Risco e oportunidade

POR GERSON NOGUEIRA

Com quatro pontos conquistados em dois jogos, o Papão faz um bom começo de Série B. Mesmo desacreditado por grande parte da torcida, o time se saiu bem na estreia contra o Oeste em Belém e ganhou um ponto diante do Paraná, fora de casa. É prematuro projetar a caminhada na competição, mas é importante acumular pontos logo nas primeiras rodadas, quando as equipes ainda estão em fase de ajustes e busca de entrosamento.

Contra o Internacional, o PSC tem a oportunidade de consolidar posição na classificação. Um triunfo sobre o grande favorito da competição vale bem mais do que os três pontos. Serviria para dar mais confiança aos jogadores e conquistar a torcida, ainda desconfiada quanto ao potencial do time.

Ao começar a Série B, o Papão lançou mão de um time semialternativo. As várias mudanças feitas pelo técnico Marcelo Chamusca, lançando jogadores recém-chegados, foram determinadas por baixas no elenco. Viu-se obrigado a substituir o meia Diogo Oliveira e os atacantes Leandro Carvalho e Bergson, que davam consistência ao time que ganhou o Campeonato Estadual e decidiu a Copa Verde.

Os problemas fizeram com que o time titular fosse alterado até em sua maneira de jogar. Antes, com Leandro e Bergson, havia um terceiro homem jogando mais centralizado – Alfredo. Sem seus principais atacantes, Chamusca optou por um quadrado no meio-campo, com três volantes (Recife, Wesley e Rodrigo) e um meia, Fernando Gabriel.

Na partida contra o Paraná, Rodrigo foi deslocado para atuar na segunda linha pelo lado direito, à frente de Ayrton. Uma tentativa de suprir a ausência de Leandro, que atua naquela faixa do campo. Apesar do esforço, Rodrigo não se saiu bem e foi substituído no segundo tempo.

É provável que Chamusca insista com Rodrigo avançado, mas o retrospecto recente indica que o volante rende mais quando parte do campo de defesa com a bola dominada. O vigor físico e a habilidade permitem que surpreenda a linha de marcação adversária, alcançando a área e abrindo grandes possibilidades para o ataque, como ocorreu contra o Santos, pela Copa do Brasil. Avançou desde a intermediária alviceleste e deu um passe recuado para Diogo Oliveira finalizar para as redes. Foi o chamado contra-ataque de um homem só.

Rodrigo é alvo de atenção por ser, na falta de Leandro Carvalho, o jogador que pode eventualmente surpreender. Apesar da inexperiência natural, tem boa leitura de jogo e se posiciona bem em relação à marcação adversária. Com isso, produz sempre mais do que os volantes apenas marcadores. Executa hoje um papel que Jonathan já fez antes, sob o comando de Dado Cavalcanti, embora seja mais efetivo nos desarmes.

Como o novo ataque ainda não funcionou, pois Wellinton Jr. fica pelos lados e Marcão se isola na área, o Papão precisará de uma meia-cancha eficiente na transição e rápida na aproximação, inclusive se apresentando para finalizar. Dos volantes, somente Rodrigo tem essa característica, chegando a ser mais ofensivo que o próprio meia Fernando Gabriel.

O Inter tem a vantagem de ter um time mais entrosado, cujos jogadores se conhecem há mais tempo. Sob pressão depois do empate contra o ABC no Beira-Rio, o técnico Antonio Carlos escala um trio no ataque para buscar a vitória: Pottker, Nico López e Roberson (Marcelo Cirino). Com essa formação ofensiva, abre a perspectiva de um confronto aberto no Mangueirão, dando ao Papão a chance de explorar o contra-ataque.

—————————————————————————————————

Re-Pa manauara segue produzindo micos

O clássico previsto para 7 de junho, em Manaus, continua envolto em meias-verdades e poucas informações confirmadas. Além de problemas com os laudos da Arena da Amazônia, um episódio veio acrescentar mais dúvidas sobre a realização do Re-Pa manauara.

O presidente do Remo, Manoel Ribeiro, afirmou ontem que o clube ainda não recebeu a primeira cota (R$ 83 mil) prometida pelos organizadores. Instantes depois, um dos diretores garantiu que o dinheiro já foi entregue.

Das duas, uma. Ou o jogo está ameaçado pela não quitação das cotas ou a comunicação dentro da diretoria remista permanece embaçada.

(Coluna publicada no Bola deste sábado, 27)

5 comentários em “Risco e oportunidade

  1. A série B tem se mostrado uma competição repleta de empates, por isso, uma vitória sobre o Inter seria importante para subir na tabela e ganhar confiança nos demais jogos. Mas, um empate não será ruim, ainda que frustrante, já que joga em casa.

    Curtir

  2. Sobre o amistoso dos rivais aqui em Manaus, nada se comenta na imprensa, ou seja, não creio que esse jogo seja realizado.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s