As voltas que a bola dá

POR GERSON NOGUEIRA

A excelente campanha do Ceará Sporting tem sido usada como forte argumento pelos críticos da caminhada trôpega do Papão na Série B. A comparação é motivada pela presença de dois ex-bicolores na equipe alvinegra: o técnico Marcelo Chamusca, que dirigiu o time alviceleste nas primeiras rodadas do campeonato, e Leandro Carvalho, peça destacada do PSC no Parazão e na Copa Verde, mas sem brilho no Brasileiro.

O sucesso de Chamusca no Ceará surpreende em função do desempenho negativo do Papão sob seu comando na Série B. Depois de início promissor, quando chegou a ocupar a primeira colocação por duas rodadas, o time mergulhou em fase declinante. A campanha desandou e Chamusca, sentindo o desgaste, preferiu pedir o boné.

Vale lembrar que antes da Série B a torcida já pegava no pé do técnico, reclamando de sua insistência em utilizar três volantes e das exibições tecnicamente fracas no Campeonato Paraense e na Copa Verde.

A conquista do título estadual atenuou a intensidade das cobranças, mas na Copa Verde a situação engrossou. O treinador poupou titulares no jogo de ida da decisão contra o Luverdense. A estratégia fracassou, pois o Papão perdeu e não conseguiu tirar a diferença no confronto no Mangueirão.

Apesar do desgaste, Chamusca foi mantido e começou bem a caminhada na Série B, obtendo bons resultados nas quatro primeiras rodadas, culminando com a inédita liderança. Ironicamente, o início surpreendente voltou-se contra o técnico, pois o torcedor passou a alimentar uma expectativa exagerada em relação às possibilidades do time no torneio.

Chamusca trocou o Papão pelo Vozão, que fazia campanha errática até então. Depois que assumiu, o time subiu de produção e hoje ocupa o terceiro lugar na classificação, cotado para obter o acesso à Série A.

E Leandro Carvalho, que sob a direção de Chamusca não conseguiu se estabilizar como titular do Papão na Série B, encontrou paz e confiança para jogar em alto nível no Ceará. Prestigiado pelo técnico, encaixou no time e suplantou pelo menos quatro apostas trazidas pelos dirigentes.

É bom lembrar que, na Curuzu, Leandro ficou marcado por problemas extracampo, acusado de indisciplina e de falta de profissionalismo. Chamusca, sempre que era indagado sobre o jogador, desconversava. Dizia que o problema era da alçada dos dirigentes. Mas, se não concordava com a opinião da cúpula, deixou de sair em defesa do jogador.

O sucesso da dupla descartada pelo Papão provoca certo incômodo, mas é absolutamente normal na verdadeira gangorra do futebol. São incontáveis os casos de profissionais que fracassam num clube e se consagram na defesa de outra bandeira.

Não há explicação lógica para tais fenômenos, mas, no caso bicolor, fica evidente que o problema do time na Série B não pode ser atribuído aos técnicos, Chamusca no começo e Marquinhos Santos agora. É legítimo concluir que a razão maior da campanha insatisfatória está na equivocada política de contratações, exatamente como ocorreu em 2016.

——————————————————————————————–

Direto do blog

“É com muita preocupação e tristeza que assisto jogos do Paysandu. Preocupação, pois não vejo nem sequer um arremedo de esquema tático, a não ser o de não perder. Tristeza, pois não é possível que o Luverdense tenha dois meias de ligação, Sérgio Mota e Marco Aurélio, e o PSC não consiga contratar um que preste”.

Por Reginaldo Nonato Lobato, angustiado com a caminhada do Papão na Série B.

——————————————————————————————

Indefinições atrapalham a agenda azulina

Sem conseguir estabelecer um processo pacífico para a gestão do futebol, a partir da resistência do presidente Manoel Ribeiro em conceder autonomia aos novos diretores, o Remo desperdiçou tempo demais (quase um mês) desde o fim da Série C em discussões cansativas, que em nada contribuíram para a vida da agremiação.

Por ora, a própria permanência de Ribeiro no cargo está sob risco, dependendo das decisões do Conselho Deliberativo sobre a prestação de contas que ele ficou de apresentar. Para piorar, a indefinição gerou um atropelo na agenda, com a saída do vice Ricardo Ribeiro e a longa novela em torno da posse dos dirigentes do futebol profissional.

