Marin mantém “mensalinho” para Federações

José Maria Marin mantém o mesmo esquema do antecessor Ricardo Teixeira para conseguirapoio irrestrito das federações estaduais de futebol no Brasil e trabalhar tranquilamente na presidência da CBF. A acusação é feita pelo jornal O Estado de S. Paulo, que relata um “mensalinho” superior a R$ 50 mil para cada uma das entidades. De acordo com a publicação, somente o Rio Grande do Sul se recusa a receber a verba mensal fixa, que atingiu R$ 50 mil pouco antes de Teixeira renunciar e Marin tomar posse, em 8 de março. O valor tinha ficado “congelado” em R$ 30 mil por dois anos e começou com R$ 8 mil em 1993.

O “mensalinho” é descrito nos balanços como “doações” ou “repasses” e representa até 89% da receita total de uma federação, como ocorreu em Sergipe em 2011 – recebeu R$ 1,1 milhão da CBF. No ano passado, a Federação Paranaense foi quem ficou com o maior valor: R$ 1,2 milhão. Outras entidades agraciadas, como as de Alagoas, Roraima, Mato Grosso e Distrito Federal, nem registram seus balanços na internet. Já a federação no Rio Grande do Norte o publica sem mostrar receitas e despesas.

O jornal relata assembleia convocada por Ricardo Teixeira em 29 de fevereiro na qual foi anunciado o aumento do “mensalinho” fixo para R$ 50 mil. O ex-presidente ainda comunicou uma “participação nos lucros” que resultou na distribuição de R$ 100 mil para cada uma das 27 federações. O encontro ainda aprovou a mudança das eleições na CBF para antes da Copa do Mundo de 2014, evitando qualquer influência de um mau resultado da Seleção Brasileira no Mundial.

De acordo com a publicação, a garantia de manutenção da verba fez com que Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Paraná, Pará, Rio Grande do Sul e Distrito Federal se acalmassem quanto ao fortalecimento de Marco Polo Del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF) e empossado vice-presidente da Região Sudeste na CBF que ganhou até cargo na Fifa.

6 comentários em “Marin mantém “mensalinho” para Federações

  1. Pelo que constatamos a FPF com pouca representatividade na CBF deve receber um décimo desse valor.Ou seja se o presidente da FPF quisesse demonstrar força deveria recusar tal “doação”.O que é pouco provável , caso realmente a nossa Federação também esteja na folha do Marin.

    1. Os valores são iguais para todos, amigo pastor. Pelo que se deduz da notícia do Estadão, o coronel ganha rigorosamente o mesmo que os demais cartolas. Pelo simples fato de que seu voto tem o mesmo peso. O futebol local vai de mal a pior, mas a FPF segue impávida, faturando alto.

  2. é bem provavel que o data folha faça uma pesquisa nacional indicando as melhores federações do Brasil , não se espantem se á daqui aparecer entre as primeiras colocadas hem., afinal não fazer nada , ser homiça , baba ovo vale ponto na pesquisa do data folha , enfim isso tudo a nossa federação tem de sobra , enquanto isso o futebol do Para alem de seus pessimos gestores , contam com uma FPF ineficaz e 100% individual e autoritaria.
    isso é uma vergonha!!!

  3. O que será que a CBF fez ou deixou de fazer para o Estadão ter publicado esta matéria, afinal pelo que me consta são farinha do mesmo saco.

Deixe uma resposta