Sem convites, Zagallo não vai à Copa

Por Cosme Rímoli

Ninguém na história do futebol mundial ganhou tantas Copas do Mundo quanto ele. Foram duas dentro do campo como jogador: 1958 e 1962. E duas fora. Como treinador em 1970. E como coordenador em 1994. Não se esquecendo do vice-campeonato em 1998, na França, também como treinador. Mario Jorge Lobo Zagallo. Os aviões da alegria de todos os lados já começam a ser formados para acompanhar a Copa da África. Mas o maior ganhador de mundiais é convidado de ninguém. Nem CBF, nem Fifa, nem governo federal, nem do Comitê Organizador da África do Sul. Em entrevista exclusiva, Zagallo até tentou disfarçar. Mas ficou evidente a sua mágoa pelo inexplicável esquecimento. Zagallo continua lúcido e ácidos nas respostas. Não foge de nenhuma pergunta. E, sincero, diz que Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho não devem ir para a Copa da África.

Zagallo: vamos começar por esses dois jogadores. Por que o Dunga não deve levar o Ronaldo e o Gaúcho?

Olha, eu sou suspeito para falar de tanto que eu gosto do Ronaldo. Gosto dele de graça. Mas eu tenho de dizer que o problema dele é físico. Não consegue entrar em forma. Todos estão vendo a enorme dificuldade que ele tem para emagrecer. A Copa do Mundo é uma competição curta e que exige os jogadores muito bem fisicamente. Ele já teve tempo demais para entrar em forma. Tecnicamente eu só posso aplaudi-lo. Mas fisicamente ele já mostrou que não dá. O Ronaldinho Gaúcho só jogou bem mesmo no Barcelona. Com a camisa verde e amarela só decepcionou. Tem atletas que são assim. Pela minha vivência, ele não deve ser chamado. Infelizmente não merece pelo que deixou de fazer com a Seleção. E tem mais: o Dunga já está com o grupo definido.Os dois estão fora. Não tenho dúvidas.

O Brasil é o grande favorito para vencer a Copa do Mundo?

Acredito que sim. Pela maneira que a equipe está jogando e pela seriedade que o Dunga conseguiu impor à Seleção. O grupo é forte. O esquema tático é moderno. E o talento dos nossos jogadores é  superior aos adversários. Se o Brasil levar a sério, estiver concentrado, fechado, ganha o Mundial. Me perguntaram se o Brasil caiu no sorteio no grupo da morte. Morte é jogar contra a Seleção em uma Copa do Mundo…

O que aconteceu em 2006? Você e o Parreira foram bonzinhos demais e o time caiu na balada por isso perdeu a Copa?

Muito bom você me perguntar isso e dessa maneira. Quero deixar bem claro para que isso é das grandes bobagens que tivemos de ouvir quando voltamos da Copa. Vamos relembrar. Ganhamos as Eliminatórias e a Copa das Confederações. Saímos daqui até mais favoritos que a Seleção do Dunga. Por isso mesmo grandes empresas queriam ter o Brasil treinando. E pagaram caríssimo por isso. Foi assim na Suíça, em Weggis. A CBF não poderia imaginar que fosse aquela bagunça ao redor da equipe. Esse período fugiu ao nosso controle porque não era dentro da Seleção. Fizera um show ao redor da Seleção que tirou toda a concentração do time. Chegamos muito mal na Alemanha. Não foram as baladas. Os jogadores saíam nos dias de jogos, como em todas as Copas. Na de 2002 foi a mesma coisa. Isso é história besta que não tem nada a ver. Perdemos na hora do preparo final. Esse foi o nosso pecado.

Como é que o senhor está se sentindo sem convite algum para acompanhar a Copa na África? Ninguém ganhou tantas Copas como você..

Ah… (demora para responder, pensa bem as palavras)É uma sensação ruim, estranha. Mas eu compreendo. Sei como as coisas acontecem. Não estou mais trabalhando na Seleção. Me afastei. É evidente que gostaria de estar lá torcendo pelo Brasil. Eu acho que fui importante para o futebol, não fui? Mas a vida é assim, meu filho.Vai ser estranho não vou negar, mas vou ligar a televisão e torcer pelo Brasil. Aqui no nosso país é assim.Na Europa os ex-jogadores que só foram ídolos e nunca ganharam um mundial estão sendo homenageados todos os dias.A questão é cultural.Mas eu não vou pedir nada para ninguém.

Como é que você vê o abandono dos jogadores que foram campeões mundiais com a Seleção Brasileira?

É uma questão triste, que machuca. Há muitos jogadores que fizeram tanto pelo Brasil passando extrema dificuldade. Na nossa época como atleta não se ganhava tanto. Ninguém quer caridade, não. Mas foi o próprio presidente Lula que nos chamou à Brasília e prometeu uma aposentadoria e plano médico para todos. Só que até agora nada. Há jogadores dependendo da boa vontade do clube. O Botafogo está fazendo tudo pelo Nilton Santos que está muito doente. E os outros? Sinceramente, eu não gosto nem de falar nisso. É uma coisa doída, triste mesmo. Graças a Deus eu posso cuidar de mim e da minha família. Sinto pelos outros. Mas repito a você: a vida é assim. Aproveite quem estiver no auge da vida. Porque depois quando o tempo passar será duro.

Por falar em Seleção, eu entrevistei o Dario e ele o isentou no famoso caso da convocação dele para a Copa de 70. Disse que você não quis agradar o presidente general Médici…

É sempre bom falar disso. E sem medo. Nunca fui uma pessoa que agradou a ditadura, o regime militar, o presidente Médici. Trabalhei pela Seleção Brasileira. O Dario foi convocado porque eu era um artilheiro. Se eu quisesse agradar ao Médici o teria colocado como titular do time. Nem no banco o Dario ficou. Nunca na minha vida fui puxa-saco de ninguém ou estive a serviço da ditadura. É bom que as pessoas saibam disso.

Sendo sincero: o nível do futebol atual dos clubes brasileiros lhe agrada?

Olha…O Brasileiro passado foi emocionante. Clubes brigaram pelo título e para sair do rebaixamento até o final. Mas o nível não foi a melhor coisa do mundo, não. Foi o que eu vi. Gostei pelo resgaste do futebol do Rio de Janeiro. O Flamengo foi campeão, o Botafogo e o Fluminense não caíram. E o Vasco voltou da Série B. Por esse lado foi ótimo. Torço para que as equipes cariocas se estruturem para parar de passar sufoco. O Rio de Janeiro tem de estar sempre forte.

Como foi entregar a camisa 13 para o El Loco Abreu do Botafogo?

Foi uma linda homenagem. Eu fui campeão como jogador e como treinador do Botafogo. Sinceramente fiquei muito feliz com a lembrança. Torço para o El Loco ser muito feliz aqui no Brasil. É um bom jogador e ótima pessoa. Ele me tratou bem demais. Eu dei com prazer a camisa com o meu número de sorte. Mas o que me deixou mais feliz foi ter sido lembrado pela diretoria do Botafogo.

Você negociou com várias empresas, inclusive a Nike, o lançamento de sua biografia. Não deu certo. Não é uma pena, um desperdício não deixar a sua história tão rica em um livro definitivo?

Olha, eu negociei e já me aborreci com essa história de livro. Eu desisti. O que eu quero dizer a você, Cosme, é que se alguém quiser escrever algo sobre mim no futuro basta pegar os meus depoimentos que dei por aí. Principalmente na TV Globo. Eu não vou fazer livro algum. Deixa assim. Tudo está muito bom. Tive uma vida linda de muitas vitórias no futebol. O importante é que eu passei por tudo isso. Sou grato demais a Deus pelo que vivi e o que estou vivendo…

Não sou fã das atitudes do Velho Lobo como técnico (iniciou os esquemas de uso da Seleção para vender jogador no exterior, adotou postura sempre defensivista nas escalações e, acima de tudo, sacaneou cruelmente o nosso Giovanni na Copa de 1998), mas é inegável que se trata de um vencedor e não deveria ser esquecido dessa forma, principalmente pela CBF, a quem sempre foi extremamente fiel.

17 comentários em “Sem convites, Zagallo não vai à Copa

  1. Realmente, Zagallo continua o mesmo. O mesmo arrogante de sempre. O mesmo boçal de sempre. O disco não mudou: o talento dos brasileiros é superior aos adversários. Bah! Muda o disco, pissiqueiro!
    Quanto ao Ronaldinho Gaúcho: em 2002 foi fundamental para o penta. No joga mais difícil daquela Copa, o Gaúcho detonou. Fez aquele gol louco de falta e deu um presente para o Rivaldo (este foi o maior jogador daquela Copa) marcar o outro. E ele fala dos problemas físicos do Ronaldo Gorducho… com 4 anos de atraso. Ele e Parreira levaram um Ronaldo obeso. Um Adriano inchado de birita. Um Cafu detonado pela velhice. Um Roberto Carlos embriagado pela empáfia.
    Zagallo tem 4 títulos mundiais. Por mérito dos outros… É o Forrest Gump do futebol.

    1. Bela análise do “velho_bôbo_ancião_zagallo”.
      Ele se acha o máximo dos máximos, o insuperável.
      Na verdade é apenas o Rei das Vaidades.
      E para piorar, é eterno puxa-saco da RedeGlobo, já que a empatia é recíproca.

  2. Só pra esclarecer os 4 títulos do Pissiqueiro:
    1958 – Didi, Pelé, Garrincha, Nilton Santos, Zito… Se colocassem o Zé Augusto na ponta esquerda o resultado seria o mesmo.
    1962 – Com o Garrincha encacetado foi fácil. E tinha o Amarildo muito bem. Mais Vavá, Didi, Coutinho… Só fraco.
    1970 – Gerson, Tostão, Jairzinho, Rivelino e o Negão jogando o fino. Acho que o Sinomar levava o caneco também (ou não Cláudio? Hehehe)
    1994 – Coordenado-técnico? Como diz o pensador Neto: “Tá de brincadeira, né?”
    É apenas uma opinião. Espero que o pessoal não caia matando…
    Sou mais o Telê!

    1. Penso do mesmíssimo jeito, Matheus. Sempre achei que as conquistas de Zagallo são superdimensionadas. Em 58, até eu na meiúca seria campeão do mundo. Em 62, Garrincha fez todo o trabalho – nem Pelé fez falta. Em 70, também acho que o nosso Cláudio levantaria a taça com aquelas feras todas. E 94 foi o que foi, e ainda assim ganhamos nos penais (com Baggio errando feio, como nunca mais aconteceria na vida…). Assim… como diria o Anaice, até eu. E o episódio em que ele humilhou, aos gritos, o nosso Giovanni no intervalo do jogo entre Brasil e Escócia, na abertura da Copa 98, foi uma das coisas mais nojentas do futebol brasileiro moderno. Queria pôr a culpa no paraense por uma orientação que ele havia dado, para que voltasse para marcar, contrariando suas características. Como Giovanni é um sujeito decente, civilizado, nunca comentou a respeito. Mas quem esteve lá, cobrindo aquela Copa, sabe de toda a história suja. E que teve a mãozinha ($$$) de Gavião Bueno, que não engolia a presença do paraense no escrete, porque este simplesmente não fechou contrato “de marketing” com sua empresa. Vou te contar…

      1. Então tá explicado, é por isso que ele está aí… esquecido… em vida, está pagando pelo que fêz.
        Ouví de um velho sábio, o seguinte ensinamento:
        “Meu filho, disse-me ele, quando vires algum idoso, passando por situação que entendemos não ser compatível(constrangedora) mesmo sendo inimigo, não devemos vangloriarmo-nos dizendo, bem feito! no entanto, também não devemos dizer, coitado! afinal, não sabemos o que aquele cidadão aprontou, quando no auge da juventude, da capacidade laboral, na vida profissional ativa, e agora talvez esteja por aquilo, pagando.
        Entendo, que se aplica ao momento vivido pelo velho lobo; aliás, na Copa de 70, entendo que o time foi montado e preparado pelo Incorrigível, João saldanha, não o esqueçamos.

  3. Finalizando: ele é de fato o Forrest Gump. Lá na minha terra dizem que os cabras tipo o Zagallo ao engolirem uma nota de 5 Reais cagam uma de R$ 50,00.

  4. Essa do Galvão eu não sabia… Que vasilha.
    Giovani foi de fato sacaneado. Fico pensando: ele, numa Copa, nas mãos de um Felipão teria arrebentado. Até hoje não esqueço um jogo do Paysandu contra o Santos em 2005. A despedida do Robinho (o novo Denílson. Ninguém quer essa praga na Europa). O Paysandu fez 2 x 0 no primeiro tempo. E depois o Giovani atropelou o bicola. E nem pediu licença. Ele é o tipo do cara que joga sem muito esforço. Se fosse bonito e não fosse gago seria mais respeitado. Se fosse pagodeiro. Se fosse atleta de cristo. Se pegasse as marias-chuteiras. Mas, C’est La Vie.

  5. Sem esquecer que esse lobo maldito, tambem sacaneou Quarentinha, no Botafogo.

    mesmo se borrando nas Calças e ao que parece com problemas de saude e grana. nunca engoli esse enganador.

    Mas aquela velha historia de que o inferno e’ aqui mesmo..volta a se repetir.

