Quando o cliente não vale nada

Um dos mais infelizes comerciais da TV brasileira nos últimos tempos é, sem dúvida, o da Caixa Econômica Federal – famosa por outros micos do gênero. Desta vez, tentando pegar carona oportunista num hit musical (o tema de Norminha na novela Caminho das Índias), o banco tenta vender pela enésima vez a falácia de que oferece crédito fácil ao grande público – quando é, ironicamente, a instituição financeira nacional mais burocrática e inacessível às classes mais modestas.

Desta vez, deu um tiro no próprio pé. O problema é que a peça acaba por se voltar contra o produto: enquanto a letra da música repete “você não vale nada, mas eu gosto de você”, o anúncio segue mostrando atores no papel de clientes da CEF. Piada involuntária ou um súbito acesso de sinceridade institucional? Vá saber…

O assombroso é que um comercial tão mal feito e sem sentido lógico tenha sido aprovado por diretores de um banco estatal, torrando dinheiro que – vá lá – também nos pertence.

11 comentários em “Quando o cliente não vale nada

  1. Gerson: encaminhei sua pertinente nota sobre o comercial da Caixa Econômica Federal ao Supervisor de Fiscalização do Banco Central, daquela instituição aqui em São Paulo. Lhe manterei informado sobre as providências.
    Abração do compadre W. Marinho.

    1. Obrigado, compadre. Arranje um tempo para assistir a destrambelhada peça publicitária. Vai constatar que é um atentado ao mau gosto e soa como deboche à clientela do banco. Um absurdo.

  2. ACHO QUE A TORCIDA DO BICHO FEIO DEPOIS DA LAMBADA LA NO CEARA 6X1 DO ICASA,APRENDEU DIREITINHO A LETRA DA MUSICA,AINDA MAIS COM O EMBALO DA NOVELA…VC NÃO VALE NADA MAIS EU GOSTO DE VC…BICHO FEIO KKKKKKKKKKKK

  3. E aquele comercial das Havaianas em que a vó manda a neta arranjar um cara bonitão só para fazer sexo??? É muito não ter noção sobre os problemas que nos cercam!

Deixe uma resposta