Agora ou nunca

16 de setembro de 2017 at 1:30 1 comentário

DJjdbczXcAE6H33

POR GERSON NOGUEIRA

O Papão tem hoje uma chance de ouro para sair da pindaíba em que se encontra na Série B, talvez a pior de suas campanhas em jogos dentro de casa – cinco derrotas. Talvez não surja outra oportunidade tão clara de afastar a má fase como mandante, responsável direta pelo péssimo posicionamento da equipe na tabela de classificação.

Contra o ABC, pior time do campeonato (lanterna, com 17 pontos), o Papão não poderá hesitar. É agora ou nunca. Durante a semana, o técnico Marquinhos Santos ajustou a equipe, buscando corrigir os muitos erros exibidos diante do América na rodada passada.

Espera-se que tenha encontrado um remédio eficaz para curar os piores problemas do time: a distância entre os setores, a ausência de vida inteligente no meio-campo e a falta de apetite no ataque.

A pobreza criativa responde pelos demais problemas do time. Contra o ABC, Marquinhos resolveu prestigiar Diogo Oliveira, um jogador quase que descartado no elenco por não conseguir deslanchar. Artilheiro e principal destaque do Brasil de Pelotas no ano passado, Diogo parece ter deixado o bom futebol lá nos Pampas.

Ocorre que as atuações ruins e pouco convincentes talvez tenham mais a ver com os técnicos do que propriamente com o jogador. O erro está nas expectativas criadas. No Brasil, Diogo era essencialmente meia-atacante, jogando próximo aos atacantes e em condições de executar arremates de média e longa distância. Fez muitos gols assim.

Na Curuzu, sob a orientação de Marcelo Chamusca, foi lançado no Campeonato Paraense como meia de ligação, responsável pela articulação. Apesar do esforço, não se firmou nesse papel.

Na Copa Verde, marcou alguns gols, mas perdeu espaço por não cumprir a função que o técnico desejava. Na Copa do Brasil, frente ao Santos, viu-se um lampejo do velho Diogo. Pegou de primeira um passe perfeito de Rodrigo Andrade, marcando um golaço.

Sob a direção de Marquinhos, entrou sempre no decorrer dos jogos, com dificuldades para se encaixar no esquema proposto. Sem velocidade para percorrer a distância entre as intermediárias, não pode ser encarregado de organizar o time. Seu lugar é mais à frente, junto à área inimiga, tabelando com os atacantes e aproveitando os rebotes.

Caso jogue com essa orientação, Diogo pode contribuir para que o ataque ganhe qualidade e opções de chute, principalmente com um centroavante (Marcão) que atua como pivô e um atacante que flutua (Bergson) pelos lados.

Contra o América, o Papão chutou apenas cinco vezes a gol e sem maior perigo. Muito pouco para um mandante em situação periclitante na competição. Diogo deve adicionar mais poder de fogo ao time, desde que seja liberado da participação nas ações de meio-campo.

Sua contribuição técnica pode abrir caminho para a vitória e possibilitar um novo desenho para o time de Marquinhos Santos, que também corre sérios riscos em caso de novo tropeço em casa. (Foto: FERNANDO TORRES/Ascom-PSC)

————————————————————————————

Tite e suas escolhas cada vez mais questionadas

Todo treinador tem suas idiossincrasias. É normal que questões de afinidade, formação e informação influam nas escolhas. Nos clubes, a coisa funciona assim, na Seleção também. Obviamente, no escrete tudo ganha dimensão maior e repercute mais.

Mesmo com campanha invicta e inédita nas Eliminatórias, com nove vitórias e um empate, Tite não está imune a críticas. Afinal, a etapa sul-americana é a antessala da Copa do Mundo e os erros devem ser corrigidos agora.

As listas costumam dividir opiniões desde sempre. A proximidade do Mundial aumenta a visibilidade e a importância das convocações. O anúncio de ontem é o antepenúltimo antes da oficialização dos 23 nomes que irão à Rússia ano que vem.

No gol da Seleção talvez esteja a maior das contradições de Tite. Além de Alisson (Roma), que tem a clara preferência dele e de Taffarel (preparador de goleiros) para a titularidade, o técnico chamou o instável corintiano Cássio e Ederson (Manchester City). Mais que as presenças, chama atenção a reiterada ausência de Vanderlei, do Santos, reconhecidamente o melhor goleiro brasileiro em atividade.

A insistência com Alisson como titular, a exemplo do que fez Felipão em relação a Júlio César em 2014, funciona como desestímulo aos demais postulantes à vaga. Fato agravado pela pouca confiabilidade do guardião.

No meio, Diego (Flamengo) e Fred (do inevitável Shakhtar) voltam à Seleção. Fred foi chamado após passagem discretíssima nos tempos de Dunga. Diego não vive grande momento. Sobre o outro Diego, Tardelli, ora na China, Tite jura estar vivendo momento maravilhoso. A conferir.

A destacar, positivamente, a ausência de dois nomes muito questionados, que pareciam já carimbados para a Copa: Fagner e Giuliano.

(Coluna publicada no Bola deste sábado, 16) 

Entry filed under: Uncategorized.

Trajano volta a trabalhar na TV Das formalidades imbecis

1 Comentário Add your own

  • 1. Nelio( Paysandu o maior campeão nacional de Norte, Nordeste a Centro -Oeste)  |  16 de setembro de 2017 às 13:57

    É muito sofrimento. !!!!!!!! pelo amor de Deus, parem de sofrer!!!!!!!!!!!
    kakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakakak

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,399,013 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.965 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

setembro 2017
S T Q Q S S D
« ago   out »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: