Um final eletrizante

20 de março de 2017 at 0:45 5 comentários

unnamed

POR GERSON NOGUEIRA

O choque de invictos rendeu um jogo bem interessante, ontem, no Mangueirão. Como mandante, o Remo teve um começo forte, mas em nenhum momento conseguiu dominar completamente o São Raimundo, que se defendia em bloco e saía com rapidez, criando sempre problemas para o setor defensivo remista. A vitória azulina (2 a 1) foi merecida, mas o final emocionante podia ter premiado o São Raimundo com o empate.

Não faltou iniciativa por parte do Remo para manter a invencibilidade. Apesar de jogar sem um atacante de referência, os meias Eduardo Ramos e Flamel se aproximavam sempre da área, buscando jogadas com Jaime e Gabriel, com a constante ajuda de Léo Rosa na ala direita.

O equilíbrio do confronto foi quebrado pela marcação de um pênalti inexistente, que Marquinhos converteu. A vantagem inicial deu mais tranquilidade ao Remo para permanecer atacando, mas o São Raimundo não recuou. Saía rápido da defesa, se organizava e ameaçava em jogadas com Tiago e Eric Foca.

Antes do fim da primeira etapa, outro pênalti marcado, em lance de falta clara sobre Léo Rosa dentro da área. Flamel bateu, mas o goleiro defendeu e a bola ainda bateu no poste direito.

Depois do intervalo, o São Raimundo veio tinhoso, pressionando pelo empate. Tiago chegou com perigo duas vezes, mas foi o Remo que ampliou em belíssima jogada iniciada por Léo Rosa e que resultou em cruzamento de Gabriel para o cabeceio de Jaime, antecipando-se à defesa santarena, aos 14 minutos.

Com 2 a 0 no placar, o Remo passou a ter mais espaço para manobrar e perdeu chances seguidas, mas o visitante continuava vivo e a fim de aprontar. O técnico Lecheva colocou Bilal em campo, tornando o São Raimundo ainda mais ofensivo.

Fininho substituiu Flamel e a meia-cancha do Leão perdeu força com a mexida. Para complicar de vez, o volante Marquinhos foi expulso, forçando a entrada de Lucas Vítor para recompor a marcação.

Em lance rápido pela direita, um cruzamento rasteiro caiu nos pés de Tiago, que só escorou para as redes, diminuindo a diferença a 20 minutos do fim. A partir daí, o Remo se dedicou a administrar o jogo, tentando se manter no ataque para conter as investidas do Pantera. A estratégia deu certo por alguns minutos. Nos acréscimos, a pressão santarena se fez mais intensa e quase decretou o empate.

Um escanteio cobrado pela esquerda resultou em cabeceio de Wanderlan na trave de André Luís. No rebote, a bola se encaminhava para o gol, mas Lucas Vítor conseguiu afastar quase em cima da linha.

A alta voltagem que o São Raimundo imprimiu nos instantes finais mostrou que o confronto podia ter tido outro desfecho, embora o triunfo remista possa ser considerado justo.

——————————————————

Galo supera General e já está na Série D

O Independente venceu o Pinheirense no sábado e garantiu por antecipação presença nas semifinais do Parazão. De quebra, obteve vaga à Série D 2017 como representante paraense. Méritos indiscutíveis de Léo Goiano, que vem fazendo milagres com o Galo Elétrico.

——————————————————-

Um voto de gratidão ao Pai do Rock

John Lennon disse, de certa feita, que se alguém quisesse rebatizar o rock’n’roll podia muito bem chamá-lo de Chuck Berry. Nada mais justo, pois a história do músico se confunde com o ritmo musical que ele criou no final dos anos 50. Como fiel devota de S. Roque, a coluna expressa seu luto e pesar pela sua morte, ocorrida anteontem, aos 90 anos. Que siga fazendo barulho lá por cima. Valeu, Chuck!

(Coluna publicada no Bola desta segunda-feira, 20)

Entry filed under: Uncategorized.

Rock na madrugada – Chuck Berry, Roll Over Beethoven Capa do Bola – segunda-feira, 20

5 Comentários Add your own

  • 1. Jorge Paz Amorim  |  20 de março de 2017 às 11:04

    Só resta compartilhar: valeu, Chuck!

    Curtir

  • 2. miguelangelo1967  |  20 de março de 2017 às 12:34

    A arbitragem comprometendo nos jogos, o que dizer agora?

    Curtir

  • 3. Nelio  |  20 de março de 2017 às 13:39

    E agora josé??? roubaram o pobre do mundico. cADÊ o edson leão da vovó, alexandro, o valentim , o eric, o lucilo que dizem que o time deles é santinho santinho santinho e não rouba ninguém e nuncaaaaa…..foi ajudado por nem um arbitro . ??? rsrsrsrsrsrsrsrs

    Curtir

  • 4. Antonio Valentim  |  20 de março de 2017 às 20:42

    O Remo não precisava de ajuda.
    Que empatasse o jogo e a classificação estaria garantida igualmente.

    Seria justo que tivesse errado a primeira penalidade e acertado a segunda.

    Curtir

  • 5. Alessandro  |  20 de março de 2017 às 22:37

    Isso mesmo Valentim era melhor erra o primeiro pênalti é ter feito o no pênalti quer aconteceu

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,279,669 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.713 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

Jorge Paz Amorim em Mais que mil palavras
Antonio Oliveira em Mais que mil palavras
Jorge Paz Amorim em Mais que mil palavras
Nelson Albuquerque em Rock na madrugada – John…
Antonio Valentim em O adeus do Rei da Comédia

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: