Herói em surdina

Por Ruy Castro

Em 1930, se a ideia tivesse ocorrido a alguém, seria possível reunir na mesma sala no Rio, e ao redor do mesmo piano, Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga, Freire Junior, Eduardo Souto, Augusto Vasseur, Henrique Vogeler, Joubert de Carvalho, Sinhô, Ary Barroso, Nonô, Radamés Gnattali, Custodio Mesquita, Gadé, Vadico e Carolina Cardoso de Menezes. E se Zequinha de Abreu, que morava em São Paulo, estivesse no Rio, de visita, melhor ainda. Teríamos, ali, o estado-maior do piano brasileiro.

Todos eram grandes pianistas e estavam vivos e ativos. Mas não por muito tempo: Sinhô morreria em agosto, aos 41 anos; Nazareth, em 1934, aos 70; e Chiquinha, em 1935, aos 87. A maioria já prestara grandes serviços à música popular. Outros começavam bem – Ary, Radamés, Custodio, Gadé, Vadico– e mesmo Carolina, aos 15 anos, já tinha o que mostrar: em “Na Pavuna”, por Almirante, primeiro disco brasileiro a conter percussão de samba, gravado em dezembro de 1929, o piano era ela.

O que teria resultado daquele conclave? Só se pode especular, mas, se a reunião fosse para eleger um deles como o papa do piano e da composição, o carioca Nazareth levaria por unanimidade – o que incluiria o próprio voto. Ele sabia o que valia.

Até hoje, seus mais de 200 “tangos”, polcas, valsas e quadrilhas, como “Odeon”, “Fon-Fon”, “Brejeiro”, “Ouro Sobre Azul” e “Apanhei-te Cavaquinho”, ficam tão bem numa sala de concerto quanto num pianinho de parede. Nazareth não queria ser dançado, mas ouvido – e como devia doer-lhe ter sido chamado por Mario de Andrade de “anunciador do maxixe”.

Os 150 anos de seu nascimento estão sendo lembrados, mas bem ao nosso jeito: intramuros, em surdina. Se o Brasil fosse mais grato a seus heróis, Nazareth já seria biografia, filme, selo, estátua, nome de teatro e cadeira na universidade.

2 comentários em “Herói em surdina

  1. Então quer dizer que o edificio Ernesto Nazareth ao lado do vila lobos na cremação é uma homenagem a esse pianista???interessante

Deixe uma resposta