Como calar um cartola fanfarrão?

Do blog de Cosme Rímoli:

Paulo Autuori é um dos treinadores mais discretos do Brasil. Detesta trazer atenção desnecessária a ele e ao seu time. Ele assumiu o Grêmio depois de muita luta da diretoria. Os dirigentes insistiram como puderam para que voltasse do Oriente Médio. E lhe entregaram uma equipe montada.

O interino Marcelo Rospide seguiu a estrutura articulada por Celso Roth. Autuori não se limitou a ir pelo caminho traçado, andar pela linha pontilhada. Tratou de segurar os laterais, dar mais liberdade ofensiva para Souza e Tcheco. Valorizar mais a posse de bola. E não se deixou empolgar pelo favoritismo contra o Caracas, ontem.

Sabia que o time venezuelano sabia usar muito bem o seu estádio. Gostou do empate em 1 a 1, basta uma simples vitória no Olímpico e a semifinal da Libertadores. Tudo bem trabalhado, sutil. Estava assim.

Até que o presidente Duda Kroeff resolveu seguir com o seu marketing pessoal. Como Zagallo e seu entusiasmo ufanista, ele puxa a força os holofotes e traz desnecessária pressão ao time. Duda insiste em uma desnecessária contagem regressiva para o time ser campeão da Libertadores. Mostrando que sabe contar, o presidente mostra a mão e diz aos torcedores: ‘só faltam cinco jogos’.

Autuori coça a cabeça, finge que não percebe, não quer o confronto interno. Faz só o que pode. Proibiu os seus jogadores de entrarem na contagem regressiva. Se pudesse, o treinador daria um sonífero ao presidente. Para que ele só acordasse depois da Libertadores. Como não pode, fará ouvido de mercador.

Já percebeu que ninguém cala Duda Kroeff…

3 comentários em “Como calar um cartola fanfarrão?

  1. É horrível quando os cartolas jogam contra o próprio time, como nesse caso gremista. Luiz Omar é outro ufanista que às vezes também precisa de um sonífero.

Deixe uma resposta