Dalcídio Jurandir ganha novas edições da Pará.grafo

cp_3_casas

A Pará.grafo Editora lançou novo projeto de financiamento coletivo para reeditar os livros “Três Casas e um Rio” e “Os Habitantes”, do romancista paraense Dalcídio Jurandir, sem novas edições há décadas. A campanha fica no ar entre 02/12 e 31/01, no site Catarse.

Depois do sucesso no projeto anterior, que ajudou a reeditar o livro “Ponte do Galo” após 46 anos da primeira edição, a Pará.grafo Editora segue seu projeto de recolocar nas estantes brasileiras as demais obras esgotadas do autor. Serão edições com apurado acabamento gráfico, ilustrações da artista plástica e escritora Paloma Franca Amorim, e versão em e-book. Os apoiadores podem receber como recompensas exemplares numerados, miniaturas do autor, pôsteres com as ilustrações do livro (reproduções ou mesmo originais) entre outras opções. Também há a opção de livrarias e empresas participarem dessa iniciativa, com condições especiais.

Dalcídio Jurandir (1909-1979) nasceu em Ponta de Pedras, Ilha do Marajó, e faleceu no Rio de Janeiro. Escreveu onze romances, dos quais dez formam o chamado Ciclo do Extremo-Norte. Recebeu com eles o Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto da obra, em 1972. Teve edições em Portugal e na Rússia. Colaborou como jornalista e cronista em diversos jornais e revistas regionais e nacionais. É considerado por muitos o maior romancista da Amazônia e um dos principais autores brasileiros do século XX.

Nos livros do Ciclo, através da saga do menino Alfredo, o autor, com grande intensidade narrativa, descreve o horizonte amazônico a partir do contexto humano e geográfico com a riqueza de suas imagens, suas expressões linguísticas típicas, a cultura e, até mesmo, as concepções sociopolíticas. Retrata com plasticidade a existência humilde de personagens que são pequenos proprietários de terra, barqueiros, ribeirinhos, pescadores, vaqueiros, enfim, a matéria humana a que Dalcídio chamava a sua “criaturada do Marajó”. Compõem o Ciclo:

  • Chove nos Campos de Cachoeira(1941)
  • Marajó (1947)
  • Três Casas e um Rio (1958)
  • Belém do Grão Pará (1960)
  • Passagem dos Inocentes (1963)
  • Primeira Manhã (1967)
  • Ponte do Galo (1971)
  • Os Habitantes (1976)
  • Chão dos Lobos (1976)
  • Ribanceira (1978)

cp_os_hab

Três Casas e um Rio foi lançado em 1958, com capa de Cândido Portinari, e teve outras duas edições, sendo a última em 1994, tornando-se objeto de luxo nos sebos do país. É o terceiro livro do chamado Ciclo do Extremo-Norte, série romanesca de dez livros de Dalcídio Jurandir, iniciada com “Chove nos Campos de Cachoeira”. Esta quarta edição será lançada em comemoração aos 60 anos da primeira. Edições anteriores.

Os Habitantes, de 1976, nunca foi reeditado, tornando-se um livro raro. Esta será sua segunda edição, após mais de 40 anos. É o oitavo livro do Ciclo, logo após o “Ponte do Galo”.

A Pará.grafo Editora, localizada em Bragança-PA, visa a reedição de obras literárias importantes do Pará e da Amazônia que se encontram fora de circulação. Além de Dalcídio Jurandir, de quem pretende relançar todos os títulos, a editora vai trabalhar com outros autores fundamentais da nossa cultura cujos livros se tornaram raros ou completamente esgotados. (Texto de divulgação)

Um comentário em “Dalcídio Jurandir ganha novas edições da Pará.grafo

  1. Grande iniciativa! Vou participar desta e se puder das demais. Meu alvo principal é “Chove nos Campos de Cachoeira”.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s