamente o Papão não pode contar lá fora. Aí não tem como subir numa competição. Contra o futebol Goiano, próximo adversário bicolor, dentro da capital a coisa é mais grave ainda. So para ter uma ideia, o Papão não vence dentro de Goiânia desde 1976 quando venceu esse mesmo Goias, adversário de sexta, considerado na época uma zebrona. De lá para K só venceu Vila Nova e Craque mais foi no interior. Isso é muito pouco sem nenhuma dúvida. Naquele tempo até se admitia isso porque o Papão era semi amador, mas hoje o Papão cresceu muito no cenário, se agigantou e não pode permitir essas sinas duradouras contra sí. Vamos ver se o panorama já muda contra o Goiás.

    Curtir

  3. Para começar, esse negócio de colocação é muito relativo. Vejo essa Série B muito equilibrada, salvo alguns casos como do Fortaleza e CSA que deslancharam, ainda que isso último comece a patinar.

    Quando cheguei em casa o time já “descia ladeira” e nem deu para ver a aplicação e organização. Vi nos gols muita falha de posicionamento, o que facilitou em muito a vida do velho artilheiro, que não me espantarei se ano que vem estiver do outro lado da Almirante Barroso. Eles adoram isso.

    Concordo que ninguém se salvou.

    Queiram ou não, o Moisés é imprescindível no esquema do treinador, pois é o maior municiador de jogadas para os atacantes. Perema, ainda que inconstante, é muito mais seguro que os três que lá estão. Quanto ao meio, acho que Carandina faz muita falta à equipe, pois sem sua marcação o outro volante fica sobrecarregado. Cáceres ou Danilo, é tudo igual. Quanto ao William, o clube paga esse preço por adotar a política intramuros, onde não se sabe quase nada que se passa lá dentro, mas acreditem, ele está merecendo esse gancho.

    Curtir

  4. O Willian merece esse gancho amigo Acácio??? Agora me deu medo e espero que não seja por indisciplina, porque aí seria demais para minha cabeça mais um jogador jovem, talentoso da casa praticando atos de indisciplina ou pegando corda dos outros parecendo relógio ou parecendo Moises o mascara, Fabricio , Leandro carvalho, Bartola, San, R andrade e muitos outros atletas da base bicolor que quando começaram a dar um chute zinho certo passaram a achar que ja eram o Messy, outros o CR7 , e não progrediram na carreira como se esperava. Sempre é bom ganhar mais grana e tentar uma boa grana em outros clubes por causa da carreira curta de atleta de futebol, mas digo também que Inteligência, astúcia, personalidade forte, responsabilidade , prudência e caldo de galinha não faz mal a ninguém. Ir com muita sede ao pote pode se sufocar. espero que willian não seja mais um indisciplinado desses.

    Curtir

  5. Parabéns mucura, 21 anos da quebra do tabu 33 kkkkkkk teve até volta olímpica kkkkkkkkk levantaram até o técnico kkkkkkkkkk mas tabu não vale nada né mucura, então pq toda aquela festa? kkkkkkkkk Kd o Cornélio e o peixinho pra comentar? Kkkkkkk é por isso q eu digo: mucura nosso eterno freguês e nossa eterna piada kkkkkkkkkk já começou outro tabu 4 peias kkkkkkkkk

    Curtir

  6. Ei Edson o teu time foi goleado pelo Confiança aqui em Belém calando a galera na arquibancada kkkkk Você foi pra esse jogo? Kkkk
    Remo freguês de goleadas do Papão kkkkk
    Vice lanterna cinco peias kkkkk

    Curtir

  7. Falou o aposentado q torce pro time q foi goleado pelo sub-20 do Leão kkkkkkkkkkk 4peias

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s