Entre o céu e o purgatório

POR GERSON NOGUEIRA

São sete jogos sem derrota e sem sofrer gols. Marcas expressivas em competição tão difícil quanto a Série B. Impressiona e valoriza o comportamento defensivo do Papão. Por isso, o empate de sexta-feira em São Luís foi bem recebido pelos caçadores de recordes, embora tenha sido visto com reservas pelos que esperam mais de um elenco caro e numeroso.

Gilmar Dal Pozzo vive a situação única de ostentar um cartel impecável até aqui e ao mesmo tempo receber críticas pela maneira cautelosa de jogar. Não merece louvações exageradas e nem ataques radicais. Enfrenta limitações no elenco que também atrapalharam o trabalho de Dado Cavalcanti.

9b306e18-b02d-4d9f-a624-0b0a20b21d6fPertence ao novo técnico o mérito de estancar um processo caótico que mantinha o Papão na zona de rebaixamento nas seis primeiras rodadas do campeonato. O remédio, porém, está exigindo complementação.

É necessário observar que o time aumentou a capacidade de se defender, mas não evoluiu nos outros compartimentos. Joga com quatro zagueiros, incluindo os de lado, que raramente arriscam subidas ao ataque.

Tantos cuidados com a zaga levam a certo relaxamento com a parte ofensiva. Prova dessa situação é que nas sete rodadas de invencibilidade o Papão marcou apenas quatro gols. Todos de Jonathan, denunciando a baixa produção dos atacantes de ofício.

Sobre o papel desempenhado pelos dianteiros cabe também ressaltar que jogam isolados demais. Fabinho Alves, o que mais aparece em campo, fica junto à linha lateral e parte, ensandecido e confuso, para cima dos marcadores. Às vezes, consegue até se dar bem. Normalmente, porém, esbarra no segundo obstáculo.

A rigor, tudo tem como origem a engrenagem do meio-de-campo. Ao contrário do que exige o futebol atual, o Papão tem volantes que se limitam a marcar. Comportam-se muitas vezes como zagueiros adiantados.

Os meias pouco participam. Rafael Costa mostra-se sempre mais preocupado com a cobertura dos laterais e ajuda aos volantes. Jonathan sai mais, aproxima-se dos atacantes, mas não é um especialista na articulação.

Em função desse conflito reinante no meio, o Papão não tem transição. Isto é, até ensaia, mas os passes são curtos e forçados. No total, errou 32 passes e isso tem a ver com a falta de aproximação entre os setores. O efeito imediato causado pelas jogadas defeituosas é fazer com que os jogadores evitem arriscar. O time chuta pouco – e mal.

Contra o Sampaio, a estratégia foi a mesma usada frente ao Goiás. Até na ausência de propostas ofensivas, no estilo feio de atuar e nos efeitos torturantes para o torcedor. Só a defesa se salvou outra vez, embora falhando em alguns lances de área e contando com o brilho de Emerson, inclusive com a sorte que caracteriza os bons goleiros.

Gera preocupação ver um mal arrumado Sampaio (44 passes errados) conter o Papão e até acuá-lo em seu campo, provocando situações de perigo nascidas mais da insistência do que propriamente de criatividade.

Ao contrário do começo da Série B, quando incidentes infelizes prejudicavam o time, o imponderável parece estar ajudando agora, pois nos três jogos recentes o Papão andou saltando algumas fogueiras.

O confronto de São Luís foi duro de assistir. Valeu pelo ponto conquistado fora de casa, que aproxima o Papão do bloco dos 10 primeiros da competição, mas sinaliza para a necessidade de mudanças estruturais no time.

————————————————-

Manifesto de um bicolor angustiado

Transcrevo o comentário enviado à coluna pelo baluarte e sócio alviceleste Aldo Valente, sexta à noite, sob os efeitos da atuação do Papão diante do Sampaio.

“O roteiro é bem parecido com o do ano passado. A diferença é que hoje não temos o Pikachu. Desde que o Dado foi embora, expulso pelos medalhões, o Paysandu apenas voltou a jogar o que precariamente sabe. E sabe pouco. Aquele mesmo esquema de intensa marcação, futebol sofrível, sem ambição, esperando a tal última bola que em geral não vem. Desde 2015 todos os que ouvem, falam e respiram sabem que o PSC precisa de um bom meio-campo e um bom atacante.

