9 comentários em “Capa do Bola, edição de domingo, 26

  1. Gerson, penso ser esse o pior momento, para o Paysandu querer pensar em quebrar tabu. Penso ser um jogo difícil e, como tal, deve ser encarado. Penso que, sendo um jogo de 180 min, o Papão tem que não deixar eles fazerem o dever de casa e, se possível, fazendo gols, para deixar para ‘matar” na curuzu. Todo Cuidado é pouco. Aliás, gostei e muito do Alexandre no lugar do Marquinhos para esse jogo, liberando o Sandro para chegar mais à frente. Penso ser por aí o caminho.

  2. kkkkkkk ofereceram 24 milhões pelo chiqueiruzu kkkkkk só quero ver os comentários kkkkkkk principalmente da mula kkkkk 24 é o número da sorte das mucuras kkk 24 milhões pelo lixão kkkkkkk é o time da piada kkkkk tabu 33, no mundo só quem tem é o Leão kkkkk a alma penada dos sites deve tá tomando o mingauzinho kkkkkk ô timinho pra gostar de um tabu kkkkk

    1. Coitado…

      Ficar sem divisão seguidamente está deixando o Paulo Cruz sem noção…

      Deve estar como os olhos esbugalhados… mirando o horizonte…vociferando coisas initeligíveis…babando…

      Chamem o samu para acudí-lo que é grave…

      Levem-no pro Anita Gerosa, lá pras bandas do Aurá…

      1. já ti falei que não falo com clone, principalmente ficha suja, vai distribuir panfleto deputado de meia tigela ! será que dá pra fazer um estádio com 24 milhões kkkkk só se for na ilha das onças kkkkk que inveja da nossa arena kkkkkk ti contar

  3. Essa “estratégia gibanista” de buscar empate nc terreno adversário, para depois “matar” em casa é lambança “fora de série”. O IDH de Melgaço assumiu essa asnice junto ao Vila Aurora. E deu no que deu !!!!!!
    O Paysandu não deve jogar para empatar em PE. Deve fazer seu jogo. Se der para quebrar o propalado tabu tanto melhor.
    Essa estótia de matar em casa já fez sucumbir muitos acovardados. O fato de jogar em casa nunca foi garantia de vitória, para ninguem. Ademais, o Código Penal não dá tantas garantias assim.

  4. O grande problema, amigo Vicente, é que vc lembrou do Giba, para postar seu comentário e, eu, lembrei do Givanildo Oliveira, que quando treinava o Paysandu, não ganhou nenhuma fora. Quando jogava fora, fazia tudo para tirar ponto do adversário e, o “matava” em casa, moral da HISTÓRIA, foi campeão brasileiro. Penso ser por aí. Não se pode generalizar as coisas, para o bem do futebol Paraense. É a minha opinião.

Deixe uma resposta