Os donos do campeonato

unnamed (52)

Por Gerson Nogueira

Nem bem o campeonato começou e Paissandu e Remo já se engalfinham na disputa da liderança do primeiro turno. Enfrentam, hoje à tarde, pela terceira rodada, adversários que mostram enfraquecimento em relação à edição do ano passado. Há um ano, tanto Paragominas quanto Santa Cruz tinham postura mais determinada, investimentos de vulto e, principalmente, ambições maiores.

Os dois rivais fazem um campeonato particular, como nos velhos tempos. Apesar de aperreios nos primeiros jogos, estão invictos e isolados na classificação, que o Paissandu lidera por ter marcado um gol a mais que o Remo. Não tiveram até aqui uma grande atuação, daquelas de encher os olhos do torcedor. Mas, num sintoma do baixo poderio técnico dos demais times, ambos não tomaram conhecimento dos adversários.

Na verdade, quase todos os emergentes apresentam times modestos em comparação com anos anteriores. Seria prematuro traçar um cenário desfavorável aos representantes interioranos, mas as duas primeiras rodadas exibiram atuações sofríveis de quase todos. A exceção foi o Cametá, que se mostrou organizado e bem escalado, apesar das limitações do elenco. O campeão estadual de 2012 optou por um técnico nativo e trouxe de volta jogadores conhecidos. Perdeu para o Remo na estreia, mas se redimiu em casa contra o Paragominas.

unnamed (79)O time de Cuiarana, treinado por Sinomar Naves, tropeçou em casa contra o São Francisco e perdeu para o Paissandu na Curuzu. Tem alguns bons valores, mas passa longe da política arrojada de contratações do ano de estreia, que incluiu o veterano Fumagalli, trazido por pequena fortuna. O investimento não vingou. Vítima de alguns descaminhos administrativos, foi alijado do torneio e ainda criou uma confusão que quase estragou o campeonato.

Com apenas um ponto ganho, o Paragominas é até o momento a maior decepção entre os clubes medianos. Estreou com empate diante do Independente e perdeu para o Cametá na partida seguinte. Vale lembrar que, no ano passado, cumpriu boa campanha nos dois turnos e terminou como vice-campeão, eliminando o Remo na decisão do returno.

O Independente, campeão paraense de 2011, o primeiro saído do interior, padece neste ano da falta de recursos para maiores investimentos no time e sofre com a não regularização do estádio Navegantão. Por conta disso, se vê obrigado a fazer cinco jogos fora de casa, comprometendo seriamente seus planos no primeiro turno.

Sem maiores pretensões, também mais frágil que no Parazão 2013, o São Francisco surpreende positivamente. Invicto, é o quarto colocado no campeonato. Arrancou empates em Cuiarana e Marabá. O estreante Gavião tem exibido vulnerabilidades de conjunto e limitações individuais. Tem o melhor patrocínio entre os interioranos, mas o time não corresponde às expectativas. Tem apenas um ponto conquistado.

No ritmo atual, a dupla Re-Pa concentra as atenções e deve brigar pela liderança até a rodada final. Ambos não têm esquemas bem definidos ainda, tropeçam em hesitações e permitem espaços para os oponentes. O Paissandu sofre com a ausência de criação no meio-campo. No Remo, o problema se localiza no ataque, que peca demais nas finalizações. Ainda assim, os rivais sobram na turma. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola)

unnamed (98)

———————————————————- 

O papel da torcida

A carência por títulos costuma ser o combustível para alimentar e reforçar a paixão no futebol. Aconteceu isso com grandes clubes do Brasil e do mundo. O Corinthians talvez seja o melhor exemplo dessa combinação de fatores tão distintos. O Remo, sem conquistar títulos desde 2008, experimenta nos últimos anos uma caminhada de intensa e estreita ligação com seus torcedores, como poucas vezes em sua história.

É fato que a torcida azulina sempre foi presente e participativa, mas parece ter decidido tomar o time nos braços e conduzi-lo a dias melhores. A comovente dedicação ao time sub-20 na Copa Norte e Copa do Brasil retratou exprimiu bem esse sentimento. De tal forma que torna aceitável a imagem de uma torcida que tem um time – e não o contrário, como costuma ser. A presença nos estádios neste Parazão, até agora dentro do previsto, pode confirmar definitivamente a tese.

E com um time recheado de bons jogadores, como há muito não se via no Evandro Almeida, mais do que nunca o Remo dependerá da fidelidade de seu torcedor. Afinal, além da salgada folha de salários, terá que desembolsar uma parcela mensal para cumprir acordos trabalhos.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste domingo, 19)

26 comentários em “Os donos do campeonato

  1. Certeiro Gerson, até o leãozinho de pedra sabe disso, mas para os sofredores eles tem a maior torcida. Pura carência, sofrimento e inveja do Paysandu. Venho dizendo isso faz tempo.

    Curtir

  2. Ambos tem grande torcida, a do Remo um pouco maior é verdade mas o diferencial é que a torcida do Remo nunca abandonou o time nem durante seus dias de gloria quanto nestes dias de vacas magras. Já a torcida que se diz fiel só apoia o time quando este está por cima, quando esta por baixo como agora depois de um rebaixamento ou durante a época do 33 eles somem tudo e deixam o time a própria sorte, isso é fato.

    Curtir

  3. Fico a imaginanar se a torcida do Corinthians tivesse ficado soberba com as conquistas da Libertadores e do Mundial e resolvesse abandonar o time nas competições nacionais, provavelmente deixaria de ser fiel. Mas ao contrário, os corintianos continuaram enchendo os estádios, mesmo com a pífia campanha em 2013, pois mantêm o sonho de se tornarem a maior torcida do país e não duvido que consigam a longo prazo. Agora, quanto a torcida do rival, essa desculpa não cola mais, até porque nem o retorno à Serie B fez com que saíssem do sofá. Vocês são os responsáveis pelo rebaixamento do time, pois se tivessem lotado os estádios, o clube teria tido dinheiro para contratar bons jogadores.

    Curtir

  4. caros Luiz Antonio Mariano e Agenor Filho, não tentem comparar….

    Notem bem que o Gerson escreveu que a CARENCIA de títulos e conquistas há muito tempo as vezes serve como combustível para motivar torcida. É EXATAMENTE isso que está ocorrendo com a torcida azulina que muito antes de ser ‘fenômeno”, é acima de tudo muito carente. Esta ânsiedade misturada com angústia de querer ver o time engrenar de qualquer maneira é a explicação verdadeira para esse apoio ao time azulino. Em relação a nação bicolor, a maior do norte, é muito dificil para essa torcida que viu o time ser a sensação de uma Libertadores sendo o 9º lugar no geral, detentor de vários títulos nacionais, maior participante do norte na primeira divisão, e o mais verdadeiro Clube Campeão dos Campeões de todos os tempos no Brasil, simplesmente porque além de ter conquistado com apenas uma derrota uma competição com esse nome em 2002, o Paysandu foi o maior vencedor de títulos no Brasil, oficializados pela CBF em 2002, ganhando a própria Copa dos Campeões, a Copa Norte e o tricampeonato paraense, antes em 2001 ja tinha ganho o bicampeonato brasileiro no final do ano. Juntando isso tudo, Mariano e Agenor, resulta num título oficial conquistado a cada 2 meses. Não sei se isso é recorde no Brasil em todos os tempos, mas foi um feito expressivo. Então para quem viveu toda essa glória, ter de ver agora o Paysandu desorganizado, mal administrado, inclusive pelo Wandick em 2013, que rebaixou o time. Justo o Wandick que tinha o apoio de 99,999% da torcida, é demais para a paciência até do melhor bicolor. É muito difícil apoiar nesse momento, quando muitos ainda estão cabreiros com a administração do Wandick, apesar de eu considerar esse início bom até agora, onde o Wandick vem se redimindo dos erros de 2013 e espero que contiunue assim porque errar é humano, persistir no erro que não é. Então não tentem comparar torcida remista com a bicolor, porque apoio da remista é carência, mas a falta de apoio da torcida bicolor é meramente uma questão de torcida que foi acostumada a grandes conquistas do time, mas agora vê o time capengando, e a diretoria se atrapalhando. Aí não da gosto de apoiar. Muito menos para pagar 30 reiais, ingresso de primeira divisão que não foi cobrado nem na segundona, mas agora é cobrado para a torcida ver gavião, independente, cametá que ganha vaga mas depois vende, cuiagrana, chico de santarém e cia. é dificil senhores
    rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs

    Curtir

  5. Aliais, Uma curiosidade do futebol é que o título da Copa dos Campeões foi eternizada em favor do Paysandu, último campeão, pela CBF. através do fim da competição, onde ninguém pode mais tirar esse título do Paysandu. Não sei se foi por pura coincidência ou mero acaso da CBF, mais o caso é que nunca uma eternização foi tão merecida, porque acho muito difícil no Brasil e até no mundo, um clube de futebol que tenha sido mesmo tempo campeão de uma competição denominada Copa dos Campeões e maior vencedor de títulos oficiais do país na temporada. E bom verificar, mais acho dificil algum time ja ter superado ou superar essa marca bicolor. Acho que aquela letra do Hino do Timão: “salve o Corintians, o campeão dos campeões, eternamente, dentro dos nosso corações”” está mal empregada e cairia muito bem para o Paysandu: salve o papão, o campeão dos campeões, eternamente dentro dos nosso corações”” vamos processar o coringão rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsr

    Curtir

  6. Luís Antônio Mariano, por que será então que o teu timinho NEM SÉRIE TEM? contraditório o teu discurso, não?

    Curtir

  7. Camarada, a situação de vocês é melhor que a nossa, enquanto vcs ganhavam dinheiro o Remo passava por apuros, falta confiança no time de vocês. Por outro lado, com a diretoria que o Remo tinha, ele não poderia estar em outro lugar, aliás ainda não confio plenamente na direção atual, mas não é por isso que deixaremos de acreditar.

    Curtir

  8. Percebam que o argumento dos torcedores do Paysandu pra qualquer crítica feita ao time ou pra qualquer elogio feito ao Remo é sempre o mesmo: que não temos divisão. Acho que se algum jornalista criticar o estado da Curuzu, os torcedores bicolores vão dizer: “ah, mas pelo menos o meu time tem divisão…”

    Felizmente, percebo que a torcida remista não anda tão acomodada que nem a do rival, e estamos em cima da diretoria e do plantel, pra apoiar, mas também cobrar resultados. Garanto a você, Gerson, que a carência de títulos não é o único fator que prepondera nessa massiva participação do torcedor azulino nas arquibancadas. É um fator que, para alguns torcedores, certamente pesa; mas o que pesa muito mais é a consciência de que para apoiar as dificuldades pelas quais o clube vem passando nos últimos anos, é necessário se fazer presente durante os jogos.

    Curtir

  9. Caro Nélio.. Parabéns pelo excelente comentário.. O engraçado, é que para muitos, acredito que pela falta de informação e/ou até mesmo pela paixão cega, ainda temos inveja.. Bom Domingo a nação bicolor.. Estou na torcida, aqui em Brasília..

    Curtir

  10. O grande problema é que muitos remistas não aceitam ou não querem ver a verdade nua crua do atual momento do seu time.

    Aqui no Pará ele ainda existe, por força da imprensa e por causa do Paysandu.

    Lá fora, o Remo está como um time falído, apenas alguns jornalistas da imprensa de fora, de vez em quando falam do Remo, porém só falam quando ele joga contra um grande de lá ou quando o Paysandu joga.

    Portanto tenham humildade de reconhecer isso, se o Remo não fechou as portas hoje, graças ao Paysandu e a imprensa que fomenta essa rivalidade pq isso é mercado bom pra ele, senão era mais um pra fazer companhia pra Tuna e pro União Esportiva, Yamada etc…

    Curtir

  11. Caro Édson.. Exemplos de seu comentário, foram as vagas/convites para o REMORTO nas Copas Verde e do Brasil.. É lógico, que a atual posição da Federação Paraense de Futebol (FPF).. Tem participação do Paysandu..

    Curtir

  12. O fim do mês ta chegando e a mucura ainda nao faturou nem p comprar uma merenda de Qsuco com bolacha Maria, a família de Santa Fé ja nao é mais dona da botica e a fonte seca.
    Esse bando que torce p mucura tem que dar conta da conta…
    Hoje eu vou p Mangueirão torcer e apoiar o Mais Querido.

    Curtir

  13. Esse blá blá blá sobre torcida é apenas engodo. Acredito que cobrar trinta reais pelo ingresso de um campeonato fraquíssimo como está sendo este paraense é querer duvidar da sanidade do torcedor bicolor.
    O time, mesmo que a duras penas, vem vencendo e mostrando mais aplicação do que de edições anteriores, merece apoio por parte do torcedor. Mas volto a dizer que ingresso de campeonato paraense a 30 paus é demais!

    Curtir

  14. O Remo ainda existe por causa da imprensa e do Paysandu?

    1- Esses dois atores não pagam as contas do Remo.
    2- A mídia dá valor ao Remo por causa da audiência que isso gera.

    Torço muito pelo sucesso de todos os clubes do Pará, mas tem torcedor que acha que se o Remo um dia falir, isso vai ser bom pro Paysandu… Eu, hein!

    Curtir

  15. A torcida do Paysandu foi a responsável pelo rebaixamento do time ,na série B, caro Luís Antônio Mariano?

    Durma-se com um barulho desses!

    A imensa maioria da torcida bicolor não sente-se motivada pelo Parazão,e não aguenta mais tanta incompetência ano após ano. Quando parecia que as coisas iriam melhorar,houve a frustrante campanha na série B e o consequente rebaixamento.

    Creio que no REXPA a torcida vá em grande quantidade,devido à rivalidade,pura e simplesmente por conta disto,pois,se dependesse desse timeco que a diretoria montou,seria difícil.

    O torcedor não é burro!

    Curtir

  16. o Maior problema é a soberba… torcedores de ambas as torcidas já se vangloriam.. esquecendo que tem outros times que tb trabalham… imprensa que já dá como certa a vitória dos “grandes”…

    Somos grandes… mais estamos pequenos… depois de tantas derrotas ridiculas… temos q voltar a uns 10 anos atras… onde respeitamos e eramos respeitados de verdade… futebol hj é 20% talento e o resto de suor… e enquanto a gente pensar q vamos ganhar só pela tradição… vamos sempre chorar o leite derramado…

    Curtir

  17. Quer dizer que ilusão é sinônimo de
    fidelidade?!

    Ser crítico é abandonar?!

    É por isso q o remo vive sem divisão: ao invés de tomar atitudes práticas contra as diretorias nefastas, segue como gado para o abate.

    A torcida do Paysandu é Fiel e apaixonada mas não é BURRA!

    Curtir

  18. Edson, a sua inveja do Mais Querido é hilária, poderias tentar controlar mais para não sofrer um futuro infarto. O Remo é muito maior que ter ou não divisão. Os números de torcidas não mentem, humilham a maioria dos outros clubes, inclusive o seu.

    Curtir

  19. Essa mucura só não faliu por causa da SUDAN (viu Edson)

    Até o Independente tem mais torcida kkkkkkkk graças ao Leão e vice e versa kkkkkkk chupa merdinha, quem sabe no Replay vcs consguem comprar o Qsuk a bolacha maria como falou o amigo Remista!

    P.A

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s