Os gargalos do clássico-rei

Por Gerson Nogueira

bol_sab_090213_11.psDefinidos os cruzamentos das semifinais, surge a forte possibilidade de ocorrerem dois clássicos Re-Pa na decisão do primeiro turno, o que deixa a torcida em clima de expectativa pela emoção dos confrontos e, ao mesmo tempo, temerosa da repetição dos problemas ocorridos da última vez.

Os graves incidentes registrados no primeiro Re-Pa do campeonato, há duas semanas, devem servir de balizamento para as providências a serem adotadas, caso os jogos se confirmem. O primeiro passo deve ser a adoção de procedimentos preventivos quanto a trânsito, acesso ao estádio, controle do estacionamento interno e segurança para o torcedor.

Promotores do Ministério Público Estadual têm se empenhado em fazer cumprir as normas do Estatuto do Torcedor, assumindo muitas vezes tarefas que fogem às suas áreas de competência, a fim de pôr ordem na bagunça generalizada. Quase nunca contam com a ajuda dos clubes e dos demais agentes diretamente interessados.

No recente Re-Pa, o mando pertencia ao Remo, mas os desmandos afetaram a todos, tendo o torcedor como vítima maior. As dificuldades de acesso ao estádio, mesmo para quem tinha ingressos, precisam ser removidas. Como já se tornou uma triste rotina, providências óbvias e simples, como a identificação dos portadores de gratuidade para idosos, são solenemente ignoradas.

A proliferação de ingressos falsificados é aceita como fato consumado. A fiscalização rigorosa nas bilheterias resolveria o problema em definitivo. No outro extremo, a prisão de cambistas que vendem esses bilhetes seria o caminho mais fácil para localizar os verdadeiros responsáveis pelo crime.

Ergue-se como principal empecilho à apuração da maracutaia o fato de que os próprios clubes fazem vista grossa e aceitam como natural a concorrência desleal e predatória da máfia dos ingressos. Nesse sentido, a conivência adquire tons de autoflagelação, visto que são os mais prejudicados na história. O descalabro é tão grande que a omissão dos dirigentes soa como aprovação à picaretagem.

Outro ponto que exige enfrentamento imediato é a assombra despesa em torno do clássico-rei. Gastos de R$ 24 mil com lanches e R$ 17 mil pelo aluguel de equipamentos de rádio sangram a margem de lucro gerada pela arrecadação do jogo. Curiosamente, os clubes não se mostram dispostos a combater esses disparates.

Talvez já seja o caso de investigar os motivos de tamanha indiferença.

———————————————————–

Reforço salgueirense

Antigo sonho de consumo dos azulinos, o meia-armador Clebson, do Salgueiro, deve ser o grande reforço para o returno do Parazão. Como o clube pernambucano caiu fora da Copa do Nordeste logo na primeira fase, o caminho ficou pavimentado para que o meia aceite a proposta dos azulinos. Habilidoso, Clebson foi um dos comandantes do Salgueiro na vitória sobre o Paissandu, na Curuzu, na Série C 2011.

———————————————————–

Patrocínio pendente

Apesar da anunciada desistência, o acordo de patrocínio entre o Remo e grupo supermercadista da cidade ainda tem alguma chance de ser salvo. Emissários importantes foram escalados para agir nos bastidores. A situação deve se definir até o fim do mês. Até lá, o time vai continuar fazendo propaganda das marcas do grupo no uniforme.

———————————————————–

Barcos por uma frota

A grande notícia da sexta-feira foi a surpreendente transação entre Palmeiras e Grêmio. Pela liberação do argentino Barcos, o Grêmio disponibilizou vários jogadores ao Verdão. O negócio, apesar da satisfação de todos os envolvidos, reforça a impressão de a nau palmeirense está à deriva. Com a Taça Libertadores pela frente, o clube não contratou reforços de qualidade e agora perdeu seu principal jogador. Nuvens negras pairam sobre o velho Palestra Itália.

Em meio à repentina transação, que envolve ainda o pagamento de R$ 4 milhões ao Palmeiras e R$ 1,3 milhão ao atleta, emerge uma pergunta marota: de onde o Grêmio tira tantos recursos para sair contratando jogadores caros e ainda construir, em tempo recorde, uma moderna arena em Porto Alegre?

———————————————————-

Bola na Torre

Já em ritmo de carnaval, o programa de amanhã vai ao ar às 23h, com apresentação de Guilherme Guerreiro e participação deste escriba baionense. O convidado é  Eduardo Ramos (Paissandu).

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste sábado, 09) 

39 comentários em “Os gargalos do clássico-rei

  1. Em todos os vossos textos(bem escritos, por sinal!) é evidente sua preferência pelo Paysandú…agora eu gostaria q o senhor fizesse o mínimo de jornalista esportivo e fosse um pouco mais imparcial em suas colocações diárias…agradeço vossa atenção! Saudações Azulinas!

  2. Caro Gérson, tanto o Grêmio quanto o Internacional faturam hoje muito dinheiro com seus sócios, além de terem patrocinadores de peso. Quanto ao estádio, existe legislação – para quem esteja mantendo regulares suas contas, ainda que com desembolsos para pagamentos de dívidas – que permite a captação de recursos privados, com as empresas abatendo do imposto devido. Foi assim, aliás, que o Criciúma conseguiu dinheiro para montar o
    time que conseguiu o acesso à série A. Fica a dica para uma reportagem a respeito.

  3. Egua ainda tem as semi finais e já estão falando em PAxre, esse clima de menospreso nós sabemos como termina… coluna infeliz!!!

  4. Já não podemos pensar em REPA como evidente, mas podemos torcer por ele. Com relação ao contrato de boca com o Lider, mostra bem como o dinheiro do clube pode ser desviado com tranquilidade.

  5. Esse episódio com grupo Lider, é vergonhoso…como se expoem a grandeza de um clube ao rídiculo, fazendo propaganda sem definição com assinatura de um contrato. Inacreditavel que ainda existe tanta barbaridade em clubes do nosso estado como este. Simplismente vergonhoso.

  6. Gerson, andei lembrando algumas coisas do passado e que tem uma repitota nessa transação e elas juntam duas figuras conhecidissimas . luxa + Brunoro..alguém recorda ..? de uma tal faculdade criada por essa dupla e que deixou muito pateta choramingando.

  7. Gerson, estive em Porto Alegre no ano passado e tive a oportunidade de visitar o estádio do Grêmio ainda em construção, e as informações tanto de jornais e pessoas que também estavam de visitas, era de que o Grêmio firmou parceria com uma construtora e o grêmio investiu poucos recursos financeiros na construção do estádio, ficando o direito de exploração do estádio pela construtora por vários anos. Gerson, será que isso tudo é como se diz pra inglês ver?

  8. Cláudio, sei que você não aprova técnicos locais, mas penso que o problema do Paragominas não era o Fran Costa, e sim, a ausência de um centroavante artilheiro para dividir com Aleilson a responsabilidade de marcar os gols. Nota-se que somente o Aleilson está fazendo gol no PFC e quando ele não faz, o time não vence. Essa troca de técnico no momento decisivo só favorecerá o Remo.

  9. Acompanho o Gerson por este blog faz anos e sei de sua preferencia clubistica, no entanto não vejo tendência em relação a clube em seus textos. Tenho parente que trabalha em radio e televisão que também tem a sua paixão clubistica e sabe administrar e conviver muito bem com esse fato.

  10. Tbém não vejo preferência clubísticas nos textos e comentários orais de GN.
    Salvo as zebras de plantão, acredito em Re-Pa nas finais, com saldo gordo, não obstantes as despesas exorbitantes, nos cofres de Remo e Psc.
    E depois que venha o Re-Fla.

  11. Caro escriba, posso tentar responder a pergunta marota??? Advogando em causa própria, claro…rs
    Afora, outros argumentos apresentados como o dinheiro arrecado pela dupla Grenal, temos:
    Salários dos jogadores cedidos: Vilson (R$ 50 mil), Rondinelly (R$ 30 mil), Leo Gago (R$ 140 mil), Leandro (R$ 100 mil) e Marcelo Moreno (R$ 340 mil). Ou seja, somados os custos deles por mês totalizavam R$ 660 mil aos cofres tricolores. Provavelmente, Barcos vai ganhar menos que isso. E ainda vai sobrar algum aí. Chutando que ele venha a ganhar 400 mil (maior salário do Imortal Tricolor atualmente), em um ano o Grêmio ainda economiza R$ 3,1 milhões. Antecipando os valores de compra, ele praticamente já estaria pago.
    Abraço!
    OBS: Olímpico dava alto custo de manutenção, a Arena vai gerar receita!!!

  12. Não vejo aqui por parte do ilustre escriba preferência por este ou aquele clube, pelo contrário gosto bastante da forma como escreve seus textos com bastante sutileza e objetividade.
    Quanto aos dois grandes decidirem o primeiro turno só depende dos dois, não acredito na força do interior principalmente porque os dois da capital não querem perder a chance de galgar um lugar ao sol (Copa do Brasil, 2014) o mais rápido possível.
    Como disse só dependerá do desempenho das equipes como é óbvio!, isto é, para mim não teremos surpresa nesta final, doa a quem doer!

  13. atenção diretoria do paissandu, arrumem outro patrocinador ok , deixem o REMO com o lider , egua a inveja foi tão grande que eles até melaram a negociação com o guupo LIDER , vão atras de meio a meio , sardina gomes da costa , etc… corram atras de outros patrocinios vcs não são de serie B ? Agora só querem pegar carona com o REMO , antes era o novo mundo ai vcs se metem e não dá certo agora o grupo lider , deixem a o REMO e corram atras d e outros patrocionios , é por isso que tem um fabricante de carro que vai patrocinar o REMO no jogo contra o FLAMENGO e esta sendo guardado as sete chaves , se não eles vão querer tambem.

  14. É a maior burrice essa de ter que patrorcinar os 2 titãs! e se vc não sabe foi o Vandick que rejeitou essa proposta da Lider pois era 140.000 para estampar 04 empresas…

  15. Miguel,esses inconformados,chorões,ciumentos e meninos do ,buchão,sempre existirão..Querem que o Gerson chame esse time que vem dando certo,de seleção ? Isso é brincadeira.Todo mundo está vendo,que o azulino está levando largura e sorte.Joga mal e vence.Isso aconteceu contra o principal rival,contra o São Francisco,onde outra vez foi dominado,fora outros que o espaço não me permite evidenciar.Acho que também,como já mencionei em outros comentários,é carência,necessidade de colo.Esse tipo de manifestação, mostra que ainda não estão preparados para uma nova edição do “Vale a pena ver de novo”

  16. Adriano, ou você é louco, ou não acompanha o futebol paraense. Dizer que o Paysandu pega carona do teu clube para conseguir patrocínio, é uma afirmação graciosa. Não sei se você sabe ou lembra, mas em 2003, quando o Paysandu disputou a Libertadores, o Governo do Estado, criou um patrocínio com o slogan “PARÁ A OBRA PRIMA DA AMAZÔNIA”, para ser mostrado pelo Paysandu aos países onde fosse disputar seus jogos e, por tabela, mostrar a todos os lugares onde chegasse as transmissões da TV. Me responda, qual clube do Pará foi na aba do Paysandu e ganhou uma pontinha ? Não esqueça também da rede de farmácia, de uma família tradiconal bicolor, que tabem patrocina o teu clube. Para de viajar na maionese, e curte os dois meses que restam de vida para o teu clube. Depois disso, patrocínio só mesmo do RM (Raimundo Marreteiro).

  17. Falou Gil,assino e assassino em baixo se for o caso.Uma das inúmeras ,não virtudes desses torcedores desesperados,é não reconhecer os grandes méritos do Paysandú.São ou se fazem de irracionais e chegam até a total ignorância. Não aceitam as belas campanhas do Bi campeonato brasileiro,chegando a comprometer juízes,como cúmplices de favorecimento.Citam o Título de Campeão dos Campeões como coisa insignificante,quando todos sabemos que a maioria dos participantes era de primeira divisão. A única coisa que reconhecem é um tabu,onde maioria dos resultados foi empate. Sempre digo,:Isso é desespero de causa..Querem se agarrar em bases não sólidas,para diminuir o rosário de insucessos que cerca a longa trajetória de suas vidas .

  18. Cláudio,se essa notícia sobre o Patrocínio master da Tim se confirmar,será um fato salutar da nova diretoria do Paysandu,pois sem dinheiro,não se faz nada,e ajudará e muito o clube.

  19. Eu acredito e muito na seriedade do trabalho da nova diretoria do Papão que jamais irá fazer contratos de boca colocando a imagem de quem quer que seja sem assinar e registrar um contrato em cartório. Se a TIM for o Master do Papão é um grande salto à nível de arrecadação financeira para o Papão!

  20. Outra coisa ficar discutindo certos assuntos com a torcida do adversário caros amigos bicolores é chover no molhado a paixão deles os cega enquanto que a nossa razão nos faz ver o que de fato os números, os títulos e a nossa história regional, nacional e internacional faz desmontar qualquer que seja o argumento que os torcedores azulinos queiram levantar. E como o amigo disse eles se agarram em 33 jogos onde a maior parte foi de empates isso é bem típico dos sofredores da glória e do triunfo! A verdade dói mas liberta e se um dia eles tiverem pelo menos a metade dos nossos títulos nacionais e representar o Brasil em uma competição internacional e fazer NOME não lero-lero, eles podem vir a discutir alguma coisa sobre feitos na história do futebol do Brasil, o resto e papo de botequim!

  21. Sobre o grupo de farmácia, não há Maria vaia com a outra, o motivo básico do capitalismo é o lucro. Os donos são bicolores, mas acima de tudo, são endinheirado por serem empresários, e por isso buscam incessantemente toda e qualquer oportunidade de ganhos. E patrocinar o Clube do Remo, significa exatamente isso. LUCRO.

    Quanto ao slogan forjado pelo “Governo” do meu amado Pará, eu não sabia que o Paysandu foi usado para propagar uma monstruosa mentira. Sim, mentira, porque por tudo que envolve o Pará, dizer “PARÁ OBRA PRIMA DA AMAZÔNIA”, é assassinar a inteligência alheia.

    Venderam gato por lebre aos argentinos, talvez eles não tenham nem saído dos apartamentos para perceber que de obra prima, o Pará, não tem nada. Resultado. Tiveram que passear sobre o Paysandu justamente no palco de maior emoção coletiva paraense, o Mangueirão.

    Se é chover no molhado, alguns confrontos de assuntos com azulinos, isso fica por conta de quem a define dessa forma. Mas não podem negar que o “papo de botequim” acerta quase sempre a costela de vários bicolores.
    Se o arquivo do Clube do Remo não mais me interessa, imaginem o do Paysandu, mas quero dizer, que respeito plenamente aqueles que pensam contrário ( os saudosistas!). A vida segue e procuro viver cada dia melhor que o outro, não arrasto comigo, evento do dia anterior ao posteior. NUVEM PASSAGEIRA.

  22. Esses donos dessa rede de farmácias são muito bonzinhos mesmo, pois, apesar de serem bicolores (cujas cores são iguais às da bandeira uruguaia), estão sempre dispostos a ajudar o Clube do Remo, tudo em nome dos desportos paraenses e da política da boa vizinhança.
    Oh gente boa!

Deixe uma resposta