Como entender que clubes da Série B e até da C conseguem estes jogadores e o PSC não. Treinadores de perfil conservador que se pudessem jogariam com 3 volantes, 3 zagueiros e 3 goleiros. Atacantes que não atacam, não driblam e sequer chutam na direção do gol. Até quando teremos que conviver com este panorama pobre, sem criação e ambição?

a) Aldo Valente”.

————————————————–

Novidades azulinas não incluem Tsunami

Waldemar Lemos anuncia mudanças na lista de jogadores do Remo para enfrentar o Salgueiro na segunda-feira. Não se pode atribuir a avaliações técnicas porque alguns estão lesionados – casos de Allan Dias, Fernandinho, Schmoller, Ciro e Héricles.

Chances para Magno, Edcléber, Sílvio, Chicão e Lucas Garcia.

E Tsunami continua fora dos planos. Coisa esquisita.

————————————————-

Bola na Torre

Guilherme Guerreiro apresenta, com participações de Giuseppe Tommaso e deste escriba de Baião. O técnico Gilmar Dal Pozzo (PSC) é o convidado. O programa começa logo depois do Pânico, na RBATV, por volta de 00h20.

(Coluna publicada no Bola deste domingo, 03)

24 comentários em “Entre o céu e o purgatório

  1. Pelo andamento o Paysandu vai lutar até o final da serie B pra não cair, vai ser um drama….Haja coração!!!

    Curtir

  2. WL esta dando chance pra os jogadores da terra mais ainda pros jogadores da base Magno não estreiou ainda Chicao, Edicleber , Lucas Garcia ,Sivio ainda chegava ter chances Tsunami não vai ser dessa vez que ele vai entrar

    Curtir

  3. Coluna perfeita, amigo Gerson..

    Aliás, vi 2 postagens nas redes sociais que achei engraçado… Uma do torcedor do PSC e outra do torcedor do Remo

    Do PSC(Alex Costa)… ‘Assistindo o filme “De volta para o futuro” sobre aquele manual de esportes, imagina o que estaria escrito lá sobre o Paysandu na serie B 2016(imaginando o Dal Pozzo com essa estratégia) – Paysandu com 38 jogos sendo, 5 vitorias 5 derrotas e 28 empates sendo 15 de 0 x 0 ‘…. Te contar… rsrs

    Do Remo(Marcelo Ricardo)…. ” Seja bem vindo ao Clube do Remo, Waldemar “Remos”(ao invés de Lemos)….. Rsrs

    Amigo, Aldo Valente, pegando corda com essa retranca bicolor…rsrs

    Curtir

  4. O mágico número 7 na vida bicolor, ou seja, está a sete pontos do céu e do inferno.
    Todo cuidado é pouco.
    Quanto a qualidade dos jogos, sinceramente, não assisti os dois últimos justamente por imaginar que ficaria com Carlos nos olhos, optei por apenas escutar pela rádio Clube.
    São horríveis mesmo!

    Curtir

  5. Percebo pelos comentários que muitos componentes da Nação Bicolor se transformaram em Reclamação Contra o Bicolor porque só sabem reclamar. Prestigiar indo em massa aos jogos do Paysandu neca neca. Não faz muitos dias o Paysandu estava na zona da degola se distanciando das melhores posições e haja reclamação, muito bicolor já pegando corda de gente do outro lado que gostam de tirar barato, e falando em rebaixamento. Aí eu pedi calma, porque era início e logo o Papão sairia da zona maldita. Aí menos que se pensava o Paysandu disparou, saiu da zona maldita, já está bem distante, porque o Braga perdeu ontem em casa , está invicto a 7 jogos e as reclamações continuam muito, mas prestigiar que é bom, neca neca. Por um momento eu vou ser porta voz do Maia e dizer que só reclamar não cabe. Torcedor do Paysandu é o único em Belém que não tem motivo para reclamar. O Payssandu é o campeão de tudo em Belém. Tem time aqui em Belém que não ganhou nada neste ano, e está tendo apoio da torcida que sonha até com série B, o time devendo cabelo da cabeça e sem estádio próprio para jogar e pagando aluguel. Uma outra Tuna Luso se acabou. O Paysandu todo ano na crista da onda e torcida só reclamando. A reclamação agora é pelos empates. Ora bolas, esqueceram que dos 3 empates, um foi em Belém contra o forte atlético Goiano que hoje é líder, e 2 foram fora contra o temível Goiás que é time grande, e outro contra o Sampaio, que apesar de estar ruim mas o jogo foi lá onde sempre é difícil vencer. em 2015 o Paysandu Perdeu as duas para o Sampaio em casa e fora. Então pessoal bicolor não peguem corda dos outros e parem de reclamar. Já disse que a hora que for preciso reclamar contra o time, eu serei o primeiro a fazer porque não aturo desmazelas. Mas hoje não é hora de reclamar, é hora de lotar o caldeirão e apoiar o time e a diretoria. Isso sim. E não esqueçam que mudou chip, quarta tem de cisão de Copa Brasil contra o fantasma da estrada de ferro, e quero ver no mínimo 10 mil na Curuzu fora os que entram de graça, porque o ingresso está ótimo a 30 reais, horário bom 19 horas para chegar cedo em casa, a diretoria está agindo com inteligência e merece todo apoio. Se não der pelo menos 10 mil na Curuzu a Nação bicolor está de brincadeira. e de mau gosto.

    Gostaria que o amigo também destacasse essa minha mensagem em coluna do torcedor.

    Curtir

  6. Deu a entender que o Dall Pozzo com esse esquema de jogo, quis manter o cargo já prevendo futuras derrotas.

    Penso que a cautela é para que se tenha tranquilidade pra trabalhar. Mantendo essa marca ele passa confiança pra diretores e torcedores. Assim pode identificar falhas de elenco e “futuramente” corrigi-las.

    Ainda não sei o que pensar do tal Técnico. Estou confuso. Só com o passar das rodadas veremos…

    Curtir

  7. Não seria Waldemar Remos uma homenagem ao pai do Eduardo Ramos?

    Que time no mundo vem por indicação de pai de jogador?

    Só o sem divisão mesmo

    Curtir

  8. Amigo Nélio, um reparo: no ano passado, o Papão perdeu para o Sampaio em São Luís e empatou em Belém (1 a 1).

    Curtir

  9. Amigo Gerson, perfeitíssimo seu comentário,adicionando-se a ele a carta do leitor que você transcreveu. No meu comentário de ontem cheguei a tocar nesse assunto e recebi represálias de alguns participantes,mesmo que indiretamente, É perfeitamente como vejo o panorama do momento. Enquanto o time adversário batia 10 escanteios,o nosso batia um. Só por aí dá pra verificar o sufoco que levamos e se não fosse a perícia e a grande sorte do nosso goleiro,repetir-se-ia mais uma teagédia.,Como também perguntei,como um time quer ganhar jogos somente se defendendo ? Vale-se ressaltar o bom desempenho da zaga toda assessorada pelo meio de campo e laterais ! Há um ditado que diz “Água mole em pedra dura,tanto bate até que fura. E é esse o meu maio receio que venha acontecer !

    Curtir

  10. Só vim aqui lembrar a torcida de mercadoria q a mucura sem vergonha rouba vaga continua nosso eterno freguês e nossa eterna piada e também. Lembrar q elas já fugiram de campo com medo kkkkkkkkkkkk copia comédia

    Curtir

  11. De fato, em sua maioria, os jogos sem abertura de placar realmente frustram a quem assiste e parecem mal jogados. O de sexta entre o listrado e o Sampaio Correa tal vez mereça restar unserido neste rol dos frustrantes mal jogados.

    Mas, uma coisa há de se admitir, houve um meia do SC que jogou muita Bola. Felipe Baiano, se não estou enganado, é o nome dele. Se errou um único passe foi muito. Jogou com habilidade e categoria. Só pareceu um tanto sem fôlego no segundo tempo, mas, ainda assim, se destacou nesta etapa também.

    Quanto ao listrado, me escrevo dentre aqueles que acham que com o técnico atual o time obteve um novo ânimo e se colocou bem mais confortavelmente na tabela e não apenas com empates, eis que houve o Vasco.

    Mas, a apreensão d’alguns não é sem razão, pois a ausência de gols contra tem se devido mais à boa fase do goleiro, à sorte e à incompetência dos adversários, do que ao encaixe do setor defensivo como um todo, e dos defensores, em especial. E, este último jogo, contra o mais desarrumado dos adversários até agora, pode ser usado como parâmetro. Foram várias as vezes em que a trave salvou, que os atacantes adversários se houveram mal, e outras tantas em que o arqueiro se houve muito bem.

