África do Sul, primeiras impressões

Dois dias de trabalho na África do Sul e ainda não houve tempo sequer de arrumar direito as malas no hotel, que fica meio longe do centro. No Centro de Imprensa, a mesma eficiência da organização interna da Fifa, que reproduz hoje os mesmos galpões e áreas de acesso aos jornalistas que tinham sido montados na Copa da Alemanha, há quatro anos. Há sempre espaço e conforto para todo mundo trabalhar e, mais que isso, alguns serviços de internet que facilitam a vida de escribas como eu. O problema é quando se sai dos domínios da Fifa para se defrontar com a realidade nua e crua da África do Sul, com seus serviços capengas e dificuldades imensas no relacionamento com os nativos. Percebe-se (posso estar enganado, mas fiquei com essa impressão) uma certa hostilidade no ar. Ainda no avião, da South African Airways, os comissários de bordo demonstravam irritação com os estrangeiros a bordo. Coisa bem diferente do temperamento brasileiro, normalmente receptivo a estrangeiros. Por ser assim, a gente estranha de imediato. Quando a coisa envolve dinheiro, tudo se complica ainda mais. O dinheiro local, que vale quatro vezes menos que o real, é fonte de alguns embaraços para visitantes. Há, ainda, aquele clima de levar vantagem em cima da ignorância de quem chega, coisa que não é privilégio sul-africano, mas que atrapalha tremendamente as coisas.

E os serviços básicos também deixam a desejar. Pegar táxi na rua, como em quase todo lugar do mundo, aqui é impossível. Aliás, não existem táxis como a gente conhece. Os carros de aluguel são contatados por telefone e podem ser divididos até por quatro pessoas, com a grana da viagem sendo acertada diretamente com o motorista. Um problema ainda mais terrível para quem precisa de notas comprovando a despesa. Para enfrentar essa dificuldade, Tomazo e eu estamos tentando contratar um motorista moçambicano, que arranha um pouco de português e conhece bem Johanesburgo. O ar de expectativa que o mundo vive em relação à Copa não existe aqui entre os sul-africanos. A grande maioria parece nem saber do torneio ou, quando muito, não dão maior importância. Parece uma festa de gringos para eles, infelizmente.

29 comentários em “África do Sul, primeiras impressões

  1. No Brasil vai ser igual ou pior, só não vamos perceber pq somos nativos, mais se coloca no lugar de um alemão, inglês, espanhol, japonês, …

    1. Acho que não conseguiremos ir tão mal assim… garanto a você que a nossa maltratada Belém, palco das escaramuças de tantos patifes, teria condições de receber melhor as pessoas no clima de animação que uma Copa exige. Anda-se pelas ruas e só se observa que a bola está prestes a rolar por causa dos painéis de propaganda e bandeiras expostas nos prédios comerciais.

  2. Tomara que as ultimas impressoes sejam melhores que as primeiras, rsrsrs……o interessante nisso tudo é que pela TV as coisas estaum as mil maravilhas….

    1. Edmundo, nada obstante já tenha assistido a vários noticiários que pintam um quadro harmonioso da Africa do Sul nestes tempos de Copa, cumpre dizer que neste exato momento em que escrevo, assisto a um documentário do Sportv2, onde estas ditas “primeiras impressões” e muito mais, estão sendo denunciadas e confirmadas.

    2. Às vezes, infelizmente, caro Ed, temos gente que prefere ver as coisas por uma ótica, digamos, mais cor de rosa. Relatei exatamente o que vi e notei entre as pessoas.

      1. Gerson e eu acredito mais em suas palavras, do que a tela do plim plim, rsrsrs…ali até o RJ não é tão violento como parece…

  3. “o interessante nisso tudo é que pela TV as coisas estaum as mil maravilhas….” Pegando emprestado uma parte do comentário do Edmundo.

    Falo para você: o que estás dizendo contradiz todas as imagens construídas pelas redes de televisão brasileira que pinta a copa como a grande festa da África.

    Nesse sentido pergunto: Gerson é assim que costuma a ser a imprensa brasileira? Pintar verdades de coisas que são apenas meias verdades?

    Pergunto a você, pois acredito na sua credibilidade e na sua descrição do atual ambiente da África do Sul.

    Abraço! Bom Trabalho!

