Guardiola queria Neymar, mas Bayern preferiu Götze

557x381+0+9

Por Bruno Secco, do Bayern a Secco

Talvez você não saiba, mas Neymar, principal jogador brasileiro na atualidade e que hoje brilha no Barcelona, já teve grandes chances de atuar no Bayern. Se dependesse de Pep Guardiola, hoje ele seria um bávaro. Esta é uma história que, na época, pegou fogo nos bastidores do Gigante da Baviera, mas que poucos sabem.

Perto do final do ano de 2012, quando Karl-Heinz Rummenigge e Uli Hoeness, então presidente de nosso clube, já tinham ciência de que Jupp Heynckes, nosso então treinador, pensava em se aposentar, ambos começaram a estudar os perfis daqueles que poderiam assumir o seu lugar, e chegaram à conclusão de que Pep era o cara para a vaga.

Começaram-se os contatos e, em janeiro de 2013, Rummenigge viajou à Nova York, onde Pep passava seu ano sabático com a família, para finalizar o acordo. Àquela época, ambas as partes já sabiam que a negociação terminaria com um final feliz, tanto que Guardiola já aprendia alemão por algumas semanas.

Na última viagem de Rummenigge a NY (muitos cravam que foi em 13/1/2013), um dos primeiros pedidos de Guardiola ao nosso CEO foi a contratação de Neymar. Guardiola queria contar com o jogador quando ainda era técnico do Barcelona, mas, por não sentir mais que poderia motivar seu elenco a vencer e por sentir que seu ciclo naquele clube havia acabado, não realizou seu desejo – realizaria se permanecesse no Barcelona, já que desde o final de 2011 existia uma “garantia” (não digo “pré-contrato” pois é um termo ilegal aos olhos da FIFA) de que Neymar iria do Santos para o Barcelona.

Desde o anúncio oficial da contratação de Guardiola, em 16 de janeiro de 2013, o nome de Neymar começou a ser veiculado ao Bayern, com mais intensidade quando ficou confirmado que ele iria rescindir com o Santos. Sem saber daquela “garantia” do Santos ao Barcelona – que veio à tona como um escândalo -, muitos cravavam que a joia do futebol brasileiro iria para o nosso clube.

Vicente Cascione, um dos mais conceituados advogados brasileiros, ex-deputado federal por São Paulo (dois mandatos) e ex-presidente do Conselho Deliberativo do Santos (de 1981 a 1982), dava como certa a negociação. Em 12 de maio de 2013, 13 dias antes da final da Champions League (onde nos sagraríamos pentacampeões), o advogado publicou uma nota no seu site confirmando a suposta contratação.

“Revelo esta notícia em primeira mão para vocês. Já está fechado. Neymar já está contratado pelo Bayern de Munique. Não estou especulando, a informação é indesmentível. A partir de agosto deste ano, o jogador fará parte do elenco do clube. Portanto, o seu destino, como muitos noticiavam, não será a Espanha. Nem Barcelona. Nem Real Madrid. Ele vai para a Alemanha. Quem duvidar aguarde para conferir.”

Embora muitos dessem Neymar como certo no Gigante, pouquíssimos sabiam que a negociação já havia melado desde quando Guardiola havia solicitado a contratação de Neymar. Pouquíssimos mesmo, nem pessoas de dentro do Bayern já tinham essa confirmação. Era assunto somente entre o então futuro treinador e a alta cúpula do clube.

Ao pedir Neymar, Guardiola recebeu uma resposta negativa. Não pelo fato de o jovem não atender às expectativas do clube, muito pelo contrário, seria um grande reforço. Mas o fato de ele ser brasileiro prejudicou (pra não dizer “acabou”) com quaisquer chances de conversas.

590x344+10+0Calma, o Bayern não é um clube xenófobo. Alguns brasileiros já fizeram sucesso na Baviera, como Zé Roberto, Paulo Sérgio e o grande Giovane Élber. Porém, uma experiência extremamente negativa com Breno, em 2011 (quando ele colocou fogo na sua casa), fez o Bayern acabar com qualquer especulação envolvendo contratações de brasileiros que joguem aqui. Perceba que, desde os problemas com Breno, o Bayern jamais contratou um brasileiro diretamente do Brasil. A ordem, caso queira contratar jogadores daqui, é que antes eles já tenham uma experiência na Alemanha – casos de Rafinha, Luiz Gustavo e Dante.

Não podendo mais contar com Neymar, Guardiola quis um jogador que possuísse as mesmas características do brasileiro: jovem, inteligente, versátil, com bom toque de bola e chute. E, claro, que estivesse habituado à Alemanha. Foi aí que surgiu o nome de Mario Götze.

gotze_bayern_de_muniquePep estava tão obcecado em contar com um atleta que atendesse a estas características citadas acima que o Bayern, sem pestanejar, pagou a alta multa rescisória de nosso camisa 19 junto ao Borussia Dortmund, que era de 37 milhões de euros (cerca de R$ 110 milhões), se tornando assim a primeira contratação da “Era Guardiola“. Ambos começaram a trabalhar juntos desde julho de 2013 e, pouco mais de um ano depois, conquistaram juntos seis títulos.

É claro que, se o Bayern quisesse investir na contratação de Neymar, provavelmente esbarraria naquela “garantia” do jogador feita pelo Santos ao Barcelona, mas, no final das contas, deixou estar. O que ficou é a seguinte pergunta: será que, caso o Bayern fosse pra cima e Neymar hipoteticamente estivesse “descomprometido”, ele daria certo jogando conosco? Só não digo que esta é uma pergunta que ficará “para sempre sem resposta”, pois Neymar ainda tem mais uns 15 anos de carreira. Mas, por hora, ela fica no ar.

Um comentário em “Guardiola queria Neymar, mas Bayern preferiu Götze

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s