Cortella: bem-formada, nova geração chega mal-educada às empresas

10 de novembro de 2017 at 11:37 2 comentários

POR INGRID FAGUNDEZ, na BBC Brasil

Segunda-feira, seis da manhã. O despertador toca e você não quer sair da cama. Está cansado? Ou não vê sentido no que faz?

Na introdução de seu novo livro, o filósofo e escritor Mario Sergio Cortella coloca em poucas palavras o questionamento central da obra Por que fazemos o que fazemos?. Lançada em julho, ela trata da busca por um propósito no trabalho, uma das maiores aflições contemporâneas.

Em entrevista à BBC Brasil, Cortella, também doutor em Educação e professor, fala como um mundo de múltiplas possibilidades levou as pessoas a negarem ser apenas uma peça na engrenagem.

O filósofo explica como a combinação de um cenário imediatista, anos de bonança e pais protetores fez com que a “busca por propósito” dos jovens seja muitas vezes incompatível com a realidade.

“No dia a dia, eles se colocam como alguém que vai ter um grande legado, mas ficam imaginando o legado como algo imediato”. Essa visão “idílica”, afirma, transforma escritórios e salas de aula em palcos de confronto entre gerações.

“Parte da nova geração chega nas empresas mal-educada. Ela não chega mal-escolarizada, chega mal-educada. Não tem noção de hierarquia, de metas e prazos e acha que você é o pai dela.”

Leia os principais trechos da entrevista abaixo:

BBC Brasil – O que desencadeou a volta da busca pelo propósito?

Mario Sergio Cortella – A primeira coisa que desencadeou foi um tsunami tecnológico, que nos colocou tantas variáveis de convivência que a gente fica atordoado.

A lógica para minha geração foi mais fácil. Qual era a lógica? Crescer, estudar. Era escola, e dependendo da tua condição, faculdade. Não era comunicação em artes do corpo. Era direito, engenharia, tinha uma restrição.

Essa overdose de variáveis gerou dificuldade de fazer escolhas. Isso produz angústia em relação a esse polo do propósito. Por que faço o que estou fazendo? Faço por que me mandam ou por que desejo fazer? Tem uma série de questões que não existiam num mundo menos complexo.

Não foi à toa que a filosofia veio com força nos últimos vinte anos. Ela voltou porque grandes questões do tipo “para onde eu vou?”, “quem sou eu?”, vieram à tona.

BC Brasil – Podemos dizer que nesse contexto vai ser cada vez menor o número de pessoas que não tem esses questionamentos?

Mario Sergio Cortella – Cada vez menor será o número de pessoas que não se incomoda com isso. O próprio mundo digital traz o tempo todo, nas redes sociais, a pergunta: “por que faço o que faço?”, “por que tomo essa posição?”. E aquilo que os blogs e os youtubers estão fazendo é uma provocação: seja inteiro, autêntico. É a expressão “seja você mesmo”, evite a vida de gado.

BBC Brasil – No seu livro, você fala da importância do reconhecimento no trabalho. Qual é ela?

Mario Sergio Cortella – O sentir-se reconhecido é sentir-se gostado. Esse reconhecimento é decisivo. A gente não pode imaginar que as pessoas se satisfaçam com a ideia de um sucesso avaliado pela conquista material. O reconhecimento faz com que você perca o anonimato em meio à vida em multidão.

No fundo, cada um de nós não deseja ser exclusivo, único, mas não quer ser apenas um. Eu sou um que importa. E sou assim porque é importante fazer o que faço e as pessoas gostam.

BBC Brasil – Pelo que vemos nas redes sociais, os jovens estão trazendo essa discussão de forma mais intensa. Você percebeu isso?

Mario Sergio Cortella – Há algum tempo tenho tido leitores cada vez mais jovens. Como me tornei meio pop, é comum estar andando num shopping e um grupo de adolescentes pedir para tirar foto.

Uma parcela dessa nova geração tem uma perturbação muito forte, em relação a não seguir uma rota. E não é uma recuperação do movimento hippie, que era a recusa à massificação e à destruição, ao mundo industrial.

Hoje é (a busca por) uma vida que não seja banal, em que eu faça sentido. É o que muitos falam de ‘deixar a minha marca na trajetória’. Isso é pré-renascentista. Aquela ideia do herói, de você deixar a sua marca, que antes, na idade média, era pelo combate.

O destaque agora é fazer bem a si e aos outros. Não é uma lógica franciscana, o “vamos sofrer sem reclamar”. É o contrário. Não sofrer, se não for necessário.

Uma das coisas que coloco no livro é que não há possibilidade de se conseguir algumas coisas sem esforço. Mas uma das frases que mais ouço dos jovens, e que para mim é muito estranha, é: quero fazer o que eu gosto.

Entry filed under: Uncategorized.

Capa do Bola – sexta-feira, 10 Pois é…

2 Comentários Add your own

  • 1. Emanuel Villaça  |  10 de novembro de 2017 às 13:51

    Muito bom.

    Curtir

  • 2. lopesjunior  |  11 de novembro de 2017 às 0:01

    Não concordo totalmente com o que Cortella propõe. O desafio mesmo da modernidade é a complexidade. Ninguém foi muito longe no mundo simplório da Id. Média. Concordo que a atualidade possa confundir pela diluição das referências profissionais históricas, como da medicina e da engenharia em meio às tantas novas profissões especializadas, mas isso confunde mesmo os mais velhos. Discordo da afirmação de que o excesso de informação atordoa (desorienta) o jovem. Não concordo que informação em excesso desoriente o jovem quando ele está apto a isso mesmo. Antes, desnortearia os mais velhos, nós que dizemos pros mais novos que ler um livro é o máximo, enquanto eles seguram um tablet… Por favor, não devemos afirmar com toda a certeza que um mundo visto como mais simples seja mais fácil de entender. O problema não é o mundo, antes é o observador. Então é necessário compreender que a especialização em si é um fenômeno compreensível e que a educação deve se atualizar para compreende-la, é dizer, que nossos professores devem (ou deveriam) ser capazes de assimilar essa tendência ao mesmo tempo em que elas ocorrem para serem capazes de orientar os jovens. A crítica, entendo, deve-se direcionar à educação formal que recebemos, nós diretamente ou nossos filhos/netos, e não à tecnologia ou a realidade atual mais complexa que antes.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,428,591 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 13.038 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

Edson do Leão - meu… em Leão é tetracampeão de ba…
Nelio(maior campeão… em Bergson vai defender o Fu…
Nelio(maior campeão… em Papão homenageia campeões do m…
Acácio F B Elleres -… em Bergson vai defender o Fu…
Comentarista em Leão é tetracampeão de ba…

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

novembro 2017
S T Q Q S S D
« out   dez »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: