Retorno para ser festejado

24 de maio de 2017 at 3:12 24 comentários

POR GERSON NOGUEIRA

A volta de Leandro Carvalho é o principal trunfo do Papão para o confronto com o Inter, sábado, no Mangueirão. Desde que virou titular, Leandro tem sido peça decisiva no ataque alviceleste. Foi assim na Copa Verde e no Estadual. E, na Série B, nenhum dos novos contratados tem o mesmo potencial de explosão, dribles e chutes surpreendentes.

A importância de Leandro cresce ainda mais de envergadura com a anunciada ausência de Bergson (lesionado desde a final da Copa Verde). Sem o artilheiro, o técnico Marcelo Chamusca precisa dar ao ataque bicolor um mínimo de consistência e conjunto com o time.

É fato que, com Marcão e Wellington Jr. nas posições de frente, o time ainda não perdeu e se mantém no pelotão da frente na Série B. Ocorre que, mesmo com a movimentação que os dois tentam fazer, o ataque tem sido nulo. A não ser boa oportunidade contra o Paraná Clube, desperdiçada por Wellington, nada foi produzido pela linha ofensiva alviceleste até agora.

Esse detalhe não deve passar despercebido a Chamusca, que já se viu forçado a manter o discreto Alfredo no Parazão e na CV por absoluta falta de alternativas. Mesmo com o fraco rendimento de Alfredo, a dupla Bergson-Leandro Carvalho deu conta do recado e não permitiu que o Papão chegasse a sofrer por falta de gols.

A Série B, com seu profundo equilíbrio e imensas dificuldades, desafia a argúcia dos técnicos para solucionar problemas de elenco. A competição mais espinhosa do ano vai exigir de Chamusca análise rigorosa para descobrir os parceiros mais adaptáveis a Leandro no ataque. Contra o Inter, provavelmente, Marcão será o escolhido. A conferir.

————————————————————————————————–

Ramos pode voltar, mas será cobrado em dobro

Quando todos já aguardavam um desfecho nos tribunais, a novela Eduardo Ramos volta à baila de maneira até inesperada. Gestões do lado do atleta teriam levado a diretoria a passar uma borracha no passado recente e aceitá-lo de volta no Evandro Almeida.

A ação impetrada por Ramos na Justiça do Trabalho, cobrando mais de R$ 3 milhões em salários atrasados e acordo descumprido, é o principal obstáculo à celebração de um acordo. Até o técnico Josué Teixeira teria concedido o perdão, desde que o meia se desculpe publicamente e se comporte como um profissional.

Para o momento atual do Remo, com um time em busca de conjunto e peças que não se encaixaram no setor de criação, Ramos seria a chamada sopa no mel. De qualidades inquestionáveis, com ampla aceitação junto à torcida, ele só é contestado no âmbito disciplinar.

Até isso, porém, parece estar sendo relativizado diante das evidentes necessidades que a equipe tem no meio-campo. Do pouco que se viu de Mikael, Rony, Danilo Caçador e Kaio Wilker é possível concluir que dificilmente um deles será capaz de exercer a função de armador e condutor da transição.

Caso realmente sacramente o seu reingresso no time, Ramos terá o peso redobrado de cobranças e responsabilidades. Não poderá mais vacilar como antes em momentos cruciais para o time, pois até o torcedor – que hoje o apoia – não terá mais paciência para novos pecados.

————————————————————————————————–

Pratas da casa ganham destaque – lá fora

Betinho, Cicinho e Raul, todos revelados nas divisões de base do Remo, aparecem em destaque no noticiário deste começo de semana. Betinho trocou o Atlético-GO pelo Guarani. Cicinho é cobiçado pelo Corinthians. Raul foi apresentado como reforço do Braga para o certame português.

O curioso é que o Remo, como clube formador, só ganhou algum dinheiro com a transferência de Cicinho. Os demais deixaram o Baenão sob queixas da torcida e sem o devido reconhecimento.

Até um outro ex-azulino, também desacreditado por aqui, ganha espaço importante no novo São Paulo de Rogério Ceni. É Marcinho, que disputou a Série C 2016, tentou permanecer, mas não houve interesse em sua contratação. Não serviu para o Remo, mas serve para o S. Paulo.

(Coluna publicada no Bola desta quarta-feira, 24)

Entry filed under: Uncategorized.

Rock na madrugada – Pearl Jam, Better Man Bahia derrota Sport e conquista a Copa do Nordeste

24 Comentários Add your own

  • 1. celira  |  24 de maio de 2017 às 6:07

    Carvalho é un bom atacante, mas precisa ser orientado para o jogo coletivo. Muitas vezes sucumbe ao individualismo inútil na partida.

    Curtir

  • 2. lopesjunior  |  24 de maio de 2017 às 7:19

    Acho que Josué Teixeira está exagerando. Exigir retratação pública é um obstáculo ao retorno de Eduardo Ramos. Dirigentes do Remo perderam a oportunidade de assumir o controle sobre elenco e comissão técnica. Controle administrativo, se é que posso chamar assim a representação do Clube do Remo porque administrativamente os dirigentes é que representam o Remo e não podem se comportar tomando um lado ou outro, exatamente porque são o Clube. Agindo na defesa dos interesses do Clube, os dirigentes deveriam atuar multando Eduardo Ramos e dar-lhe uma advertência por indisciplina e o Clube, este sim, exigir uma retratação do jogador, e ao mesmo tempo, advertir Josué Teixeira para que não alimente picuinhas, dentro e fora dos gramados, como fez ao responder a manifestação do jogador na internet. O assunto deveria ser tratado no âmbito administrativo do Clube, e não publicamente, porque aí tem de haver responsabilidade com a imagem do Clube. No episódio que envolveu Eduardo Ramos e Josué Teixeira, tenho como equivocada a atitude da diretoria em privilegiar Josué Teixeira, mesmo que este tenha a melhor e mais virtuosa das intenções, porque isso expõe alguma incompetência da diretoria sobre solução de conflitos internos, algo que ocorre em toda empresa. E o pior é que sem Eduardo Ramos, afastado por lesões e indisciplina, o time se viu muito mal desde o Parazão, mesmo com todo o esforço do elenco e agora tem-se novo capítulo desse quiproquó desnecessário, que já poderia ter sido resolvido internamente. Vejo que Josué Teixeira e comissão técnica, assim como jogadores, são funcionários do Clube, e mesmo que pese a autoridade do técnico sobre o elenco, ela não pode suplantar a autoridade dos dirigentes e nem sobrepor o desejo da torcida de ver um bom time em campo, afinal, é sobre o time ter bom desempenho em campo que se trata.

    Curtir

  • 3. Antonio Valentim  |  24 de maio de 2017 às 7:34

    Creio que a única vantagem a ser obtida pelo Clube do Remo nessa novela seria a retirada da ação trabalhista.

    Uma vez reintegrado, o ex-jogador tem tudo para ficar meses se recuperando física e clinicamente, e ao final voltará para fazer dois ou três jogos nesta nem tão longa série C, e destes realizar uma única boa partida. Até aí tudo bem. O prejuízo maior poderá ser, além da arruinada autoridade do técnico, um possível racha no elenco, o que, aliás, já pode estar ocorrendo.

    Torço para estar errado.

    Curtir

  • 4. Jorge Paz Amorim  |  24 de maio de 2017 às 7:39

    Apesar de não achar L. Carvalho tudo isso, também acho que ele deve ser a opção pela adaptação que tem ao jogo nesse horário e com o calor que fará. Agora, se começar a exibir-se individualmente isto pode ser faca de dois gumes, pois proporcionará o contrataque ao Inter e o desgastado acabará sendo o Papão.
    Gostaria, ainda, de dizer que o Marcinho seria sondado pelo Paysandu, após o término do Paulistão. Só que o São Paulo foi mais rápido e o levou para o Morumbi, aquele que foi o melhor jogador azulino na Série C do ano passado, apesar de pouco badalado por mídia e torcida remista.

    Curtir

  • 5. Cláudio Columbia  |  24 de maio de 2017 às 7:46

    L. Carvalho, voltou a sentir a contusão e, juntamente com Bergson, tá fora do jogo contra o Internacional…Outro que voltou a sentir, foi Diogo Oliveira,que também poderá ficar de fora…Infelizmente

    Curtir

  • 6. Cláudio Columbia  |  24 de maio de 2017 às 7:52

    Penso que o E.Ramos terá a chance que nunca mais pensaria em ter de fazer as pazes com o torcedor do Remo e,se tiver que sair no final do ano, sair pela porta da frente.. Acredito que bastará ele se desculpar com o elenco e, vida que segue

    Curtir

  • 7. Antonio Oliveira  |  24 de maio de 2017 às 7:58

    Neste caso do Remo vs Eduardo Ramos, quer me parecer que a figura mais importante é o pai do jogador.

    Deveras, ao que tudo indica é este senhor quem consegue cumprir o papel mais importante de amolecer as resistência de todos aqueles que podem criar obstáculo a este reenlace.

    De minha parte, independentemente do lobby feito pelo genitor- empresário junto ao polo que pode oferecer mais resistência à volta do controvertido jogador, a verdade é que o Remo só fará um bom negócio se aproveitar o quadro favorável – o controverso não tem mercado, não tem quem o queira, vem faltando ao trabalho a um bom tempo e teve um comprovado comportamento indisciplinado e incompatível com seu contrato de atleta – e ao invés de impedir a retirada da ação na justiça do trabalho, conseguir que ele faça um acordo confirmado pelo juiz, em bases que neutralizem os números estratosféricos da reclamação atual.

    Se a diretoria nem ao menos tentar fazer isso, estará agindo tal qual agiu aquele dirigente que demoliu Baenão. Afinal, só estará aumentando a dívida que já é muito grande e empurrando com a barriga o enfrentamento e resolução do problema. A chance é agora.

    Quanto aos efeitos da volta do jogador, diferentemente de quem diz que será positiva (e que não é a maioria dos torcedores) eu acho que será desvantajosa. A julgar pelas últimas passagens, nada obstante a qualificação, em tese, do futebol que sabe jogar, trata-se de elemento que desagrega, que coincidentemente assim que entra passa a integrar o grupo, os integrantes passam a não render o que rendiam (mesmo que fosse pouco). E o resultado é o não-acesso e o quase alijamentoda decisão do Regional, como ocorreu no final da temporada passada e no início desta.

    Curtir

  • 8. lopesjunior  |  24 de maio de 2017 às 8:58

    Mas tendo a ver com outros olhos, caro Oliveira. Jogar bem é fundamental para que haja o interesse de outros clubes. Eduardo Ramos sabe disso. Na prática, a ação trabalhista que ele propôs é desastrada por certo aspecto, de despertar a rejeição noutros clubes, pelo que entrega em campo e pelo que cobra pelo serviço. Ele precisa mostrar em campo, mais uma vez, que é capaz de fazer a diferença se quiser uma vaga no mercado do futebol. Considere-se ainda que ele tem inegável qualidade, de atrair a marcação, de arrumar o meio-campo e dar liberdade aos atacantes e ainda finalizar bem quando vai ao ataque. Se jogar bem, e este “se” é que é o diabo, pode sim ser útil ao time que ainda não se encontrou em campo desde que foi afastado do elenco. Por mais esforçados que venham sendo os jogadores não têm tido êxito em jogar sem um articulador. Problema de entrosamento? Pode ser. Mas isso se resolveria com a manutenção de vários jogadores que vinham atuando no Parazão, como o Jayme como uma espécie de coringa atuando principalmente na ponta direita, com a mudança apenas das posições mais sensíveis na estrutura do time, cabeças-de-área e laterais principalmente, mas o que ocorre é uma grande mudança no atacado, tornando o trabalho do Parazão praticamente sem efeito. Fato é que o Remo se lança novamente à aventura de montar um time e um elenco com o campeonato rolando, o que é sabidamente perigoso e desaconselhável. Nesse contexto, Eduardo Ramos foi a peça estratégica do Parazão, foi contratado para ser esse centro de gravidade do time, difícil por isso dispensá-lo agora. Entendo que comissão técnica e diretoria assumiram uma grande parcela de responsabilidade sobre o desfecho da campanha azulina nesta série C ao tratar da montagem do elenco pra depois da última hora. Portanto, vejo como atitude sensata que Eduardo ramos retorne ao time, para que ele prove seu valor e para, com isso, colaborar com o possível acesso à série B.

    Curtir

  • 9. Joseney Basílio  |  24 de maio de 2017 às 10:02

    Após ter que pedir desculpas e pedir para o Eduardo Ramos voltar para o clube rEmo. O rEmo muda seu hino para:

    “Te amar foi um erro, foi um erro te amar, mas eu erro outra vez, se acaso precisar…” Kkkkkkkk

    Direto do WhatsApp!

    Curtir

  • 10. Antonio Valentim  |  24 de maio de 2017 às 11:07

    Hino!
    Alguém falou “hino”?

    Curtir

  • 11. camiloferreira  |  24 de maio de 2017 às 11:39

    O Remo é refém de seus próprios absurdos contratuais.

    Curtir

  • 12. celira  |  24 de maio de 2017 às 12:25

    Eduardo é bom jogador para série C – ele não tem mais condições físicas de jogar a B. Mas, o Remo precisa resolver a situação financeira com este jogador urgentemente, pois, daqui a alguns, esta bomba poderá resultar em perdas patrimoniais ao Remo.

    Curtir

  • 13. Edson do Leão - meu time nunca fugiu de campo  |  24 de maio de 2017 às 15:23

    Kkkkkkk o comédia vem falar de hino kkkkkkkk logo tu q não sabe se existe o do teu time kkkkkkkkk

    Curtir

  • 14. manoel lima Rosa de saron.com.br  |  24 de maio de 2017 às 19:11

    Tem que mandar ele jogar pela seleção do Pão de Santo Antonio ! Talvez faça sucesso !

    Curtir

  • 15. manoel lima Rosa de saron.com.br  |  24 de maio de 2017 às 19:20

    Sem campo Sem Hino,Sem chão nem Teto. Na verdade: Sem Nada !

    Curtir

  • 16. manoel lima Rosa de saron.com.br  |  24 de maio de 2017 às 19:22

    Esse Brasileiro de 2017, vai ser a última queda do encardido ! Só falta isso. Que time sem vergonha ! ! Depender de E., Ramos, só por que ele joga de graça ! É o fim !

    Curtir

  • 17. Antonio Oliveira  |  24 de maio de 2017 às 22:29

    Amigo Lopes, cotejando aquilo que escrevemos a respeito deste espinhoso tema para o nosso Clube do Remo, quer me parecer que a essência do nosso pensamento é semelhante.

    Tanto é assim que quando você se reporta ao que pode resultar da volta do Eduardo Ramos se ele resolver jogar futebol, você enfatiza a incógnita representada pela partícula SE.

    Tal ênfase à toda evidência é compatível no mais elevado grau com minha afirmativa de que, EM TESE, o Eduardo Ramos joga um bom futebol.

    Curtir

  • 18. miguelangelo1967  |  25 de maio de 2017 às 1:30

    Não gosto de dar pitacos na vida do rival, mas o Eduardo Ramos só está pedindo, ou implorando para voltar porque não existe mercado para ele. É fato!
    Por onde passou praticamente fechou as portas em consequência de suas atitudes extra campo.
    Mas há dirigentes que ainda acham que o futebol é o mesmo década de 70 quando alguns jogadores resolviam em campo porém eram totalmente descompromissados com o seu empregador.
    Se o rival não colocar no papel algum acordo que seja bom para o clube poderá ter uma enorme dor de cabeça no futuro.

    Curtir

  • 19. miguelangelo1967  |  25 de maio de 2017 às 1:39

    Em relação ao Leandro Carvalho vejo como uma peça inacabada e com muito mais defeito do que virtudes.
    Não é coletivo. Raramente define uma bola olhando para o gol.
    Por ser individualista ao extremo perde várias bolas gerando contra-ataques que sobrecarregam a defesa.
    Às vezes passa a impressão de que nunca jogou em um clube profissional quando vai decidir certas jogadas.
    Em contrapartida, ainda é o único que toma a iniciativa de partir para cima do adversário mesmo que os seus erros comprometam o setor defensivo.
    Alguém deveria lapidar o atleta que tem potencial, mas eu pergunto, será que ele quer ser lapidado?

    Curtir

  • 20. Antonio Oliveira  |  25 de maio de 2017 às 7:44

    É verdade, Miguel, o Remo tem de colocar no papel um acordo favorável a si. No entanto, mais importante que isso, é que o acordo seja homologado pela justiça do trabalho.

    Noutro giro, ddiga-se há uma diferença muito grande entre o passado e os dias que correm. O Alcino, por exemplo, realmente fazia a diferença. Era utilíssimo para o Clube. E este era o motivo dos dirigentes relevarem o comportamento dele, dos torcedores o endeusarem por um lado e o respeitarem e o temerem por outro (os torcedores rivais) e a imprensa ser obrigada a aceitá-lo. Hoje em dia, os motivos que levam o Eduardo Ramos a seguir recebendo adesões são de outra natureza. Aliás, o Alcino era tão realmente melhor que ele abria todas as portas tendo como chave exclusivamente o seu futebol e isso sem ajuda de empresário que fizesse lobby nos levais certos para potencializar artificialmente a qualificação e a utilidade de um futebol que na prática, na hora do jogo, não se verifica. Aliás, a bem da justiça, é dizer que a esmagadora maioria do torcedor já não adere mais ao suposto craque. Se não tiver outro jeito aceita obrigada, mas só aplaude se algo de positivo for entregue no campo de jogo.

    Curtir

  • 21. blogdogersonnogueira  |  25 de maio de 2017 às 14:23

    É a chamada tragédia anunciada, amigo Carlos.

    Curtido por 1 pessoa

  • 22. blogdogersonnogueira  |  25 de maio de 2017 às 14:24

    Esta é uma antiga queixa do amigo Ronaldo Passarinho, benemérito e diretor jurídico que conseguiu sanear grande parte da dívida azulina a partir de negociações e acordos na Justiça.

    Curtido por 1 pessoa

  • 23. Osvaldo Costa  |  25 de maio de 2017 às 17:50

    Obrigado Pirão ! Graças ao megalomaníaco dirigente/político, o Paysandu livrou-se deste câncer. O futuro do primo pobre, está escrito nas estrelas: Eduardo Rama, vai levar até a alma, se é que ainda existe, dos enlutados.

    Curtir

  • 24. Edson do Leão - meu time nunca fugiu de campo  |  25 de maio de 2017 às 23:03

    Falou o torcedor do time da maracutaia, já esqueceu da Sudam né

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,276,652 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.707 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

Antonio Oliveira em Remo x Botafogo-PB – com…
Antonio Oliveira em Papão fica no empate com o…
Alessandro em Remo x Botafogo-PB – com…
Eric em Remo x Botafogo-PB – com…
Antonio Oliveira em Com gols de Eduardo Ramos, Rem…

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: