Paissandu apresenta Rafael Oliveira

Depois de negociar com o Remo por quase duas semanas, Rafael Oliveira preferiu optar pelo antigo clube. Na antevéspera do Natal, posou com a camisa do Paissandu, logo depois de ter assinado contrato para a temporada 2011. Depois de uma excelente participação no Ananindeua na primeira fase do Parazão, tornando-se um dos artilheiros da competição, Rafael mostra entusiasmo em vestir a camisa alviceleste outra vez. “Passei em 2008 pelo profissional do Paysandu e agora estou de volta para ajudar. Fiquei na artilharia da primeira fase com seis gols, mas nosso objetivo não foi alcançado, que era a classificação. Mas quem vive de futebol sabe disso, tem momento bom e ruim, agora é trabalhar no Paissandu, esquecer o que passou. É uma nova fase, um novo clube”, disse. (Com informações do Bola e da Rádio Clube)

5 comentários em “Paissandu apresenta Rafael Oliveira

  1. Este ano de 2011, ao que parece, vai ser tenebroso para o meu Papão. Parafraseando o título do filme, “Rafael Oliveira Superstar”? Valha-nos quem!?

    1. Daniel concordo em partes com sua colocação, porém também não posso deixar de salientar que, tanto eu quanto você, gostariamos que estivesse chegando em nosso clube jogadores de melhor qualidade técnica né amigo. O problema e, que para isso acontecer, precisa-se de dinheiro amigo, coisa que nosso clubes não dispõe, ai e que está o negócio, ai temos de nos contentar com este tipo de jogador que acabará de ser contratado, com razoavel qualidade técnica porém com um custo bem baixo.
      Outra coisa e amigo, enquanto você e outros estão querendo contratações de maior qualidade, se esquecem que temos dentro do clube um jogador do quilate do “Zé Augusto” um ícone de ruinadade pura, onde alguns desqualificados torcedores, o taxaram de ídolo, com isso o mesmo se acha o tal. Te contar em…

  2. Concordo com você, inteiramente, caro André. Nosso clube passa por uma das maiores dificuldades de sua história em muitos e amplos aspectos: na seara esportiva (tornou-se um clube onde seu futebol está fora do mercado e mal administrado, além de não conseguir sair de uma Série C); no aspecto técnico (times envelhecidos; divisões de base ao relento) e no âmbito financeiro-administrativo (não há planejamento mínimo que seja, falta estrutura para as mais básicas atividades cotidianas do clube e de seus atletas, a agremiação é mal administrada e, pior, administrada à distância, além da má versação do parco dinheiro que circula na Curuzú com contratações de bondes e outras ações perdulárias). O que não aceito, e acho a maior das incoerências, é que um jogador, que em outros tempos foi dispensado por indisciplina e deficiência técnica, aparece agora como um dos que ajudará a “salvar a pátria” e virou sinônimo de “grande investimento”.

  3. EM dois anos AQUI NO PARÁ já vi que entra ano e sai ano é td igual ,tal qual na vida civil ,o esporte e principalmente o futebol é levado sem o minimo de planejamento.ESSE JOGADOR POR EXEMPLO QUAL A RELEVANCIA ESPORTIVA TRARÁ PARA O papão?SE JÁ PASSOU POR LÁ ,EM Belém mais de uma vez e não produziu o suficiente para ajudar o time porque volta agora?Enquanto isso há tantos bons jogadores à solta esperando uma oportunidade….AH MAS SEREI LOGO XINGADO PORQUE ESTOU CRITICANDO O CLUBE…PREFEREM TAPAR OS OLHOS PARA NÃO VEREM QUE A CONTINUAR NESSA TOADA DE PLANEJAMENTO -OU A FALTA DE – O PAPÃO VAI FICAR MAIS 5 ANOS NA s-C…

  4. Aqui em Marabá ,onde estou no momento, tem pelo menos uns 2 jogadores que com salarios duas vezes menor produziriam o dobro no papão,Estão sendo sondados por times do sul e sudeste.o gambá já tá querendo um e o gremio outro…e aí em Belém sequer os dirigentes sabem que esses atletas existem.daqui há pouco estouram no sul e sudeste e os diretores ficam se lamentando com o prejuizo esportivo e financeiro…

Deixe uma resposta