Boleiros barrados no baile das urnas

Poucas vezes o eleitor-torcedor dispôs de tantas opções para escolher um candidato ligado ao esporte. Eram cinco atletas e ex-atletas concorrendo e buscando atrair o voto das torcidas de Remo e Paissandu. Zé Augusto e Landu, ainda em atividade, pareciam bem cotados, mas acabaram barrados no baile. Super Zé (PMDB) teve votação até expressiva (15.255), mas insuficiente para se garantir no time titular da Assembleia Legislativa. Landu, bombardeado pela terrível fase do Remo, capengou e não conseguiu arrancar para a vitória. Concorrendo pelo PT, foi o fona entre os boleiros: 3.052 votos. Mas papelão mesmo foi reservados aos ídolos Rei Artur, Vandick Lima e Robgol. O último buscava a reeleição pelo PTB, mas ficou pelo caminho, mesmo depois de ter contribuído bastante com o Paissandu, doando até placar eletrônico para o estádio da Curuzu. Sua votação, 11.814, ficou abaixo das expectativas. Vandick (PP) não decolou, como se esperava, apesar do trabalho social que desenvolve. Obteve 12.869 votos. Eterno ídolo azulino, Rei Artur (PV) só arranjou 3.965 votos. Acabou sendo vítima, como Landu, da fase tenebrosa do Leão sob o comando de AK, Frade & cia. O certo é que, apesar de bem votados, os candidatos ligados ao Papão perderam basicamente para a fragmentação do eleitorado. A entrada em cena de Zé da Fiel embaralhou o jogo, dividiu a votação e enfraqueceu o trio. Resultado final: todos rebaixados.

14 comentários em “Boleiros barrados no baile das urnas

  1. Todos usaram seus direitos. Votar e ser voltado. Prevaleceu o bom senso apesar de outras excrescencias. Um dia o bom senso terá amplitude maior.

  2. Ficou claro a fragmentação dos votos bicolores. Zé, Wandick e Robgol teriam mais sucesso se planejassem melhor suas escolhas, pois estava evidente que os votos seriam divididos. Cabe um Vereador, um Estadual e um Federal, bastando os mesmos sentarem pra decidir.

      1. Eu acho que o PSC perdeu e muito uma vez que o Robgol sempre mostrou interesse em ajudar o clube

  3. Quando passar existir uma preparação política para que candidados se habilitem a função, terão meu volto. Sou muito gratos a todos que ajudaram o papa títulos, mesmo lembrando que para isso foram muito bem pagos.

  4. Fonte: Globo.com
    04/10/2010 13h28 – Atualizado em 04/10/2010 16h43

    ‘Neymar do Pará’, não: Moisés chega à Vila Belmiro e renega apelido
    Reforço santista era estrela no Paysandu. Agora, chega de mansinho, tentando se firmar. Espera seguir passos de conterrâneos ilustres.

  5. Como jah afirmei, nao voto em ninguem, mas vejo que pelo menos o Wandick tem projetos sociais. Agora o que esperar de uma sociedadde que elege Flexa, Jader, Priante, Elcione, Wlad, Cassio Andrade, Alessandro Novelino, Josue Bengtson ? e por ai vai. Por favor alguem poderia me informar quais projetos, concretos, esses elementos citados tem em prol da populaçao miseravel que os elegem. Nao vale as cestas basicas, dentaduras, camisas, tijolos, cimentos… que sao distribuidos as vesperas das eleiçoes.
    Ps. ainda bateram na trave: Sefer, Ademir Andrade, Capita Vanessa e cia

    1. “população miserável que os elege…”
      é exatamente isso.
      Diria miserável, ignorante e desinformada.
      as maiores vítimas da destruição da escola pública brasileira, encabeçada por sarney, collor, jader, FHC, lula e mais um monte dessas imundícies q se reelegem aos “tubos” pelo brasil.

  6. Não passa de sentimento menor a obrigação da torcida votar em boleiros. Ninguem deve nada. Os boleiros receberam bem para prestar serviços (às vezesa mal). Entendo que para jogar futebol é preciso talento. Para o político exige-se outras qualidades. Política, politico, eleições e tudo mais é coisa séria e nem todos estão preparados. Penso assim e assim me comporto na hora do voto.

  7. Neymar não é paradigma (ainda) mas pode se-lo. Que o Moises satisfaça-se com êle mesmo acreditando nas suas potencialidades para brilhar.

Deixe uma resposta