A moda do futebol sub-40

Por Gerson Nogueira

Caras de responsa como Jimi Hendrix e Jim Morrison levaram ao pé da letra a máxima de que roqueiros tinham que morrer antes dos 30. O futebol não pode levar isso a ferro e fogo, obviamente, mas boleiros veteranos são vistos cada vez mais com desconfiança.

Pois o Paissandu anunciou, na manhã de sexta-feira, suas novas aquisições para a disputa da Série C, recomendadas pelo técnico Givanildo Oliveira para posições carentes na equipe: Alex Gaibú, meia-armador, e Júnior Maranhão, volante.

Na ficha dos dois atletas, a tradicional fieira de times defendidos ao longo da carreira e dois traços comuns: ambos vêm do futebol nordestino e têm a mesmíssima idade, 35 anos.

Num primeiro momento, desconfiei da informação, imaginando algum engano quanto às datas de nascimento dos atletas. Fui checar com mais cuidado e constatei que a vigilante assessoria de comunicação do Papão estava certíssima, como de hábito.

Desde que Roberval Davino picou a mula e Givanildo Oliveira chegou, havia a expectativa de que o Paissandu anunciasse novos jogadores. Afinal, Givanildo assumiu e só havia recomendado um reforço (Rodrigo Fernandes) e, como se sabe, técnicos sempre recomendam contratações.

Surpreendente foi a opção por dois boleiros tão rodados. Mais ainda pelo exemplo recente do Remo, que inchou o elenco com veteranos e acabou outra vez eliminado de uma competição nacional. Com um time repleto de jogadores sub-40, os azulinos entregaram a vaga dentro de casa para o modesto Mixto, do Mato Grosso.

Imaginava-se que o infortúnio do maior rival serviria como referência para o Paissandu. Ao contrário, o clube resolveu investir justamente na chamada terceira idade do futebol. Por mais valorosos e disciplinados que Alex Gaibú e Junior Maranhão sejam – e não há razão para duvidar disso –, o fato é que a idade pesa.

O futebol, como a maioria dos esportes coletivos, é cada vez mais um campo inteiramente dominado por jovens. Na contramão dos fatos, o Paissandu ensaia movimentos conservadores quanto ao elenco. Acaba de se desfazer de Bartola, 17 anos, negociado com empresários por R$ 180 mil (segundo os dirigentes), e está prestes a fazer o mesmo com Pikachu, 18, sua maior revelação desde Charles Guerreiro.

O quadro é ainda mais preocupante porque o grupo atual conta com razoável contingente de atletas acima dos 30 anos – Marcus Vinícius, Vânderson, Pantico, Harison, Alex Willian, Ricardo Capanema, Zé Augusto, dentre outros. Experiência é virtude que não deve ser menosprezadas, mas competições como a Série C exigem força, resistência e velocidade, itens que só os mais jovens podem oferecer a um time.

Mas, diante do fato consumado, resta esperar (e rezar) que, desta vez, todas as previsões estejam erradas e os dois novos reforços queimem a língua de todos os críticos, transformando-se em peças exponenciais para futuras conquistas do Paissandu.

————————————————————–

Para o confronto deste domingo com o Fortaleza, na capital cearense, o Paissandu terá duas estreias importantes. Rodrigo Fernandes entra na ala esquerda e Moisés reassume a camisa 9. Ambos têm chances de entrar definitivamente na equipe, pois são posições que estavam à espera de ocupantes efetivos.

Pelo desenho da equipe, com três zagueiros e meio-campo congestionado, Givanildo aposta nos contra-ataques. A estratégia é válida e o esquema, cauteloso. O problema é que o adversário é um dos melhores times do grupo e pouco tropeça em casa. Um empate já seria bom resultado.

————————————————————–

O Fluminense, líder do Campeonato Brasileiro, exibe folha salarial de time europeu de primeira linha. Segundo especulações, paga mensalmente R$ 8 milhões aos seus jogadores. Graças a um patrocinador generoso, mantém o elenco mais caro do país, com salários estratosféricos.

Deco, que joga só de vez em quando, fatura mais de R$ 600 mil. O artilheiro Fred embolsa outros R$ 500 mil. Mais incrível ainda é a grana paga ao técnico Abel Oliveira, algo em torno de R$ 800 mil. E olha que Pep Guardiola não faturava nem um terço disso no fabuloso (e rico) Barcelona.

Além do descalabro óbvio que a situação revela, fica a certeza de que o Fluminense ocupa a única posição possível para um clube tão endinheirado. Com salários desse naipe, o time tem obrigação de ser campeão. Não só do Brasil, mas talvez até da galáxia.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste domingo, 16)

10 comentários em “A moda do futebol sub-40

  1. Enquanto isso o jovem Lineker é preterido pelo sangue-suga do Alex Willian, e não é relacionado nem para o banco de reservas no Paysandu. Infelizmente o Givanildo nunca foi chegado a dar oportunidades para a base. Quando a série C terminar, esses velhos todos irão embora, com os bolsos cheios ou entrarão na justiça, e os jovens ficarão para começar tudo de novo. Pobre Paysandu ! Pobre futebol paraense !

  2. Dinheiro ajuda, mas nao e tudo, vide Chelsea. A tendencia e o Corinthians ser o maior clube brasileiro e ainda vai ganhar um estadio, alem de ter um moderno CT.

  3. Nas peladas entre amigos é assim, formam-se os times equilibrando os insistentes peladeiros pra lá de 30, 40, etc… para não sobrecarregar os mais novos e o jogo ficar mais disputado. No profissional é diferente. Talvez seja pelo fator de não ter técnico, principalmente importado, nem presidente, mesmo que liso. He, he, he…..

  4. Gerson

    Mesmo sendo torcedor do tricolor das laranjeiras,também concordo com o exagero desses salários,até porque isso inflaciona o mercado.A vantagem é que quanto mais se paga mais chance de ter um time forte e competitivo,acho que o fluminense tem um bom time,é bem montado,mais deveria jogar bem melhor levando em conta os salários altos.Com uma folha dessa só ganhar o brasileiro não é suficiente.

    1. Considero que o Flu tem uma folha inflacionada artificialmente, talvez para justificar outros interesses. O tropeço de ontem mostra, porém, que o time não é tão favorito quanto eu imaginava. Se bobear, será de novo ultrapassado pelo Galo, sem esquecer que o Grêmio está chegando.

  5. Além do Ricardo Capanema, outro que ainda não passou da casa dos trinta anos, e o meia armador Alex William, ao que parece o mesmo tem 25 ou 26 anos…O resto pode ultrapassar a casa dos trintinha…kkkk

Deixe uma resposta