Por que acho que não haverá eleições

Dctq-0MX4AEIaj0

Por Milly Lacombe, em seu blog

Vendo a performance de Guilherme Boulos no Roda Viva do dia 7 de maio uma ideia que me persegue há meses ganhou cores ainda mais fortes. A ideia é a de que não haverá eleições esse ano. Nada além de minha especulação criativa sustenta o que escrevi acima, mas alguns pontos teimam em ficar reforçando a minha paranóia.

O primeiro deles é pensar que a direita, representada, financiada e alavancada pelo poder econômico, não teria elaborado e cumprido o bem-sucedido golpe parlamentar para correr o risco de perder o poder logo depois.

O teatro da democracia, até aqui tricotado com o apoio da mídia e do judiciário, seria sustentado caso um dos candidatos da direita, estando Alckmin como o nome de consenso, aparecesse bem nas pesquisas de intenção de voto.

Mas Alckmin se mostra, outra vez, um nome sem nenhum apelo popular, e não há outro possível, nem mesmo Bolsonaro, que, a despeito de todo o despreparo político e humanitário, seria abraçado pela direita se fosse essa a única alternativa para se manter no poder.

As urnas, para a direita, não parecem ser boa opção. Isso, claro, há quase 20 anos.

E por que a direita já não mais alcança a população? Porque fica difícil convencer a população de que medidas como a perda de direitos trabalhistas é bastante boa para ela e que esse tipo de iniciativa está sendo tomada para o bem da Nação.

Como explicar ao caixa do supermecado que a jornada de 12 horas vai ser benéfica para ele? Como explicar ao trabalhador do campo que, para uma vida melhor ele agora pode receber o salário em alimentos? Como contar que trabalhar mais e ganhar menos é uma ideia excelente?

E que os planos de saúde têm que ser maior do que o SUS? Como convencer de que privatizar os parques e cobrar entrada é, na real, muito bom para o trabalhador e sua família? Como dizer que o Brasil, afinal, não precisa de indústria de ponta e que mais vale vender tudo para a gringa?

Como desenhar que o congelamento de investimentos em educação por 20 anos é medida tomada em benefício dos mais pobres? Ou que o corte do fornecimento gratuito de leite para famílias de baixa renda é o que vai fazer com que aquelas pessoas, finalmente, desabrochem economicamente?

A cartilha de crenças da direita não tem mais adesão simplesmente porque ela é cruel, desumana e já não está minimamente conectada à realidade. O afastamento das coisas reais é tão brutal que passa a ser razoável dizer coisas como “os prédios estão sofrendo com as invasões”, ou “as ruas estão castigadas com os sem-teto”. É a mais completa inversão de valores, tudo em nome do lucro de poucos e da miséria de muitos.

Como, então, construir uma plataforma com essas bases e buscar apoio popular para ganhar no voto?

Em etapas.

Para tentar se manter no poder sob uma finíssima camada de democracia os mesmos interesses que deram o golpe tiveram que inviabilizar o candidato que seria capaz de unir as esquerdas e de ganhar a eleição com ampla maioria popular. Criaram uma história que não se sustenta, que precisou driblar a constituição e criar leis às pressas, e que contou com o apoio do judiciário. Acharam que tirando Lula de cena o caminho estaria livre e que ficariam protegidos para seguir com teatro da democracia e ganhar no voto. Mas as pesquisas indicam o oposto.

E aí entra a retórica de Guilherme Boulos e toda a esquerda de hoje.

A diferença de preparação, de elegância e de conhecimento entre Boulos e a turma da direita – Alckmin, Dória, Bolsonaro – é tão escandalosamente palpável que não existe chance de um debate entre eles ter algum resultado que não seja uma goleada para Boulos. Vou incluir aqui Ciro Gomes e Manuela D’ávila, outros dois que, a despeito das diferenças, estão conectados com as necessidades da população.

No Roda-Viva do dia 7 de maio Boulos destruiu, com a maior elegância do mundo, a bancada, quase toda formada por gente de direita e que estava ali babando para encurralá-lo. Mas não há como fazer isso porque tudo o que a direita tem como argumentos é uma cartilha defasada, que não se baseia mais na realidade, que está distante das necessidades, dos sonhos da população e que encontra porta-vozes como Alexandre Frota, Janaina Paschoal e Luana Piovani.

Durante o Roda Viva os jornalistas da bancada jogavam à mesa, com perguntas longas, suas crenças macro-econômicas, cheias de uma linguagem feita para que pouca gente entenda, e Boulos respondia com a micro-economia que todos nós somos capazes de entender. Fazia muito tempo que a diferença entre as ideologias de esquerda e de direita não ficava tão escancaradamente nítida em um programa de TV. O que se viu Boulos fazendo no Roda Viva foi, para dizer o mínimo, um horror devastador para a direita.

A desigualdade chegou a um ponto sem volta, que fez nascer na população miserável um brutal interesse pela política. Até os motoristas de taxi de São Paulo, antes tão psdbistas, hoje já não se veem mais representados pelo poder que está aí.

Achar que essa gente esquecida não manja nada de política é a base do neo-liberalismo, cujo discurso é o de eleger homens escolarizados, bem-vestidos, ricos e que, por todas essas qualidades, estão mais preparados para dizer o que a população precisa. Uma turma que acredita estar de fato à frente de tudo e de todos, e por ser tão superior é capaz de guiar e de orientar.

Para se manter no poder essa turma contava com uma recuperação economica que obviamente não veio, ainda que os meios de comunicação tentem desesperadamente falar em crescimento de 1% e em diminuição de 0,01% no valor da compra de imóveis.

O colapso social da Nação já não sustenta mais esses homens de sapatos caros, dentes super-brancos e cabelos bem aparados. O máximo da transgressão para os Dorias da vida são as calças muito justas e as camisas sociais de gola ao contrário.

Não há mais retórica que eleve a direita à condição de favorita. Nem mesmo o apoio da mídia. Acontece que o golpe custou caro, há compromissos estabelecidos com gente graúda além-mar, e eu acho que o poder não vai ser entregue assim de bandeja para um Ciro da vida. Não acho que a turma do golpe vá permitir isso.

Como melariam as eleições eu não tenho a menor ideia, mas o medo sempre foi uma eficaz arma de dominação e a história está repleta de circunstâncias nas quais a população, apavorada e encurralada, ergue as mãos para cima e grita ao poder público: protejam-me a qualquer custo. E vamos lembrar que se trata de uma galera tem a seu lado aquela outra turma cheia de tanques, de fuzis e de patentes.

Seja como for, a verdade que fica a cada dia mais evidente é que nunca teve a ver com combate a corrupção; sempre teve a ver com recuperar o poder, e agora tem a ver com se manter no poder. Não me parece de verdade que vai ser pelas urnas.

Espero muito estar enganada, mas a performance devastadora de Boulos no Roda Viva de ontem segue aqui me dizendo que eu talvez esteja certa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s