Sobre o amigo Geo

POR GERSON NOGUEIRA

É sempre doloroso perder um amigo e companheiro de profissão, ainda mais quando a convivência era muito próxima. A morte de Geo Araújo fez com que todos da equipe de esportes da Rádio Clube do Pará ficassem entristecidos, ainda mais pela maneira repentina como tudo aconteceu. Uma boa maneira de digerir a situação é falando sobre o amigo que partiu, relembrando episódios e detalhes de sua presença entre nós.

Comecei a acompanhar o trabalho do Geo ainda na condição de ouvinte, bem antes de ser comentarista de rádio, em meados dos anos 80. Sempre fui magneto da Rádio Clube, hábito que tinha desde a infância em Baião quando os programas esportivos da grade influíam diretamente nos horários de minhas outras atividades de então.

Gostava no Geo daquele jeito despachado de narrar futebol, rico em bordões, transbordando de alegria verdadeira. Sempre achei que o esporte deve ser associado a momentos felizes e o papel do locutor é fundamental nisso. Muitas vezes ele consegue fazer de uma pelada um jogo tremendamente interessante. Assim como Sílvio Luiz, Geo tinha essa capacidade rara.

Quando comecei a comentar na Clube, em 2006, Geo já era veterano. Aprendi com ele alguns macetes básicos, como o de evitar entrar em tom baixo nas jornadas, pois o locutor está sempre em ritmo acelerado e frenético. Comentarista e repórteres precisam ter a mesma pegada. Coisa simples, mas que faz uma brutal diferença.

Na Copa de 2006, na Alemanha, enquanto Tommaso e eu estávamos em Königstein cobrindo a Seleção Brasileira, a outra parte da equipe ficou em Munique no comando das operações. Foi lá que o Pequenininho teve a primeira complicação cardíaca. Saiu-se bem do problema, mas deu um susto danado em todos nós – ainda mais que por aqueles dias Bussunda havia sofrido um infarto fulminante.

Quatro anos depois, viajamos juntos de Belém para cobrir a Copa da África do Sul. Uma viagem de 13 horas de duração até Joanesburgo que começou com exames rotineiros de pressão ainda em Val-de-Cans, feitos pelo sempre prestimoso dr. João de Deus, espécie de anjo da guarda da equipe. A preocupação era justificada em face do ocorrido em Munique.

Dividimos o quarto de hotel em Joanesburgo – Tommaso e Valmireko dividiram o outro, ao lado – e lá ficamos por 45 dias, trabalhando muito e sofrendo o banzo natural de quem deixa o Brasil e a família. Ali aprendi a conhecer melhor a figura humana do Geo, suas ideias e preocupações, sonhos e planos.

Quando as obrigações com a cobertura diária da Copa e da Seleção Brasileira permitiam, tirávamos um tempo para percorrer pontos históricos da capital sul-africana, com destaque para os lugares marcados pela forte presença de Nelson Mandela.

Visitamos também os famosos zoológicos de Joanesburgo, com direito a alguns sustos motivados pelo jeito sempre teimoso do amigo Geo. Ao entrar no Lion’s Park, por exemplo, ele ignorou os apelos desesperados de nosso motorista moçambicano para que não abrisse a janela.

O receio, justificado, era de um ataque repentino. Fotógrafo amador, Geo não perderia a chance de tentar capturar uma imagem aproximada dos leões que se amontoavam pela savana. Para isso, pôs os braços e a cabeça para fora do carro por angustiantes dois minutos, tempo suficiente para deixar o motorista completamente pálido.

Ao longo dos dias, estressados pela distância de casa, era sempre um consolo ter alguém como Geo por perto. Contador de histórias interioranas – nasceu em Santa Maria do Pará e viveu muito tempo em Bragança – divertia a todos, contribuindo para desanuviar um ambiente muitas vezes carregado.

Na volta da Copa, ficamos ainda mais amigos e tivemos oportunidade de dividir inúmeras transmissões esportivas. Sempre foi um prazer imenso estar na cabine ao seu lado, fazendo um esforço danado para acompanhar seu ritmo intenso de narração. Espero sinceramente não ter decepcionado muito e atrapalhado o Pequenininho nesses momentos.

Queria dizer, acima de tudo, que foi um privilégio trabalhar ao lado dele ao longo desses 11 anos e meses.

—————————————————————————————-

Quando a boa referência atrapalha a análise

O futebol alcançou um nível admirável de excelência técnica nos últimos anos – na Europa. Por conta dessa evolução, exposta ao mundo em cores vivas todas as semanas, através das exibições dos campeonatos mais badalados do mundo, criou-se um aleijão na análise feita por comentaristas, colunistas e jornalistas esportivos de maneira geral no Brasil. Não escapa ninguém, incluindo este escriba baionense.

Balizamos nossas avaliações pelo que observamos nos campos europeus, onde os times se esmeram na prática de um futebol que pretende ser competição e espetáculo ao mesmo tempo, quase sempre atingindo esse intento. Condição inteiramente oposta ao que se vê nos gramados nacionais, de todas as divisões.

Vai daí que nós, comentaristas, sempre formulamos análises e críticas tendo por referência o futebol de primeira qualidade praticado lá fora e que a TV exibe. O Brasil, porém, é hoje um imenso deserto de ideias futebolísticas, com times mal treinados e pouquíssimos jogadores dignos de atenção.

Refiro-me à Série A, principalmente, mas quero chegar ao âmbito da Série B, onde está o Papão. Fico vendo o jogo se desenrolar, como na sexta-feira contra o Criciúma, e anoto a quantidade de passes errados e tentativas esforçadas e toscas de envolver o adversário.

Chego à conclusão de que é até injusto exigir tanto e projetar grandes partidas de futebol diante do que temos por aqui, visto que o talento – primordial para a prática da modalidade – é algo que ninguém pode comprar e nem nasce como capim.

Voltarei ao tema.

(Coluna publicada no Bola desta segunda-feira, 30)

3 comentários em “Sobre o amigo Geo

  1. Um relato simples, emocionante, carinhoso e que expressou toda a admiração do amigo Gerson, ao nosso agora saudoso Gel Araújo. Momento de muita tristeza por essa partida tão precoce.

    Curtir

  2. Escutei o último programa na Radio clube, onde o Geo fazia sua despedida e se aposentando, ao vivo, fiquei emocionado neste dia, pois amava o rádio, ser apresentador e locutor, foi uma despedida apaixonante, Caxiado, Rui, Dinho, Jones Tavares, tiveram que levar o programa junto com ele, pois chorava copiosamente se despedindo e se aposentando do microfone da PRC-5. Agora, fico imaginando ele chegando no céu, São Pedro fazendo a chamada: -Geo Araújo. E ele respondendo: – Tá falando com ele, sou Geo Araújo desde pequenininho. Deus, tenha misericórdia de sua alma e conforte o coração de seus familiares.

    Curtir

  3. Enquanto nós, em 1974, tentávamos repetir com uma seleção envelhecida o sucesso de 1970, a Holanda, inspirada na seleção brasileira campeã, se apresentou ao mundo com o futebol total de Johan Cruijff e companhia, que encantou a todos. Domingo passado vi na ESPN uma reportagem sobre outra seleção brasileira mágica, a de 1982. Nessa matéria, Pepe Guardiola se derramou em elogios e revelou ser sua inspiração o time de Sócrates, Zico, Cerezo e demais craques canarinhos daquela seleção. Coincidentemente, Cruijff e Guardiola foram jogadores e técnicos de sucesso do Barcelona, time admirado por seus torcedores e também por torcedores adversários pelo seu vistoso futebol e elenco recheado de craques. O time catalão tem na sua maneira de jogar o DNA do nosso já perdido futebol arte.

    O tempo tem mostrado a decadência do futebol brasileiro. As partidas da Série A, onde se concentram os melhores times do país e os nossos jogadores de primeira linha, são enfadonhas e frequentemente pobres em técnica. As das séries inferiores são ruins em tudo: nos aspectos técnicos e táticos, na presença de público e nos palcos em que se desenrolam.

    Mesmo os mais promissores jogadores formados em nossos clubes tem de passar por uma reciclagem quando chegam à Europa, antes de vestir a camisa de um time importante daquele continente. Esse período de adaptação vai desde orientação sobre disciplina tática, preparação física, aprimoramento técnico e até mesmo capacidade de ser resiliente, pois lá não se ganha titularidade com nome ou sobrenome, fama ou sucesso no passado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s