Archive for 19 de março de 2017

Remo x São Raimundo – comentários on-line

Campeonato Paraense 2017 – 8ª rodada

Remo x São Raimundo – estádio Jornalista Edgar Proença, 16h

Na Rádio Clube, Valmir Rodrigues narra; Carlos Castilho comenta. Reportagens – Valdo Souza, Paulo Caxiado, Hailton Silva, Carlos Estácio. Banco de Informações – Fábio Scerni

unnamed

Bola na Torre/RBATV, às 20h45, terá como convidados Eduardo Ramos (CR) e Diogo Oliveira (PSC). Apresentação de Guilherme Guerreiro, com participações de Giuseppe Tommaso e Gerson Nogueira.

19 de março de 2017 at 14:26 179 comentários

Capa do Bola – domingo, 19

unnamed

19 de março de 2017 at 11:46 Deixe um comentário

Um instante, maestro!

POR GERSON NOGUEIRA

Nenhum time consegue sobreviver sem um meia-armador de respeito, capaz de estabilizar as linhas e fazer a ligação entre os diversos setores. Os esquemas mudam com o passar do tempo, os técnicos inventam subsistemas para impressionar incautos, mas a verdade continua imutável: o futebol não arranjou um jeito de substituir o maestro.

Como nas orquestras e big bands do passado, não é possível fazer show, concertou baile sem que um maestro comande a cena. Ainda na comparação musical, é possível considerar que o camisa 10 seja o guitarrista solo das grandes bandas de rock. Sua presença, tão forte e dominante, por vezes obscurece os demais instrumentistas.

Desde que o futebol passou a ter regras e diretrizes, a distribuição de uma equipe em campo depende da visão de um organizador no meio. É quem dá ritmo às ações, corrige imperfeições de passe e usa a técnica privilegiada para resolver as coisas lá na frente.

Dá para contar nos dedos o número de grandes equipes que sobreviveram à falta de um maestro na companhia. Nem sempre esse jogador tão fundamental precisa trazer nas costas a mítica camisa 10. Johan Cruyff usava o 14 na camiseta, mas era indiscutivelmente o formulador e executor das múltiplas valências do Carrossel Holandês de 1974.

Antes, na Copa de 70, Pelé era o dono da camisa 10 emoldurando com sua genialidade as evoluções do timaço brasileiro em campos do México. A safra era tão boa que, além do Rei, havia Gerson, a distribuir lançamentos de até 40 metros com fantástica perícia.

Talvez só aquele Brasil de 1994 tenha sido capaz de atingir o topo do mundo dispensando um especialista na criação. Parreira povoou o setor com volantes e armandinhos enceradeiras – Dunga, Mazinho e Zinho. Por sorte, a linha de frente compensava a aridez do meio com dois atacantes fenomenais no auge da forma, Romário e Bebeto.

Guardadas as devidas proporções históricas, Leão e Papão têm hoje bons homens de criação, competentes e capazes de tornar o jogo mais bonito e fácil. Diogo Oliveira ainda tenta se adaptar ao sistema elaborado por Marcelo Chamusca na Curuzu. Eduardo Ramos retornou há duas semanas e já se encaixou na engrenagem idealizada por Josué Teixeira. Cada um, à sua maneira, terá ainda grande serventia para seus times. Afinal de contas, felizes os que podem dispor de um maestro para chamar de seu.

——————————————————-

Papão classifica, mas torcida perde a calma

Aconteceu de tudo na sexta à noite na Curuzu. Sandálias arremassadas ao gramado, dois golaços, atuações sofríveis dos dois times e uma arbitragem atrapalhada. O Papão se classificou, mas o torcedor não engoliu a pálida apresentação do time, que saiu vaiado apesar da vitória.

O Papão repetiu problemas já conhecidos. Falta de criatividade, presença quase decorativa dos laterais e uma dificuldade tremenda para vencer o bloqueio defensivo do adversário. O semiamador Galvez nem precisou de muito esforço para dificultar a vida dos bicolores.

Apesar dos atropelos, a vitória começou a ser construída no 1º tempo com bonito gol de Diogo Oliveira, chutando da intermediária, e foi confirmada com outro golaço (de Bergson) nos acréscimos. Nem os gols salvaram a noite, comprometida pelos muitos vacilos do time.

Sem a intensidade prometida, o Papão aceitou passivamente a pressão do visitante. Um minuto antes de Bergson definir o placar, entrada faltosa do zagueiro Lombardi dentro da área poderia ter mudado a história do jogo e da classificação. O árbitro não deu o pênalti reclamado pelos acreanos.

O fato é que a torcida não gostou do que viu, cobrou mais qualidade, sem esquecer de criticar Marcelo Chamusca, que continua a ter seu trabalho questionado – mesmo com seis partidas invictas e sem tomar gol.

——————————————————

Bola na Torre

Eduardo Ramos (CR) e Diogo Oliveira (PSC) são os convidados desta noite. O programa começa às 20h45, na RBATV, sob o comando de Guilherme Guerreiro.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 19)

19 de março de 2017 at 11:40 3 comentários


CONTAGEM DE ACESSOS

  • 7,279,669 visitantes

Tópicos recentes

gersonnogueira@gmail.com

Junte-se a 12.713 outros seguidores

VITRINE DE COMENTÁRIOS

Jorge Paz Amorim em Mais que mil palavras
Antonio Oliveira em Mais que mil palavras
Jorge Paz Amorim em Mais que mil palavras
Nelson Albuquerque em Rock na madrugada – John…
Antonio Valentim em O adeus do Rei da Comédia

ARQUIVOS DO BLOG

FOLHINHA

NO TWITTER

GENTE DA CASA

POSTS QUE EU CURTO


%d blogueiros gostam disto: