Tempos difíceis no Flu

Por Bernardo Pombo, do Rio

O Fluminense viveu um dia tenso nesta quinta-feira. Após declarar que o clube já pensava no planejamento para a Série B do ano que vem mesmo ainda com 16 jogos pela frente na Série A, o vice de futebol Tote Menezes foi afastado do cargo que ocupava desde 2005 em reunião com o presidente Roberto Horcades. O empresário Ricardo Tenório assumiu a função.
Devido ao atraso de três meses de salários, professores das escolinhas de natação, futsal e vôlei fizeram uma paralisação de 24 horas numa tentativa de alertar os sócios para o drama vivido por todos os funcionários. Dos jogadores de futebol com altos rendimentos até o pessoal de portaria, ninguém vê a cor do dinheiro há, aproximadamente, 90 dias. 

O site do Globo esteve no clube na manhã desta quinta e presenciou cenas incomuns. Na portaria, babás tentavam explicar aos pais das crianças, por telefone, os motivos pelos quais as aulas foram suspensas. “Disseram que pararam e voltam amanhã (sexta)”, dizia uma delas. Os funcionários ameaçam fazer greve. A paralisação desta quinta-feira é uma prova de que eles estão dispostos a parar até o salário ser pago.

4 comentários em “Tempos difíceis no Flu

  1. Gerson, Temos que criar leis que punam esses administradores incompetentes, penso eu que seus bens pessoais deveriam ser penhorados para quitar essas dívidas. Isso é pra que nós torcedores, principalmente de Remo e Paysandu, termos ciência, de que, quando não se tem dinheiro para formar grandes times, a saída é contratar um técnico de peso e com conhecimento de montagem e conjunto de um elenco e deixar que ele monte esse time com Jogadores Locais, fazendo poucas contratações de fora, aí sobra dinheiro para se pagar a todos e deixando tudo em dias. No futebol, se vc não tem condições de contratar, um ou mais jogadores de grande porte, a saída é essa.
    Uma pergunta, se o Flu tivesse contratado o Dorival Júnior, com bastante antecedência, com um elenco modesto, mas pagando tudo em dias, estaria nessa situação? Duvido.

  2. O Fluminense finalmente vai voltar para o lugar de onde nunca deveria ter saído que é a segunda divião.

    Tem que cair e subir jogando e não entrar pela janela como aconteceu em 2000 graças a Copa João Havelange.

  3. Essa demissão do Tote Menezes me faz achar que este é o primeiro passo para a reorganização do grande Flu. Aquele time vencedor de antes da década 90. Já está havendo uma movimentação para a degola do Horcades. Se isto for concretizado, certamente haverá uma injeção de ânimo nos sócios e torcedores. Pelo gigantismo de sua tradição, a reorganização será questão de tempo.

Deixe uma resposta