Diante da pressão por medidas práticas, o presidente concordou parcialmente com as reivindicações dos diretores, à frente Milton Campos, e o trabalho deve finalmente começar, mas já no sufoco, pois o Remo ainda terá que contratar técnico e montar elenco para o Campeonato Paraense 2018, cuja abertura será no dia 17 de janeiro.

Sem esquecer que o clube encara tudo isso sem recursos e sob uma pesada série de pendências no campo trabalhista.

(Coluna publicada no Bola desta sexta-feira, 20)

13 comentários em “As voltas que a bola dá

  1. Marcelo Chamusca é só mais um dos técnicos que passaram por aqui e não conseguiram desempenhar seus trabalhos, mas que, fora daqui, conseguem ter sucesso… Vale lembrar que Mazola, sequer é lembrado por dirigentes daqui e é ídolo em AL… Givanildo,há pelo menos 15 anos foi dado como ultrapassado e brilhou lá fora…e outros… precisamos pensar se não tá na hora de rever nossos conceitos, na hora de avaliar o trabalho dos técnicos, até para não queimar eles junto aos torcedores, e depois ficar observando o sucesso deles lá fora, sem se ter uma explicação convincente para tal fato…Penso eu, nesse caso, que precisamos observar mais as condições de trabalho que dão a eles, aqui em Belém e aprender a culpar mais os dirigentes que, na minha opinião, são os principais culpados por tudo isso, quando se trata de queimar BONS(falo dos bons) técnicos… Nenhum conseguirá resistir a tanto amadorismo.

    É a minha opinião

    Abraço a todos do blog

    Curtir

  2. “Não se faz omelete sem ovos”. A surrada frade de Otto Glória, técnico das décadas de 60 e 70, continua atual quando nos referimos a situação do Paysandú. A diretoria errou feio nas contratações, tendo como exemplo maior o Atleta Diogo Oliveira que, talvez, seja o jogador mais caro do elenco e, até o presente momento, não justificou o investimento e, pior, não pode ser dispensado porque a multa rescisória deve ser altíssima, sem falar de outros “bondes”.

    Se erraram nas contratações, foram piores nas dispensas, abrindo mão dos Leandros (Cearense e Carvalho), pois ambos têm tido brilho em seus clubes atuais.

    Finalizo citando o filósofo e técnico “Litle Artur”, referindo-se ao elenco do Paysandú em 2013, após ser dispensado: – “nem Pepe Guardiola levaria o clube à parte superior da tabela”.

    Quatro anos depois, a frase de Arturzinho continua atual….Pior!!!

    Curtir

  3. Registro com alegria a presença no blog do grande analista Cláudio Colúmbia,com quem tive o privilégio de jogar no poderoso time do Banco Nacional na década de 80.
    Nosso Colúmbia era o líder e maestro do time, justificando a camisa 10 e, conhecido por todos como “Cláudio Bacuri”, fazendo alusão ao estilo parecido com o famoso Roberto Bacuri, com direito a paradinha no meio campo com a mão na cintura.
    Um forte abraço Cláudio!!

    Curtir

  4. Nada de muito espantoso no caso do Leandro Car……… hoje no Ceará. Não temo em afirmar que O caso desse jogadpr problemático é igual ao caso de infindáveis jogadores difíceis de lidar no futebol Brasileiro e até mundial. Leandro Car…. está bem agora porque o Ceará vai bem na competição, e assim permanecerá se o Vozão continuar bem. Porem digo que no primeiro grande revés do vozão, a bola da vez para a descarga dos problemas será quem??? ele . Leandro Car……..Podem crer. Os exemplos do que falo são imensos nesses casos de jogadores problemáticos : So para citar alguns pequenos exemplos: A nível mundial temos Felipe Melo. A nível nacional temos o ex botafoguense Jobson. e Aqui nas terras tupiniquins temos vários Alcino, Bira, Andrei( suicida) Landualdo, e Eduardo Ramo ainda em atividade. Lembramos que todos esses problemáticos tinham até um bom futebol e chegaram a ser ídolos em seus clubes, quando o clube estava bem. Mas depois que seus times sofreram o revés, eles encabeçaram a lista dos que caíram na ira de suas torcidas. Como diz o ditado: JOGADOR PROBLEMÁTICO NÃO PARÁ. APENAS DÁ UM TEMPO.

    Curtir

  5. Amigo Cláudio, que bom sua volta ao blog campeão, seus comentários enriquecem bastante esse espaço virtual, todos os amigos sabem disso. Grande abraço!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s