Cuidado com os medalhões

Recebo da Sandra Luz o seguinte comentário, a respeito das notícias sobre contratações de peso pelo Paissandu.

Gerson, tenho escutado alguns cronistas esportivos defenderem a contratação de um “nome de peso” para o elenco do Paissandu enfrentar a Série C, que começa no próximo dia 24.

Gostaria de saber sua opinião sobre assunto porque, na minha humilde visão, tirando como referência os últimos medalhões que aqui chegaram (Fábio Baiano, Luiz Mário e Fábio Bebel Oliveira), penso que o clube deva investir em jogadores bons que queiram realmente vencer no futebol, e isso quer dizer vestir a camisa com compromisso e respeito ao pavilhão azul-celeste.

O perfil deve ser igual ao desses jogadores que estão hoje na Curuzu, profissionais que demonstram que, de fato, assimilaram o projeto bicolor de subir para a Série B e falam isso em uníssono.

 Chega de chamar pra cá jogador em final de carreira, cujo objetivo é somente alimentar seus rendimentos e, o clube subindo ou não, vai embora sem olhar pra trás.

Tenho ouvido coisas absurdas, como alguém dar como bom exemplo o fato de um time da Terceirona ter contratado o Beto Cachaça, aquele mesmo que fez nome nos clubes do Rio de Janeiro, para reforçar a equipe!

Não consigo acreditar que nem mesmo os recentes fracassos havidos por aqui foram capazes de acordar essa gente.

Sandra,

Penso como você. Se for para trazer algum medalhão, que seja alguém que resolva, fazendo gols ou liderando a equipe.

Já ouvi defesas apaixonadas da contratação de Edmundo. Só quem não acompanhou a tumultuada passagem dele pelo Figueirense pode arriscar um palpite tão infeliz.

Não há dúvida de que seria um nome capaz de alavancar a marcar do clube, mas será o custo-benefício vale a pena?

Acho que nossos dirigentes têm feito muitas bobagens nos últimos anos. No caso do Paissandu, está na hora de sossegar o facho e adotar uma política mais austera, à altura das finanças do clube.

Vejo como positivo o fato de os dirigentes atuais serem menos pirotécnicos. Neste ano, depois das lambanças com o Léo Guerra e o Fábio Quasegol, estão pelo menos ouvindo a opinião do treinador antes de trazer reforços.

4 comentários em “Cuidado com os medalhões

  1. Gerson, concordo e concordo muito com vc e com a Sandra. E tem mais, nesse mesmo bate-papo de onde surgiram essas asneiras ouviu-se falar do interesse do Sampaio no Fábio Luciano recentemente aposentado pelo Flamengo. É querer brincar com a cara do torcedor (desinformado). E tem mais, o Edmundo ganhava R$ 230.000,00 quando saiu do Vasco e pra vir pro norte não viria por menos de R$ 200.000,00 pois vcs sabem que a “distância” daqui é cláusula contratual para onerar os salários. No futebol moderno de hoje nome não ganha jogo, salvo algumas raridades. Visitem os sites de Vitória da Bahia, Barueri, Santo André, Avaí e vejam as escalações. Depois me digam se vcs conhecem algum jogador (salvo alguns poucos conhecidos por quem acompanha o futebol).

  2. Também penso que contratações “arrojadas” apenas provocam uma empolgação efêmera na torcida. Se o “badalado” da vez começar a jogar mal ou viver de “chinelinho”, a empolgação vai pelo ralo. É claro que não podemos compactuar com contratações como aquelas de 2007, quando, segundo alguns, se contratou jogadores pela internet sem averiguar a real procedência dos mesmos, e deu no que deu naquela fatídica Série C. Nossos dirigentes, infelizmente, não são ponderados. Não chegam a um meio-termo. Ou contratam pernas-de-pau desconhecidos ou “medalhões” bichados e em fim de carreira.

  3. Marcelo Maciel , a distancia aqui não é só o $$$, tambem tem a praia, he he he ….Gerson e Sandra, concordo com vcs…eu ouvi o Edson Gaucho dizendo que se depender dele, o Paisandu naum contrata jogador pra daqui seis meses ele entrar na justiça reclamando de salarios, etcetc..vs ver neh ? Sds, Edmundo Neves..

    1. Isso. Romário inventava contusão, cavava cartão para não vir jogar no Norte. Disse isso em várias entrevistas. Pro Animal não deve ser diferente.

Deixe uma resposta