Clubes decidem acabar com a venda de mando de campo na Série A

untitled

Aquele período em que os times levavam jogos para outras praças acabou. Em congresso técnico realizado na tarde desta segunda-feira na sede da CBF, no Rio de Janeiro, ficou decidido que os clubes estão proibidos de vender partidas para estádios de outros estados no Brasileiro 2017. Não foi uma decisão unânime, já que algumas agremiações votaram de forma contrária.

A prática já vinha sendo alvo da entidade há algum tempo. No ano passado, a CBF proibiu que os clubes vendessem seus jogos nas cinco rodadas finais do Campeonato Brasileiro. O Atlético-MG levantou a questão e foi apoiado pela maioria. O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, não gostou da medida e foi o único voto contra: 19 a 1.

Outra medida, mas apenas para 2018, atinge em cheio o Atlético-PR. Nenhum estádio no ano que vem poderá ter campo de grama sintética. A Arena da Baixada, em Curitiba, tem gramado artificial desde fevereiro de 2016. A sugestão foi levantada pelo presidente do Vasco, Eurico Miranda, que chegou a dizer. “Em grama sintética meu time não vai jogar”.

Os clubes se dividiram, mas a maioria aprovou a ideia de Eurico, com a ressalva para que só passe a valer daqui a dois anos. Em 2017, as equipes poderão fazer um treino na véspera de cada partida na Arena da Baixada.

A CBF também levou para votação uma proposta para que houvesse um limite de 33 atletas inscritos por equipe. Os clubes foram contrários, principalmente por conta da janela de transferências no meio do ano, e a medida não foi aprovada. A capacidade mínima dos estádio caiu de 15 para 12 mil lugares. (Com informações do GE e Gazeta Esportiva)

5 comentários em “Clubes decidem acabar com a venda de mando de campo na Série A

  1. Há um equívoco na informação quanto ao resultado dessa votação. Na verdade o placar foi 14×6. Na reportagem da ESPN, além do presidente rubro-negro, o do Fluminense também declarou publicamente seu voto a favor da troca do mando de campo, o que desmente o resultado de 19×1..

    Curtir

  2. Essa decisão é um duro golpe nas pretensões do governo do Amazonas em movimentar o cada vez mais evidente elefante branco Arena da amazonia. O ano passado essa arena deu um prejuízo aos cofres públicos de 7 milhões de reais.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Caro Lucilo Filho, desde a década de 80, quando morei em Manaus por cinco anos, que o futebol amazonense (o torcedor) vive de Flamengo e Vasco.

    O Nacional viveu uma exceção num determinado campeonato brasileiro, mas depois disso, deu lugar a um tímido São Raimundo. Só.

    Curtir

  4. Aqui o jateve pra não ficar atrás inventou essse mangueirinho, elefantinho branco, sem falar no finado Gabriel que inventou a pista olímpica

    Enquanto isso o mangueirão vai encolhendo

    Curtir

  5. Verdade, amigo Valentim, e continua assim, dão mais valor aos forasteiros do que os clubes da terra. Esse errôneo procedimento sem valorizar o esporte local enfraquece e não contribui para que o torcedor do Estado tenha interesse pelos clubes. Da pena de ver a situação dos grandes e históricos clubes como Nacional, São Raimundo, Fast e Rio Negro, tentando sorguer e não encontram o apoio necessário para tal. E fui assistir poucos jogos aqui e confesso que mais parecem jogos amadores.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s