Hitler planejou criar colônia na área que Temer abriu à exploração

30 de agosto de 2017 at 16:26 2 comentários

nazistas-amazônia-expedição-rio-jari

POR EDUARDO REINA, no DCM

Há exatos 92 anos, a área que era uma reserva ambiental entre o sul do Amapá e o sudoeste do Pará, com mais de 46 mil quilômetros quadrados, e que acabou de ser destinada pelo governo Michel Temer para a exploração mineral privada, foi cobiçada pela Alemanha nazista.

O plano de Hitler era criar uma colônia que serviria de base para a invasão do Suriname e da Guiana Francesa, além da exploração de ouro e outros minerais.

No local, atualmente, ainda existem reservas indígenas, um parque nacional, uma floresta nacional e uma estadual, além de quatro reservas ecológicas que compõem a área total da Reserva Nacional de Cobre e Seus Associados (Renca).

O projeto nazista está revelado no livro “Das Guayana-Projekt”, o Projeto Guiana, de Jens Glüsing, lançado em 2008. Ele conta que pouco antes da Segunda Guerra Mundial, militares nazistas planejavam estabelecer uma colônia no meio da selva amazônica, a partir de expedições de cientistas alemães, realizadas entre 1935 e 1937.

nazista-amazonia-índio-aparaí

A expedição foi criada com a desculpa de que seriam realizados estudos da fauna e flora. A área que seria criada em plena selva abrigaria tropas que a partir dessa região invadiriam as Guianas.

O plano secreto para tanta movimentação era pegar o que estava no subsolo: ouro, diamantes e outros minerais para dar lastro aos cofres do governo alemão. O objetivo do governo Michel Temer é abrir a exploração mineral no local a empresas internacionais.

A versão oficial sobre a expedição nazista na selva amazônica começou em outubro de 1935. Três jovens aviadores desembarcaram em Belém do Pará com uma tralha de mais de 11 toneladas composta de equipamentos e bagagens.

Gerda Kahle, Gerhard Krause e Otto Schuls-Kampfhenkel, o líder da tropa, tinham o beneplácito do então presidente Getúlio Vargas.

Um outro explorador alemão, Joseph Greiner, acabou morrendo na selva e foi sepultado na região do Jari. Sobre a cova ainda está uma enorme cruz em madeira, talhada com seu nome e uma cruz nazista. Uma foto do sepulcro com índios que serviram de guias dos nazistas na região ilustra a capa do livro.

Há relatórios assinados por Schulz-Kampfhenkel que afirmam ao general Heinrich Himmler, todo poderoso comandante do exército nazista, administrador do Reich e um dos maiores responsáveis pelo assassinato de milhões de judeus no holocausto, que a selva desde o Amapá, onde hoje existe o município de Laranjal do Jari, até a Guiana Francesa, era um território privilegiado pela natureza, com baixíssima densidade demográfica, excelente para a exploração como ‘colônia tropical’.

O pesquisador dissera que a área ‘não deveria ficar nas mãos de povos que, comparados à Alemanha ou à Inglaterra, são inferiores, do ponto de vista racial e civilizatório’.

Antes de iniciar a expedição, com anuência do governo brasileiro, Schulz-Kampfhenkel sofreu com a burocracia aduaneira no Rio de Janeiros para conseguir liberar toda a traquitana trazida da Europa.

Mas como já havia recebido credenciamento de vários institutos de pesquisas e museus de história natural da Alemanha, acabou conseguindo rapidamente a adesão do Instituto Emilio Goeldi, de Belém do Pará, e do Museu Nacional, no Rio de Janeiro. As Forças Armadas brasileiras também apoiaram o projeto alemão na Amazônia.

Uma carta escrita em 3 de abril de 1940 por Henrich Peskoller, oficial da SS, tropa de elite do exército alemão, cujo destinatário era Adolf Hitler, apontava que as reservas de ouro e diamante neste trecho do território brasileiro na Amazônia, segundo o livro de Jens Glüsi, seriam suficientes para sanar a situação financeira da Alemanha em poucos anos.

“Na Guiana Britânica, a extração de ouro e diamante é mantida em baixa para não atrapalhar o mercado sul-africano (que era dominado pelos ingleses). Nas mãos do Führer, cada metro quadrado de solo poderia ser em pouco tempo explorado pela grande Alemanha”, escreveu Peskoller.

A expedição começou em Belém do Pará, percorreu as margens do rio Jari, no Amapá, até chegar à fronteira da Guiana Francesa. O percurso foi feito com ajuda de integrantes das tribos wajäi, mayná e aparaí.

Mas à época, o projeto nazista acabou abortado pelo general Heinrich Himmler, que preferiu explorar e dominar outros cantos do mundo. Depois de ser alvo de Hitler, a região do rio Jari e todo o território até a Guiana Francesa se transformou em local de extração de ouro por garimpeiros e empresas clandestinas.

A intensa exploração mineral levou à criação de área de proteção ambiental na década de 1980, com a criação da Renca para regular a exploração de cobre na região pelo Estado. Agora, a proteção foi derrubada por Michel Temer. Em menos de uma semana, depois de passar vergonha com o lançamento de um projeto privatizando das riquezas brasileiras e de grande ameaça ao meio ambiente, o presidente revogou o decreto inicial e lançou uma nova proposta, maquiada e marqueteira.

Mas que ainda coloca em risco toda a região, que corre enorme perigo de destruição ambiental. Segundo o MPF, que pediu a revogação, a ideia é “ecocida”.

Entry filed under: Uncategorized.

CBF anuncia edital para venda de direitos de mídia dos jogos da Seleção A sentença eterna

2 Comentários Add your own

  • 1. lopesjunior  |  31 de agosto de 2017 às 8:18

    A criação do território federal do Amapá, por Getúlio Vargas, foi motivada por conflitos na região da fronteira entre o Brasil e a Guiana Francesa, por causa de ouro e prata, bem na região do Rio Oiapoque. Veiga Cabral é um nome de destaque dessa história, daí a homenagem na forma de nome de rua no centro da nossa capital. Quando da Constituição de 1988, o Amapá finalmente torna-se Estado. A história do contestado dá a dimensão da importância econômica da região, rica em diversos minérios e a intenção da Alemanha nazista em apropriar-se de área próxima reforça a percepção de que a entrega da reserva ambiental, por Temer, é mesmo um crime de lesa-pátria.

    Curtido por 1 pessoa

  • 2. Copulatum et Malum Remuneratum  |  31 de agosto de 2017 às 18:26

    Para quem quiser, 22 euros:
    http://www.ebay.de/itm/Das-Guayana-Projekt-Ein-deutsches-Abenteuer-am-Amazonas-Jens-Gluesing-/332229645629
    Um bom pedaço de nossa história recente que bem pouca gente conhece.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,322,677 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.822 outros seguidores

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: