Concorrência para jogos da Seleção ameaça o domínio da Globo

1 de setembro de 2017 at 11:35 Deixe um comentário

57f6fac030071

DO CHUTEIRA F.C., na CartaCapital

CBF está disposta a não fechar acordo de exclusividade com a Globo na venda dos direitos de mídia dos jogos da Seleção Brasileira, no período de novembro de 2017 a dezembro de 2022. Plano da entidade projeta a comercialização das partidas em plataformas de redes sociais, em especial com Facebook, como havia feito nos amistosos contra Argentina e Austrália no último mês de junho, e ampla concorrência nos canais abertos e fechados da TV.

Está em jogo um pacote estimado em R$ 280 milhões milhões e o fim da hegemonia da Globo na transmissão dos jogos da Seleção, em alta com o bom desempenho do time desde que Tite assumiu o comando há um ano. É em cima dessa reconciliação com o futebol de excelência que a CBF espera aumentar sua receita.

“Após um período de estudos a respeito das mais modernas práticas mundiais nesta área, a CBF dá início ao inédito processo de concorrência para venda dos direitos de mídia dos jogos da Seleção Brasileira. Para tanto, contratou a agência Synergy Football para assessorar na estruturação desta comercialização para o mercado brasileiro, que compreende o período de novembro de 2017 até a Copa do Mundo do Catar de 2022”, diz a nota da entidade.

A confederação vai dar detalhes do edital de comercialização dos jogos nesta sexta-feira (01/9) em entrevista coletiva com seu diretor de Competições, Manoel Flores, e o CEO da Synergy Football AG, Patrick Murphy.

Acordo entre CBF e Synergy Football impõe dificuldades à Globo, até então sem concorrência. Trata-se uma agência de marketing bem posicionada no mercado internacional, com sede na Suíça, e tem como atrativo o senhor Murphy.

Comunicado oficial da CBF, diz que “Murphy e seus diretores possuem amplo conhecimento nos mais altos níveis de marketing esportivo nas Américas, Ásia e Europa. Com 25 anos de experiência, Murphy comandou a venda de direitos de mídia e patrocínio para a Champions League por mais de uma década – elevando as receitas da Uefa para mais de 4 bilhões de euros –, Liga Europa, Copa Sul-Americana e inúmeros projetos da área esportiva no mercado asiático”.

Com essa quantidade de confete em cima de Patrick Murphy, a CBF espera arrancar mais dinheiro dos interessados em transmitir e comercializar os jogos da Seleção. No pacote, estão 37 partidas – 28 amistosos e nove das Eliminatórias da Copa de 2022.

Se a venta for setorizada – um contrato para TV aberta, outro para canal fechado e um terceiro específico às redes sociais –, a Globo tem chance exercer seu poder econômico e político para garantir os jogos em canal aberto – mesmo assim pagando bem mais que os R$ 2 milhões que desembolsava por cada partida amistosa da Seleção até vencer o contrato de exclusividade em junho último.

Nos canais fechados, vai ter de brigar com Fox Sports, ESPN e Esporte Interativo, todas com capital norte-americano e com muito poder de fogo. Nas redes sociais, o Facebook não deve ter concorrentes.

A Globo tem os direitos da Copa do Mundo da 2018 na Rússia e já colocou à venda suas seis cotas de publicidade – R$ 180 milhões cada uma – no mercado. E também comercializa mais seis cotas – R$ 230 milhões cada – de publicidade para transmissão do Brasileirão 2018, Copa do Brasil, Copa Libertadores, Estaduais e Copa Sul Americana.

Seu faturamento com os dois pacotes de transmissão pode chegar a R$ 2,4 bilhões em 2018.

A partir da temporada de 2019 a Globo vai ter a concorrência do Esporte Interativo (Grupo Turner) na transmissão do Brasileirão.

Neste momento, a preocupação da emissora é não perder a hegemonia dos jogos da Seleção. CBF pode até ceder, desde que a emissora desembolse bem mais para vencer os concorrentes.

Marco Polo Del Nero, presidente da CBF, também não quer perder essa queda de braço. Enroscado com a Justiça dos Estados Unidos, após escândalo de corrupção no futebol deflagrado pelo FBI em 2015, o cartola tem queixas do comportamento da Globo sobre a CBF.

Mais que se preocupar com a poderosa rede de televisão, Del Nero também tem outro adversário de peso: senador Romário. O ex-jogador lança neste sábado seu livro com vasto material colhido na CPI do Futebol que poderá comprometer o presidente da CBF, entre outros.

A CPI foi “destruída” pelos deputado da “Bancada da Bola”, de estreita ligação com a cartolagem. Mas Romário garantiu a posse dos documentos que implicam os dirigentes.

Entry filed under: Uncategorized.

Goiano faz mudanças para tornar Leão mais ofensivo Brasil não sabe vender sua imagem ao mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,322,677 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.822 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

setembro 2017
S T Q Q S S D
« ago    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: