Considerações acerca da lama em que atolamos

17 de abril de 2017 at 15:44 Deixe um comentário

Contra-a-corrupção-696x480

POR RUDOLFO LAGO – Os Divergentes

Circula pela internet um texto que vale leitura. É importante neste momento em que deparamos com a lista do ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin e nos perguntamos o que fazer. Alguns dirão que a lista não é surpresa, que de há muito já se sabia que a política brasileira era exercida a partir de uma promíscua relação entre financiadores e financiados. Mas a novidade é que tal relação deixou de ser tolerada. E a lista coloca nas garras da Justiça praticamente toda a elite política brasileira (elite aqui não exatamente quanto à qualidade mas quanto ao poder exercido). E o problema agora é saber o que acontecerá em seguida.

No tolo mundo das redes sociais, há um bocado de gente que lê o parágrafo acima e fica imaginando que ele defende algum tipo de arranjo espúrio. Ler apressadamente é algo comum nesses tempos maniqueístas. A criminalização das horrorosas regras não escritas da política brasileira é um avanço desejado e que, tomara, não irá retroceder. O que se precisa, porém, é apontar para o passo seguinte. Qual será a solução que a sociedade encontrará para avançar a partir daí. Tomara, novamente, não abrindo mão da democracia.

O texto da Unicamp parece ser o início de uma necessária reflexão sobre o atoleiro em que nos metemos. Ele colhe cinco depoimentos de cientistas ligados à Universidade de Campinas sobre a lista de Fachin e seus efeitos. Pode ser lido aqui.

As diferentes visões dos professores Eduardo Fagnani (Economia), Luiz Marques (Filosofia e Ciências Humanas), Reginaldo Moraes (Ciência Política), Roberto Romano (Filosofia e Ciências Humanas) e Sebastião Velasco e Cruz (Ciência Política) centram-se em pontos diversos do problema. Mas trazem em comum a constatação de que o relatório de Fachin e os elementos que o originaram, na investigação da Operação Lava-Jato, apontam para práticas generalizadas dos partidos políticos brasileiros.

Todos eles – da esquerda para a direita -, ou pelo menos todos os que de fato se tornaram perspectivas de poder, afundaram num sistema em que a disputa ideológica perde terreno para certo jogo de conveniências menores. Um jogo em que passa a valer mais a mera permanência no poder. Um jogo praticado por partidos sem consistência programática, formados por caciques regionais que não têm maiores interesses além de simplesmente manterem-se caciques. Um jogo de desvios de recursos, seja para a mera manutenção dessas posições política seja para o enriquecimento pessoal mesmo.

“Como governar o país com 30 partidos, em geral não ideológicos, não programáticos, apenas fisiológicos?”, pergunta o professor Eduardo Fagnani. Como observa o professor Luiz Marques, o vaticínio do senador Romero Jucá na sua famosa conversa com o ex-presidente da Transpetro Sergio Machado não se confirmou: a crise não se estancou com a entrega da cabeça da ex-presidente Dilma Rousseff e do PT. Porque aparentemente já não se aceita que o país seja governado por “30 partidos, em geral não ideológicos, não programáticos, apenas fisiológicos”.  Para o professor Reginaldo Morais, diante da amplitude de tudo, as negociações não estão mais claras. “O país está em situação de quase ilegalidade”, observa o professor Roberto Romano. “A situação está muito embaralhada, justamente porque o Judiciário, que deveria ser um elemento decisivo na solução, passou a fazer parte – essencial – do problema”, conclui Sebastião Velasco e Cruz.

A saída? Pode estar na sociedade. “Certamente, a reforma política não pode passar pelo Congresso, não pode passar pelos partidos políticos”, considera Eduardo Fagnani. Para que a sociedade, porém, possa ser ator determinante nesse processo, é necessário sair do jogo tolo e maniqueísta do Fla x Flu que por aqui se instalou. O país precisa de menos chefes de torcida e de mais artigos como o da revista da Unicamp.

Entry filed under: Uncategorized.

O preço da inconsequência oportunista Telas & pincéis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,196,063 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 19.826 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

Antonio Oliveira em Tempos sombrios
lopesjunior em Tempos sombrios
lopesjunior em Tempos sombrios
Janderson - Remo rum… em Amaral pode ser novo reforço d…
Aladio Oliveira em Amaral pode ser novo reforço d…

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: