Roquinaldo, um exemplo de ascensão

Por Lucas Ferraz (da Folha de S. Paulo)

Se você comentar com Roquinaldo Ferreira o ineditismo de sua trajetória para os padrões brasileiros, ele vai concordar, embora relutante. Se você constatar então que ele é o primeiro brasileiro negro do andar de baixo a chegar tão longe na elite da academia americana, o professor ficará resignado, fará ponderações e, em seguida, explicará a modéstia: “Não quero dramatizar a minha vida”. Filho de um cabo da Marinha e de uma empregada doméstica, o mais velho de três irmãos criados em Ramos, bairro pobre da zona norte do Rio de Janeiro, Roquinaldo Ferreira, 45, é um dos mais destacados africanistas de sua geração. Colheu seus louros acadêmicos e intelectuais nos EUA, na África e na Europa.

13011803No Brasil, onde seu nome não é tão difundido, ele sempre estudou em escolas públicas. Serviu-se de bolsas do governo para se graduar, fazer mestrado e doutorado, quando obteve o título de PhD em história, com ênfase na África Central, pela Universidade da Califórnia. Sem conseguir se estabelecer no país natal, Roquinaldo construiu uma bem-sucedida carreira no exterior. Professor da Universidade da Virgínia, nos EUA, é também professor-visitante da Universidade de Genebra.

Neste semestre, ele assume a Vasco da Gama Chair, espécie de cátedra nos departamentos de história e de estudos luso-brasileiros da Universidade Brown, uma das oito universidades da Ivy League, sigla conhecida pela excelência e pelo elitismo social (também integram o grupo Harvard, Yale, Princeton, Columbia, Dartmouth College, Cornell e Universidade da Pennsylvania).

Foram mais de 15 meses de processo seletivo –que incluiu avaliação de seus ensaios e artigos, de sua atitude em sala de aula e até de seu comportamento social. Ele ficará responsável por quatro disciplinas: história de Portugal moderno, história do Império Português e a relação com Brasil e África, o tráfico de escravos entre Brasil e África e Brasil Colonial. Apesar das reticências de Roquinaldo, é fato: nunca antes um acadêmico brasileiro que não tivesse suas origens na elite havia galgado degrau tão alto na Ivy League.

TRADIÇÃO

“Ele vem de uma tradição ampla. Ao contrário dos americanos que estudam a África, ele incorpora a história do império português e do Brasil no contexto africano, o que é muito diferente”, comenta o historiador Luiz Felipe de Alencastro, professor de História do Brasil na Universidade Sorbonne, na França. Alencastro assinou uma das 12 cartas de recomendação que a Universidade Brown recebeu de diferentes partes sobre o brasileiro. Em toda a sua trajetória intelectual, Roquinaldo sempre focou a questão da “transnacionalidade”. Esse é o cerne de sua atuação como africanista e, de certa forma, o que o ajudou a se destacar no meio acadêmico mundial.

O brasileiro é um defensor do que chama de “história atlântica”, narrativa conjunta das colônias portuguesas, o que une o Brasil e a África Negra. Ele mostra como a colonização portuguesa desaguou num sistema único de exploração colonial no Atlântico Sul, criando laços e relações em todos os tipos de atividades nos territórios americanos e africanos.

No final da década de 1990, Roquinaldo iniciou um trabalho sobre a escravidão em Angola realizando pesquisas nos arquivos do país. A empreitada continuou na década seguinte e foi complementada no Brasil e em Portugal. O mote da integração cultural está presente em seu primeiro livro, “Cross-Cultural Exchange in the Atlantic World: Angola and Brazil during the Era of the Slave Trade” (intercâmbio cultural no mundo atlântico: Angola e Brasil durante a era do comércio de escravos), publicado no ano passado nos EUA “”ainda não há edição brasileira.

SIMPÓSIO

Estive com Roquinaldo em meados de outubro em Providence, capital de Rhode Island, o menor dos 50 Estados americanos. Com pouco mais de 100 mil habitantes, a cidade de casas vitorianas e imponentes prédios históricos onde se situa a Universidade Brown é uma das mais antigas do país, fundada ainda durante a instalação das 13 colônias. O local foi um dos mais importantes centros industriais no século 19. Roquinaldo esteve na cidade para participar de um simpósio sobre estudos portugueses no contexto global –ao lado de colegas lusitanos, americanos e brasileiros.

“Tudo o que faço tem essa perspectiva transnacional, e isso quebra a receita tradicional do império português”, afirmou ele. “Essas relações transnacionais são algo que se faz pouco na academia.” O historiador acredita que sua ida para Brown reflete também a força geopolítica do Brasil, cujo interesse tem aumentado nas universidades americanas – seja como objeto de estudo ou pelo número de alunos e professores.

Para Brown, o significado da presença de Roquinaldo não será menor: a universidade, fundada por irmãos que estiveram envolvidos no comércio de escravos na costa leste americana no século 18, terá pela primeira vez em seus quadros um brasileiro negro, nascido em Salvador (o país e sua primeira capital concentram a maior população negra fora da África), lecionando e interpretando o tráfico de escravos entre terras atlânticas.

EXPOSIÇÃO

Tímido, esbelto, com não mais de 1,70 m, cabelo raspado a máquina e óculos de grau, o professor Roquinaldo Ferreira se incomodou ao passar três dias na companhia de um jornalista. Ele não gosta de exposição e não quer, como disse, se transformar em um intelectual com voz pública. Neste ano, ele deve continuar em uma espécie de “arranjo transatlântico”, como define sua relação com a família. Ele divide seu tempo entre os EUA (onde passa, com idas e vindas, sete meses por ano) e a cidade francesa de Ferney-Voltaire, a 30 minutos de carro do centro de Genebra, onde a mulher – uma americana que trabalha na ONU – vive com o filho de sete anos do casal.

Vai ao Brasil ao menos uma vez por ano. Entre 2004 e 2005, quando ele e a mulher moraram no Rio, o historiador queria dar aulas em alguma grande universidade brasileira. Foi reprovado no teste que fez para a Unicamp, não conseguiu outra vaga e a tentativa de retornar ao país se frustrou.

A família de Roquinaldo Ferreira se estabeleceu no Rio no final dos anos 60. O interesse pela leitura chegou a ele na Escola Municipal Berlim, que ainda funciona no mesmo endereço, no bairro de Ramos. Para compensar a falta de biblioteca, a professora levava livros de outros colégios. Na sexta série, caiu em suas mãos um exemplar de “Cem Anos de Solidão”, clássico do colombiano Gabriel García Márquez. “Ali tudo mudou. Aquelas imagens me levaram para um outro mundo”, recorda.

O realismo mágico e o gosto pela leitura o levaram à história. À universidade ele só pôde ingressar após obter uma bolsa do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, agência do Ministério de Ciência e Tecnologia). Naquela altura sem o pai, que tinha morrido, estudar era um luxo para a família. “Minha ascensão tem muito a ver com a oportunidade com as bolsas”, conta.

Durante o mestrado na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a mesma onde havia se graduado, começou a atuar como pesquisador do Centro de Estudos Afro-Asiáticos, da Universidade Cândido Mendes, no Rio, experiência que considera fundamental para sua trajetória. “Me deu sofisticação cultural.” A pavimentação da carreira de africanista seguiu na Universidade da Califórnia, onde recebeu o título de doutor –novamente com bolsas do CNPq. “O ensino superior no Brasil não é meritocrático, mas pode ser um instrumento de mobilidade social”, conclui.

DE COSTA A COSTA

Da Costa Oeste à Leste, passando pelo sul e o Meio-Oeste, não importa se em pequenas, médias ou grandes universidades, há cada vez mais brasileiros estudando nos EUA, assim como no exterior de forma geral. O número de estudantes brasileiros utilizando bolsas do governo federal em países estrangeiros, como fez Roquinaldo, era no ano passado 566% maior do que em 1998, segundo números da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, ligada ao Ministério da Educação) e do CNPq. A maioria está nos EUA e França. O aumento do interesse das universidades americanas pelo Brasil se reflete também nas sucursais no Brasil: Harvard já tem seu escritório em São Paulo, e Columbia está abrindo o seu no Rio.

Além de temáticas cada vez mais distintas, há sobretudo mais dinheiro para os estudos brasileiros nos EUA. O empresário e filantropo brasileiro Jorge Paulo Lemann doou quantidades polpudas para diferentes instituições universitárias do país. A Fundação Lemann não divulga os valores, mas acadêmicos e diretores das universidades estimam as doações em mais de US$ 50 milhões.

PASSADO

Em seu novo cargo na Universidade Brown, Roquinaldo Ferreira deseja estreitar os laços com o Brasil e a atual produção acadêmica relacionada com a África. Para ele, a academia brasileira ainda não conseguiu explicar o nosso passado escravista. “As pessoas falam sobre escravos, mas é como se eles tivessem caído do céu. Como as pessoas se tornavam escravas?”, indaga.

Estávamos sentados em uma cafeteria Starbucks próxima ao campi de Brown. Roquinaldo esperava uma corretora para conhecer alguns imóveis na cidade. Perguntei o que ele via desse passado escravista na atual sociedade brasileira. “A desigualdade. A escravidão é pautada pela desigualdade. Esse é o principal reflexo, e não só no Brasil, mas em todos as sociedades escravistas das Américas. É transnacional”, resume.

4 comentários em “Roquinaldo, um exemplo de ascensão

  1. Não me aprofundo nos debates da historiografia quanto à questão africana e não conheço o trabalho do brilhante pesquisador, mas parece reatualizar o clássico debate de Sérgio Buarque e Gilberto Freyre. Passo a bola para o Daniel Malcher. De qualquer forma, excelente texto. Parabéns Gérson por compartilhar o assunto demonstrando mais uma vez a versatilidade do Blog.

  2. O que me preocupa no caso de Roquinaldo é exatamente o exemplo. O poder da discurso é tal que uma clara, nítida, insofismável até, exceção – é isso que é Roquinaldo, uma honrosa exceção – seja de tal forma adotado como modelo, um currículo de cidadão a ser seguido, que fica invertida a ordem das coisas: Roquinaldo, agora, é regra. Eu, você e os outros, exceções. Por mais extasiante que seja tal notícia – sinto-me feliz por Roquinaldo, e indubitavelmente orgulhoso compatriota – Roquinaldo é uma exceção. Com a origem pobre e com o sucesso que atingiu na carreira acadêmica, não há nenhuma outra história como a dele, fica glorificado no discurso sua capacidade. Seria normal um centroavante chamado Roquinaldo e, tivesse ele tanto destaque na mídia como jogador, haveria quem considerasse isso injusto. (Como é que um jogadorzinho de futebol ganha mais que um doutor?… No Brasil ganhar bem é pecado se você não é “doutor”). É mais ou menos assim: se ele chegou lá, é porque é capaz, se você não, é porque é incompetente. Num país onde a maioria da população ou é analfabeta ou analfabeta funcional, onde os indicadores sociais são pífios, a lição que fica é a de um brasileiro que soube aproveitar as pouquíssimas, ralas, minguadas, oportunidades que, sendo dadas a ele, foram negadas a outros. A maior parte da população não tem acesso a educação e saúde, passa a maior parte da vida excluída de participar da “sociedade”. Roquinaldo é tão exceção que subverteu uma ordem “natural” e se incluiu neste grupo de profissionais internacionais. Parabéns a ele, mas que nós tenhamos em mente que outros Roquinaldos virão se houver mais e verdadeiras oportunidades, que busquemos deixar de lado a hipocrisia e encontrar a igualdade.

Deixe uma resposta