    Curtir

  12. Sou um dos que estão preocupadíssimos com o desempenho paupérrimo bicolor no setor ofensivo. Devemos pensar adiante, pois não se vê melhoria alguma tanto na criação de jogadas( maior problema) quanto no ataque que, apesar de estar mal abastecido, demonstra clara e irrefutavelmente problemas quando a bola chega. No ano passado, supría-se a ausência de um meia-armador, com jogadas agudas pelas laterais. Tínhamos exímios apoiadores e em boa forma, casos de Pikachu e João Lucas ( Esse ano não mostrou a que veio). Dal Pozzo, a priori, tem que desimprovisar nas laterais, a fim de ter mais alternativas ofensivas, sem descuidar-se da defesa.

    Curtir

  13. “O verdadeiro torcedor, não é aquele que só olha o lado bom do seu time. É na verdade, aquele que reconhece as virtudes e os defeitos dele.O verdadeiro torcedor tem que olhar pela razão em detrimento ao coração” !

    Curtir

  14. Penso que a falta de tempo inviabiliza qualquer planejamento para mudanças no setor ofensivo, hoje principal problema do PSC.

    É bom dizer que Dal Pozo já fez o primeiro teste no jogo contra o Sampaio, quando lançou três atacantes (dois abertos e um mais centralizado).

    Ainda sobre o setor ofensivo bicolor, penso que o caminho são os três atacantes utilizados contra o Sampaio. Sendo que dois deles (os abertos) devem acompanhar os avanços dos laterais.

    Tal estratégia (4 – 2 – 3- 1) é muito utilizada em times que não tem laterais com força ofensiva.

    Penso ser este o caso do PSC.

    Curtir

  15. Sobre o sonhado camisa 10, particularmente venho ano a ano parando de sonhar com este jogador, pois, parecer-me fato que ele não existe mais e se existe deve ser artigo em extinção.

    Dito isso, hoje, o que temos, são meias que sabem defender e atacar com qualidade.

    No PSC este é o caso de Jonhatan e Rodrigo Andrade.

    Curtir

  16. Acho q o Edson do Leão é torcedor do Papão. Adora fazer postagens nas matérias sobre o maior do Norte kkk Edson não tira a bronca. Pára de chorar kkk Vila Nova e Aparecidense entraram na Copa Verde junto com o Papão pelo ranking para dar mais qualidade ao torneio. Existiram muitos comentários de q a Conmebol não iria mais aceitar uma vaga da Sul americana para o Campeão da Copa Verde em razão do baixo nível técnico desse torneio. Assim para dar qualidade à Copa Verde Vila Nova e Papão devem ter entrado pelo ranking, pois do jeito q estava era melhor entregar logo o trófeu pro Remo kkkkkk Edson Quem é o freguês? O Remo não ganha do Paysandu há cinco jogos e não ganhou nenhum RExPA esse ano. Na realidade o Remo é freguês eterno de goleadas aplicadas pelo Papão, duas delas nos tempos atuais ambas de 4 a 0 no Baenão. Sobre fuga de campo, há muitos relatos de que em 1976 o time azulino fugiu de campo após o Papão já estar ganhando de 3 a 1. Por fim, não vai te engasgar com tanto choro. Perderam em campo e ficam chorando. Aceitem perder Edson! Dói menos! Kkkkkkk

    Curtir

  17. O aposentado fala fala mais não prova nada kkkkkkkkkkk vou já te mostrar quem tem mais vitórias e o vídeo q vcs fugiram com medo é tem pavor de assistir kkkkkkkkk comédia

    Curtir

  18. Peixoto 737 entre Remo x Paysandu Remo 256 vitórias e 250 empates e 231 vitórias do Paysandu mais as goleadas de 1926 Remo 7 x 0 Paysandu e 1939 Remo 7 x 2 Paysandu temos 25 vitorias a mais na frente de vc tem mais empates do que vitórias de vc quando vc chegarem a 250 nos avisem ai podemos conversar kkkkkkk e ainda tem o tabu 33 21 vitórias e 12 empates não esquece de 2014 Sub-20 do Remo 5 x 1 Paysandu garotada Azulina detonou o técnico Maischora quer ao final do jogo falou quer o Paysandu tinha quer enfia o rabo entre as pernas Remo teve quer deixar o papim ter alegria em 2016 não quis ganhar o Paraense São Dewson e São Joelson quer ajudaram a chegar na final da CV ser não fosse. Isso seria mais um ano de carência ta bom o que mais Peixoto kkkkkkk

    Curtir

  19. Me admira muito é alguns remistas completamente sem noção do que escrevem virem postar mensagens com dados estatísticos na maioria fora da realidade e outros muito antigos. Acho que é por isso que já querem o título mundial na venezuela em 1950 kakak.
    Alessandro não viaja na muvuca. Mete na tua cabeça que 7×0 no futebol profissional foi somente o teu time que apanhou do Paysandu. Nem a Tuna conseguiu levar uma surra dessa. Aliais que sobre essa surra que tanto causa abalo em muitos remistas, eu tive o trabalho de pesquisar no futebol profissional dos maiores clássicos de todo o Brasil, onde também tem muita rivalidade, e não consegui encontrar um que tenha enfiado 7×0 no seu maior rival e Só encontrei alguns próximos como 7×2 do Flu em cima do Bota fogo em 93, 7×2 para o Bahia e cima do Vitória etc. Mas 7×0 em clássicos do Brasil só o Paysandu aplicou no Remo. Outra é que tu falas tanto em freguesia bicolor, com base num tabu que já foi quebrado há mais de 15 anos em 97, o qual deixou o Remo com grande margem de vitórias sobre o bicolor e isso ninguém nega. Mas depois disso verifica quem está levando mais surra até hoje nos REXPA. Se pegar todos os REXPA depois da quebra do Tabu para K, o Paysandu tem muito mais vitórias. Só para tua memória, na Copa verde o Remo é o maior freguesão bicolor onde só ganhou uma e levou 4 surra. estando 2×1 pro Paysandu em eliminações. Na antiga Copa Norte da CBF, outra freguesia azulina, com uma vitória e duas derrotas para o Paysandu, sendo uma eliminação azulina dentro do estádio de lajotas em 2002. Na série A o Remo tem uma vitória a mais porém remanescente da década de 70 quando o Paysandu era obrigado pela CBD a jogar no campo das lajotas. Mas Na era do Mangueirão são 2 vitórias do Paysandu em 1985, e uma remista em 1993. Na série B o Paysandu tem uma vitória a mais. E o mais curioso Alessandro é que todas as vezes que o Paysandu surrou o remo em competição da CBF e o eliminou, conseguiu o título, foi assim em 1991, 2001, 2002 e 2016, serie B, Copa Norte, e Copa Verde. Mas o Remo quando eliminou várias vezes o Paysandu de competições da CBF nunca ganhou um título após eliminar o bicolor. Os útimos anos de REXPA estabelecem:

    2014 – 4 vitórias do Paysandu e um vitoria do Remo
    2015 – 3 vitorias do Paysandu e 2 do remo,
    2016 – 2 vitórias do Paysandu e nenhuma do Remo

    Alessandro ainda quer mais??? não vou nem falar na diferença de títulos. Amigo vai chorar na cama que é lugar quente. Aceita que doi menos. não te desespera, um dia vcs se igualam ao Paysandu….mas vai demorar um pouco.
    kkakakakakakakakakakakakakak

    Curtir

  20. Falou tudo Nélio! Alessandro em se tratando de futebol profissional não houve nenhuma vitória de 7 a 0 do remo sobre o Paysandu. As maiores goleadas inclusive duas de 4 a 0 dentro do Baenão foram aplicadas pelo Papão. Além disso não houve 5 a 1 em 2014 como tu colocaste e sim 4 a 1 graças a um gol contra e uma outra lambança do zagueiro Charles e mais méritos do Ceareanse e do Jonathan do q da garotada azulina. O Papão ao contrario do Remo quando ganha não economiza gols em clássico. Vcs só tem o tal de 33, e vivem só no plano regional. O dia que o Remo ganhar 2 títulos da série B, disputar uma libertadores e ganhar do Boca no La bombonera nós começamos a conversar kkkk Alessandro não tente colocar a culpa pela eliminação da Copa verde na arbitragem paraense. Vcs levaram duas peias seguidas. Aceita perder. Dói menos kkkkk Ei Edson do Leão o time azulino fugiu de campo em 1976 segundo relatos de vários torcedores. Esse teu video só faz empatar em termos de saída de campo. Agora posta pra gente os vídeos das duas goleadas de 4 a 0 do Papão sobre o remo kkk Por fim, Edson não é nenhuma novidade q vc só comenta sobre o Paysandu embora esta ultima matéria tenha retratado os dois rivais. Presta atenção no teu comentário, foi só pra querer encarnar e não analisou o desempenho do teu clube. Será que vc é torcedor do Papão? kkkkkkk

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s