Crônica da queda anunciada

POR GERSON NOGUEIRA

Marquinhos Santos caiu. O quadro estava desenhado desde que o PSC perdeu o Re-Pa e quatro dias depois foi eliminado da Copa do Brasil. O técnico ficou por um fio, mesmo tendo disputado somente cinco jogos na temporada. Não que sua situação fosse propriamente sólida antes disso. A permanência do treinador no comando após a campanha ziguezagueante na Série B 2017 chegou a causar surpresa.

Quando foi anunciado como o técnico para 2018, a diretoria justificou dizendo – com razão – que Marquinhos não havia tido a chance de começar um trabalho no clube. Havia desembarcado na Curuzu na 10ª rodada da Série B, substituindo a Marcelo Chamusca e pegando o bonde andando.

A condução do time montado por Chamusca não foi das melhores. O Papão sofreu um bocado para escapar da queda, só conseguindo respirar nas rodadas finais do campeonato. A rigor, Marquinhos utilizou um esquema sempre conservador, acumulando um inédito retrospecto de derrotas dentro de casa. Levava sufoco como visitante, mas fechava-se e com isso arrancava alguns bons resultados.

coluna do gerson - 13-02-2017

Para o torcedor, porém, a campanha foi frustrante. Acostumado a apoiar o time, na Série B 2017 não teve motivos para festejar, pois o Papão não se fazia respeitar como mandante. Acompanhava os jogos pela TV, sofrendo com a postura medrosa da equipe fora de casa.

Um aspecto do estilo pessoal do técnico sempre gerou muita crítica: a capacidade de ler um jogo de maneira inteiramente oposta ao que ocorria em campo. Viraram peças folclóricas suas entrevistas pós-jogo nas quais desfilava mil e uma razões para um resultado ruim.

Atribuía sempre os problemas do time às condições dos campos, ao mau tempo, à falta de tempo para treinamentos – como se os demais times não tivessem as mesmas dificuldades. Ao empatar com o modesto Paragominas, na Arena Verde, teve a coragem de dizer que o time iniciava ali a reabilitação depois do vexame diante do Novo Hamburgo.

Marquinhos se perdia pelas palavras. Na sexta-feira, após empate aos trancos e barrancos com o Interporto, em Porto Nacional (TO), o treinador analisou a atuação, mostrando-se satisfeito porque o time havia sido “agressivo do primeiro ao último minuto”. Na verdade, todo mundo viu que o PSC só atacou nos 10 minutos finais.

Para coroar a análise, referindo-se às cobranças pela queda na Copa do Brasil, comparou-se a ninguém menos que Tite. Segundo ele, o técnico da Seleção jamais teria feito carreira de sucesso se os dirigentes tivessem cedido às pressões quando o Corinthians foi eliminado pelo Tolima, na Libertadores de 2011. Um exemplo forçado e fora de lugar.

O descanso excessivo concedido ao elenco no Carnaval foi a gota d’água para a demissão. A diretoria não engoliu tamanha folga em meio ao cenário de indefinição no Parazão, onde o PSC caiu para a 2ª posição em seu grupo e terá duro compromisso em Parauapebas na próxima rodada.

No fim das contas, a incrível e inédita pré-temporada que avançou campeonato adentro – uma das mais anedóticas ideias do treinador – sobreviverá a Marquinhos, deixando o Papão ainda sem um time para chamar de seu, embora tenha elenco numeroso e (em tese) qualificado.

————————————————————————————————

26-08-15_-_akira_-_dado_cavalcanti.jpg

Dado e Mazola cotados, mas clube analisa outros nomes

É provável que, quando esta coluna estiver sendo lida, a diretoria do PSC já tenha contratado um novo técnico. As sondagens começaram ainda na semana passada, pois a decisão de afastar Marquinhos Santos vinha sendo amadurecida desde o jogo contra o Novo Hamburgo.

A busca pelo substituto inclui a análise de nomes já conhecidos e que conhecem o clube. Casos de Dado Cavalcanti, Mazola Jr. e Givanildo Oliveira, com chances maiores para o segundo, embora persistam resistências ao estilo autoritário.

A prospecção também passa por nomes que nunca dirigiram o Papão: Lisca, Argel Fucs, Geninho, Sérgio Soares e Marcelo Cabo (ex-Atlético Goianiense) são mencionados. Argel, Geninho, Cabo e Lisca estão sem clube, mas a faixa salarial (acima de R$ 100 mil) pode emperrar as negociações.

Segundo fonte ligada à diretoria, o nome mais cotado é o de Dado Cavalcanti, mas Mazola, velho conhecido da casa e com boa passagem pelo clube, também está na fita. O certo é que, qualquer que seja o escolhido, terá o desafio de estruturar um time às pressas, visando corrigir a rota no Parazão e encaminhar a busca pelo bi da Copa Verde.

(Coluna publicada no Bola desta terça-feira, 13) 

11 comentários em “Crônica da queda anunciada

  1. Impressionante como o Papão flerta com a mesmice. Além de dois ex-treinadores em atividade, Geninho e Givanildo, colocou no rol ‘meia dúzia’, que substituirá o seis, os nomes de Mazola e Dado, ambos já testados e não aprovados.
    Desconfio que a economia de palitos com salários de treinadores modestos jamais fará com que esse elenco caro, para os padrões das competições que o clube disputará este ano, engrene e obtenha as respostas desejadas. tomara que não.

    Curtir

  2. Dessa vez concordo com a demissão. Desses todos o único com currículo diferenciado, por ter feito bons trabalhos em times do primeiro escalão, é Geninho. Queria vê-lo no Papão. Os outros se equivalem, a meu ver. Outro nome bom, mas que tá empregado na CBF, é o de Vadão com vários excelentes trabalhos na série A com times médios na camisa e no papel, que é o perfil do PSC no cenário nacional.

    Curtir

  3. Concordo com você em quase tudo, Jorge. Apenas penso que Geninho ainda poderia fazer esse elenco, de bons nomes, virar um time forte.

    Curtir

  4. Dado, nenhuma novidade. Bom treinador. Aprovou na primeira vez que passou por aqui, na segunda não foi tão bem. Por sinal, não consigo entender o que o amigo Jorge diz como não aprovou… Tanto Mazola quanto Dado tem boa aceitação entre os torcedores. Mazola subiu para série B com um time limitado e Dado fez uma excelente campanha na B com um time apenas razoável. Em síntese, menos, por que o mercado brasileiro de técnico não é tão qualificado assim para ficar escolhendo…

    Curtir

  5. Ah… E a ideia de velho… vou te dizer… Giva subiu o América tem pouco templo para série A… Idade não dita qualidade, paremos com isso… Não existe ex-treinador em atividade, existe treinador incapaz de querer aprender um pouco mais, como Luxa.

    Curtir

  6. Papão, incorrendo nos mesmos erros de outrora. Dado teve passagem boa pelo maior do norte, mas também teve fracasso, e sua filosofia de jogo e discurso é igual a do antecessor . O maior do norte precisa de um treinador com uma filosofia de jogo mais arrojada sem medo de perder jogos . Eu traria o Junior Rocha , Pondé, ou o Mazola nessa ordem. Ah não falem que treinador tal caiu com time tal, e por isso não podem treinar o maior do norte. Abs.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s