  6. tambem não vou com a cara dele, mas uma coisa não se pode negar: o Zagallo é muito sortudo, esse é o maior mérito dele, simplesmente sempre esteve no lugar certo e na hora certa

  7. Gérson, acho que a CBF deveria sim ter um pouco mais de consideração com o Zagallo. É preciso, no entanto, repor os fatos. Os comentários feitos até aqui são pertinentes quanto às posturas do velho Lobo. Só não concordo na diminuição de seu papel como jogador. Atuou como um jogador moderno, defendendo e atacando muitas vezes como falso ponta e sabia jogar em diagonal. Já assisti filmagens de jogos das copas de 58 e 62 – principalmente daquela excelente coleção da IstoÉ lançada em 1998 – e vi as assistências de Zagallo, seus cruzamentos, ou seja, fazia numa época que o futebol era mais técnico que tático, o que muitos jogadores atuais se esforçam em fazer. Com mais musculatura, seria no futebol atual um atleta excepcional. Agora, como técnico, não tem como fugir: era recuado ao extremo, submisso sim ao regime militar, cabeça-dura e totalmente ignorante em relação à evolução do futebol. Em 1970, todo pessoal que acompanhava o Círio sabia que o time fôra definido pelo Saldanha. A alma de Saldanha estava naquela seleção de craques, da mesma forma que é de cvonhecimento público a aversão do regime ao velho comunista. Essa história do Zagallo rever agora seu passado, é igual o revisionismo sobre o Simonal. Em 1974, quando assumiu totalmente o comando técnico, foi um fiasco. Sua arrogância foi tanta que chegou a desconhecer o “carrossel holandês”. Até hoje ele está tonto. Em 1998, outros fiasco como técnico, com suas alopragens supersticiosas que deu origem ao obscuro esquema “Número 1”, para agradar a Brahma. Portanto, a César o que é de César…

  8. Quando aqui esteve no Paissandu, C. A. Torres condeu-nos entrevista (a mim e ao Valmir Rodrigues) afirmando, entre outras, que Zagalo mudou para melhor, a seleçao deixada por Saldanha. Reconheceu publicamente os méritos do “seu lobo”.
    Lembrou que em 82 e 86 tivemos extraordinárias seleções, de gente nova, e voltamos apenas com o título de “campeao moral”.
    O “velho” pode ser idiossincratico, mas ao seu tempo, conhecia do riscado.

    1. Amigo Tavernard,
      Não tenho dúvida quanto ao conhecimento técnico de Zagallo. Refiro-me a atitudes pouco edificantes, criando problemas com colegas (Quarentinha) e sendo extremamente injusto com o nosso Giovanni. A história, em detalhes, sobre o que ocorreu na Copa de 1998 naquele vestiário da Seleção ainda merece ser contada. Espero que o Giovanni aceite um dia falar a respeito. Mas o que sei é que a cena deixou até Zico indignado – foi do Galinho a pressão para que o paraense fosse convocado. Lembro, por outro lado, de uma entrevista de Mestre Zizinho à ESPN, na qual o craque de 50 fez um gracejo com os entrevistadores dizendo que avisara Luxemburgo quanto a Zagallo. Luxa, então técnico do escrete, quis saber o motivo do alerta: “Zagallo está sempre a fim do cargo de alguém, principalmente na Seleção…”, disse Mestre Ziza. Na época, o Velho Lobo havia acabado de passar pela Portuguesa e os paulistas estavam empolgados com ele. Zizinho comentou: “Vocês ressuscitaram o homem, no Rio ele não tinha mais vez…”. Fiquei impressionado porque Zizinho era um homem pacífico, que só tinha elogios para todo mundo.

  9. Ñão sei porque insistem em dizer que a seleção de 70 foi formada pelo Saldanha. Lembrem-se que no time de Saldanha o goleiro era Ado, um dos zagueiros era Joel Camargo e na lateral-esquerda jogava o Marco Antonio. O Dirceu Lopes era titular assim como o Rogério barrava o Jairzinho e Pelé ficaria no banco. Meio time foi trocado e ainda assim foi o João quem armou? Sem mágoas!!!

  10. Na verdade o convite seria para ele ir junto com a delegação e gozar das deferências que a esta são concedidas. Quanto a ir à copa por uma emissora de Tv, por exemplo, acho que deverá interessar aos paises que farão transmissão da Copa ter um convidado com os títulos que tem o Zagalo (o Garrincha foi convidado por uma Tv Italiana ). Quando às críticas dicotômicas sobre o que fez, são os ônus de quem se expôs ao julgamento porque preferiu a ação.

  11. Sou botafoguense. Mas, não seja por isso.. O velho Zagallo, conhece do metier. Sem ofensas, deixemo-lo em paz. O que ele fez pela Seleção, nada mais foi que sua obrigação, temperado com amor e, logico, algum din-din. Ele, sabe, que agora é a hora de sair de cena. Em 10.01.10, Marabá-PA.

Deixe uma resposta