    1. Como disse ali mais acima, Carlos, as coisas são difíceis, há muito trabalho por concluir nas ruas e nos estádios. E o mais importante: a população não está jogando junto… a TV reúne uns dois gatos pingados pra tocar vuvuzela e diz que está tudo lindo… quem dera fosse assim… Se a África do Sul for bem no começo do torneio, talvez as coisas mudem, mas é difícil. E, ao contrário da França 98 e Alemanha 2006, aqui praticamente não há torcedor de outros países. Até brasileiros e italianos, que normalmente prestigiam a Copa, são poucos por aqui.

  4. Todas essas dificuldades confirmam que a escolha da África do Sul foi política. Gerson, e as guloseimas? Dizem que até carne de zebra é servida.

    1. Por enquanto, só arriscamos um pernil de carneiro, aliás muito saboroso, servido no restaurante do Centro de Imprensa, amigo Berlli. Há muito receio de algumas doenças, como cólera, que está matando gente, principalmente em Durban.

  5. Nossa, te vi…. que legal, armou já seu bunker e tudo mais e eu daqui, pensando que vc ainda iria…. boa sorte, bom trabalho, brilhe, seja a Estrela do Pará aí na Copa… apesar de tantas dificuldades que vão encontrar por aí… é cobertura de Copa misturada com a mágica do jornalismo, a astúcia, o se virar… vc tira de letra… bjs

  6. Parabéns pelas notícias, imagino que pela diferença de fuso, a esta hora que escrevo (19:00), a equipe da Clube ja esteja dormindo, mas ficaremos sempre atentos aos seus comentários e informações, pois as coisas que você relatou certamente não estarão disponíveis em todas as redes. O Cel. Nunes tinha razão, quando falou aquelas coisas, na Copa das Confederações. Abraços bom trabalho. Falta postar uma foto do Tomazão.

      1. Edmundo, esqueceu a diferença de horário entre Belém e Joanesburgo.

  7. Gerson então o coronel tinha razão quando abriu o bocão por ocasião da Copa dos Campeões, pô! o que ele levou de esculacho não foi brincadeira. E você está dando o aval ao botão.

  8. O cel estava certo. Quanto a reacao das pessoas, deve-se a resquicios do apartheid. Os africaners (descendentes dos holandeses) estavam habituados ao poder, perdido apos Pieter Botha. A imprensa (Bobo) torna as coisas cor de rosa devido a necessidade de audiencia. E o que faz pela desmotivada F1. Ninguem da imprensa avalias condicoes tecnicas e fisicas de J Batista, reserva na Roma e futuro titular no caso de eventual contusao do craque do time. Os turistam europeus nao quiseram arriscar, por um lado, e de outro, a crise esta feita no continente. A Fifa teve que vender ingressos a precos de banana para sulafricanos. Galvao e hexagerado (com h mesmo). Por ai se ve como as coisas andam.

  9. Legal Gerson,
    com vc aí a gente tem um canal interessante com informações diretas.
    A maior dúvida q eu tenho é com relação ao que vai acontecer no dia a dia por aí, sem fotoshop.
    E vc é a pessoa certa para isso.
    Continue mandando as impressões q vc está tendo da africa do sul.
    Um grande abraço e nos mantenha informados.

  10. A torcida ai não é de futebol, certo? (como diria o canhotinha) mas como a FIFA se equivale hoje ao Vaticano em matéria de religião e a ONU em matéria de politica internacional, deve ter feito um trabalho de esclarecimento sobre essa multidão que aí esta chegando por gosta da bola rolando e que merece um tratamento parecido com o que eles dispensam aos outros esporte bretões. Pô meu, o pessoal da recepção, desde o vôo tratar com desiteresse que tá indo lá levar uma grana é barra!

  11. Gerson, diante deste quadro de dificuldades que é constatado na África, podemos afirmar que a Copa deixará melhoras, se melhorou ou é coisa momentânea?

  12. O curioso é que quando o presidente Nunes criticou as condições da África, todo mundo caiu de pau no dirigente.

  13. O curioso é que quando o presidente Nunes criticou as condições da África, todo mundo caiu de pau no dirigente. Não menos curioso é o fato de o dirigente da FPF ter aceitado o convite para ser um dos delegados da CBF no Mundial.

  14. ue gostaria de ser o motorita particolar ou ate de pezados e nao ligaria pela carga horaria sei que la nao e nada facil..

Deixe uma resposta