Cunha, na Época, revela o jogo imundo das delações

moroelite

POR FERNANDO BRITO, no Tijolaço

Está cheia de mentiras, é claro, não fosse pelo seu autor, a entrevista de Eduardo Cunha à Época.

A defesa que faz de Michel temer é absolutamente contraditória com as perguntas que fez – em parte vetada por Sérgio Moro, a Michel Temer,quando o arrolou como testemunha de “sua honestidade“.

Mas há uma verdade inequívoca na entrevista.

O mundo das delações premiadas é uma imundície.

Na revista, Cunha “denuncia um mercado clandestino de delações”.

Nele, os delatores dizem o que se quer que seja dito.

Cunha afirma claramente que ele era o “troféu compensatório” para a perseguição a Lula.

Afinal, prendendo-se Cunha, depois do impeachment, mostrava- se que a Lava Jato era imparcial.

As delações da  Lava Jato, para ele, são”uma operação política, não jurídica. Eles tiram as conclusões deles e obrigam a gente a confirmar. Os caras não aceitam quando você diz a verdade.

Na parte que pude ler da entrevista, Cunha não avança nas provas e fatos que diz  a testemunhar – e, provavelmente, tem – dos negócios e cúmplices que teve.

Sentiu que o sistema se agarra a Temer e ele agarra-se também.

Acena para Raquel Dodge como instrumento para “detonar” Rodrigo Janot.

Antes disso, porém, a menos que Michel Temer possa impedir, vai ser estrela na CPMI da JBS.

Vamos nos alimentando, assim, da safra dos escroques.

Os homens mais “importantes” na vida brasileira, hoje, são os canalhas.

Um comentário em “Cunha, na Época, revela o jogo imundo das delações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s