Flórida, EUA: Paraíso dos criminosos e inimigos da democracia

Por Felipe Machado, na IstoÉ

Não foi à toa que Jair Bolsonaro fugiu para Orlando, na Flórida.

O estado norte-americano é conhecido por suas praias, por seus parques temáticos e por seus centros de compras na capital, Miami. É também famoso por outra razão, bem mais vergonhosa: há décadas é refúgio de criminosos foragidos e inimigos da democracia que buscam se esconder da justiça de seus países. Assim como a América do Sul foi o destino favorito dos nazistas após a derrota na Segunda Guerra, a Flórida abrigou a escória da segunda metade do século 20.

Em 1933, o general Gerardo Machado, deposto como ditador de Cuba, voou para a Flórida com sete malas de ouro e se exilou em Miami. Décadas depois, em 1959, foi a vez de outro ditador cubano: Fulgêncio Batista, expulso pela revolução de Fidel Castro, escapou da prisão e se escondeu em Jacksonville, no norte do estado, quase na divisa com a Geórgia.

Mais recentemente, em 1990, o ditador Prosper Avril fugiu do massacre no país que governava, o paupérrimo Haiti, e pegou carona em um jato da força aérea americana para curtir a vida mansa no exílio, com toda a fortuna que roubou da população, na sua nababesca mansão em Boca Ratón.

Três anos depois foi a vez do presidente boliviano Gonzalo Sanchez de Lozda: para não encarar os protestos em La Paz, fez o que muitos criminosos sulamericanos fazem: pegou um voo para Miami.

Carlos Andrés Pérez, duas vezes presidente da Venezuela, também mudou-se para Miami em um auto-exílio antes de sua morte, em 2010. Outro líder venezuelano, Marcos Peréz Jiménez, viveu em Miami entre 1958 e 1963, depois de ter sido deposto.

Depois de deixar a presidência do Panamá, em 2014, o presidente Ricardo Martinelli não chegou a fugir para Coral Gables, perto de Miami. Fica a dúvida sobre como, com seu salário de presidente de um país do Caribe, ele conseguiu comprar uma singela mansão no valor de oito milhões de dólares.

Isso tudo sem contar um norte-americano, que fugiu de Nova York para lá: o ex-presidente Donald Trump mantém uma espécie de capital da extrema-direita em seu resort em Mar-a-Lago, em Palm Beach.

Por coincidência, o ex-ministro da Justiça de Bolsonaro, Anderson Torres, foi passar as férias em Orlando, pertinho do presidente. As algemas da Justiça esperam a volta de Torres – e, em breve, de seu ex-chefe.

Eles se recusam a viver juntos: o sentido do golpe demente

Por Leonardo Boff

São muitas as interrogações que o golpe frustrado de 8 de janeiro em Brasília suscita. Estarrecidos, nos perguntamos como podemos ter chegado a esse nível de barbárie a ponto de destruir os símbolos do governo de uma nação: os três poderes, o executivo, o legislativo e o judiciário? Isso não acontece por acaso. É consequência de fatores histórico-sociais anteriores que se materializaram na vandalização dos três palácios.
Filosoficamente podemos dizer que a dimensão de demens (demência, excesso, ausência da justa medida) sufocou a outra dimensão de sapiens (de racionalidade, de equilíbrio) que sempre a acompanha, pois esta é a condição humana. Ocorre que o demens prevaleceu sobre o sapiens e inundou a consciência de numerosos grupos humanos.
Tal fato mostra o lado perverso da cordialidade descrita por Sérgio Buarque de Holanda quando em Raízes do Brasil(1936) fala do brasileiro como homem cordial. A maioria dos analistas esquece a nota de rodapé que o autor faz ao explicar que cordialidade vem de coração. Neste coração há bondade, bem-querença, hospitalidade. Mas há também ódio, maldade e violência. Ambos tem sua sede no coração dos brasileiros.
O povo brasileiro mostrou a cordialidade nestas duas dimensões, a luminosa e a tenebrosa. Em Brasília desceu o espírito da demência pura, sem qualquer laivo de racionalidade, destruindo os órgãos que representavam a democracia e a república.
Por que irrompeu a demência? Ela é fruto de uma história demente que começou com o genocídio dos povos originários, se implantou a colônia, como uma feitoria, um empresa para fazer dinheiro e não para fundar uma nação. Agravou-se desmedidamente pelos 300 anos de escravismo quando pessoas arrancadas de África foram aqui feitas coisas, animais para o trabalho, escravos submetidos a todo tipo de exploração e violência a ponto que a idade média deles, segundo Darcy Ribeiro, não passar da 22 anos tal era a brutalidade que sofriam. A abolição os jogou ao deus-dará, na rua e na favela sem qualquer compensação. Essa dívida clama aos céus até os dias de hoje.
Terminada a colonização, o povo brasileiro, no dizer do grande historiador mulato Capistrano de Abreu, foi “capado e recapado, sangrado e resangrado”. Essa lógica não foi abolida pois está presente nos 30 milhões de famintos, nos 110 milhões com insuficiência alimentar e com mais da metade de nossa população (54% de ascendência africana) pobre vivendo nas periferias das cidades, nas favelas e em condições desumanas.
Os donos do poder, “a elite do atraso”como a denomina pertinentemente Jessé Souza, sempre controlaram o poder político mesmo nas várias fases da república e nos poucos períodos de democracia representativa. As classes endinheiradas, fizeram entre si a política de conciliação, jamais de reformas e de inclusão. Logicamente se construíram várias constituições, mas quando foi que elas regularam e limitaram a ganância dos poderosos?
O nosso capitalismo é um dos mais selvagens do mundo, a ponto de Chomsky dizer::”O Brasil é uma espécie de caso especial; raramente vi um país onde elementos da elite têm tanto desprezo e ódio pelos pobres e pelo povo trabalhador”. Ele nunca se deixou civilizar. Mal houve luta de classes porque eles com violência (secundada pelo braço militar) a esmagou impiedosamente.
Tivemos e temos democracia, mas sempre foi frágil e foi e é continuamente ameaçada, como se viu no vários golpes, contra Vargas, Jango, Dilma Rousseff e no dia 8 de janeiro do corrente ano. Mas ela sempre ressurgiu.
Tudo isso deve ser tomado em consideração para termos um quadro que nos faz entender o recente golpe demente e frustrado. Vale a observação de Veríssimo num twitter: o antipetismo não é de agora, o anti-povo está no DNA da classe dominante. Ela nunca permitiu que alguém vindo do andar de baixo, subisse a outro, ocupando o centro do poder, como ocorreu com Lula/Dilma e novamente com Lula em 2023. Fez-lhe todo tipo de oposição e manobras golpistas, apoiadas pelo braço ideológico da grande imprensa corporativa.
Há um outro ponto a ser considerado: a cultura do capital exacerbou o individualismo, a busca de bem-estar individual ou corporativo, nunca para todo um povo. Tal ethos impregnou a sociedade, os processos de socialização, as escolas, as mentes e os corações das pessoas menos críticas. Todos, de certa forma, somos reféns da cultura do capital pois nos obriga a consumir bens supérfluos e se implantou no mundo inteiro, gerando a desgraça planetária, jogando grande parte da humanidade na marginalização e pondo em risco a vida sobre o planeta Terra. Ela criou consumidores e não cidadãos.
A ditadura deste individualismo levou a muitos, a milhares a não quererem viver juntos. Preferem suas Alfa Villes e seus bairros restritos a endinheirados e especuladores. Ora, uma sociedade não existe nem se sustenta sem um pacto social. Ele se expressa por certa ordem social, materializada numa Constituição e nas leis que todos se comprometem a aceitar. Mas tanto a Constituição quanto as leis são continuamente violadas, pois o individualismo solapou o sentido do respeito às leis, às pessoas e à ordem convencionada.
Os que estão por trás da intentona de Brasília, são tais tipos de pessoas que se consideram acima da ordem existente. Há pessoas de todas as classes, mas principalmente, representantes do grande capital. Não esqueçamos do último relatório da Forbes que dava os dados dos opulentos do Brasil: 315 bilionários, grande parte vivendo do rentismo e não da produção de bens de consumo.
O principal fator que criou as condições para este golpe frustrado, foi a atmosfera criada por Jair Bolsonaro que suscitou a dimensão demente em milhões, tomados por ódio, truculência, discriminações de todo tipo e desprezo covarde de pobres e marginalizados. A eles cabe a responsabilidade principal pelo envenenamento de nossa sociedade com traços de desumanidade, regressão a modelos sociais velhistas e não contemporâneos. Nem a religião escapou desta pestilência, especialmente em grupos de igrejas neopentecostais e também em grupo de católicos conservadores e reacionários.
Graças a rápida determinação dos Ministros do STF e do TSE nomeadamente do ministro Moraes e no caso do golpe a atuação rápida e inteligente do Ministro da Justiça Flávio Dino que convenceu o presidente Lula, face à gravidade da questão, a ordenar uma intervenção federal em termos de segurança no Distrito Federal. Assim, de última hora, se conseguiu abortar um golpe. A estupidez dos invasores das três Casas do Governo e a destruição que lá perpetraram, freou a junta militar que, segundo o plano revelado do golpe, assumiria o poder na forma de uma ditadura com a prisão de todos os ministros, fechamento do Congresso e atos de repressão já conhecidos em nossa história.
Pode a democracia ter seus defeitos e limites, mas é ainda a melhor forma de nos permitir viver juntos, como cidadãos participativos e com garantia de direitos. Sem ela resvalamos fatalmente para a barbárie e a desumanização nas relações pessoais e sociais. Essa democracia tem que ser construída dia a dia, ser cotidiana, aberta a enriquecimentos e a se transformar numa verdadeira cultura permanente.

—————————————————
Leonardo Boff escreveu “Brasil: concluir a refundação ou prolongar a dependência”, Vozes 2018: “Habitar a Terra: qual o caminho para a fraterniidade universal”, Vozes 2022.