“Patriota” de Itaituba faz ameaça de morte ao ministro Alexandre de Moraes

Um homem identificado como garimpeiro gravou vídeo em frente a quartel do Exército em Itaituba com ataques e ameaças de morte ao ministro Alexandre de Morais, do Supremo Tribunal Federal. Gleydson Júnior Ferreira postou o vídeo nesta quarta-feira (11) em perfis do Instagram e do Telegram.

A motivação para as ameaças é o inconformismo com a vitória de Lula sobre Bolsonaro nas eleições de 2022. Bolsonarista e “patriota” acampado em frente a um quartel do Exército em Itaituba, Gleydson manifesta indignação com o ministro Alexandre de Moraes, que preside a Justiça Eleitoral.

Diante da repercussão do caso, a Cooperativa dos Garimpeiros, Mineradores e Produtores de Outo do Tapajós (Coopeouro) contestou e repudiou a fala de Gleydson e negou que ele pertença à entidade.

“Esta cooperativa repudia veementemente todos os fatos e alegações feitas por este cidadão”, destacou a cooperativa. Segundo o Portal JC, que publicou a matéria sobre o vídeo, Gleydson trabalha como segurança em eventos na cidade de Itaituba.

Digitais do golpe: PF encontra com Anderson Torres minuta de decreto para Bolsonaro mudar o resultado das urnas

A Polícia Federa (PF)l encontrou na casa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres uma minuta de um decreto para instaurar estado de defesa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A medida é inconstitucional. A informação foi divulgada inicialmente pela Folha de S.Paulo e confirmada pela GloboNews.

A PF esteve na casa de Anderson Torres na terça-feira (10) para cumprir o mandado de prisão expedido pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, mas o ex-secretário de Segurança Pública não estava.

Os agentes deixaram o local com malotes recolhidos na casa. A minuta do decreto estava entre o material apreendido. Torres assumiu o comando da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal no dia 2 de janeiro e viajou de férias para os Estados Unidos cinco dias depois.

Durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), Anderson Torres chefiou o Ministério da Justiça.

(Com informações da Folha de S. Paulo, UOL e O Globo)

Cartão corporativo: Bolsonaro pagou R$ 109 mil em restaurante que cobra R$ 17,00 por marmita

Entre os R$ 27,6 milhões gastos com cartões corporativos da Presidência da República no governo Bolsonaro, chama a atenção um gasto de R$ 109.266,00 no modesto restaurante Sabor de Casa, localizado no centro de Boa Vista, em Roraima, em um único dia, 26 de outubro de 2021. É a maior despesa única com alimentação registrada em um cartão da Presidência durante mandato de Jair Bolsonaro (2019-2022).

A legislação determina que os dados da Presidência sejam tornados públicos ao fim do mandato presidencial e eles foram divulgados no último dia 6. A agência de dados especializada no acesso a informações públicas, Fiquem Sabendo, noticiou hoje (12) a divulgação da lista pelo governo. O Sabor de Casa é um restaurante que oferece marmita nas versões econômica (R$ 17) e tradicional (R$ 23). O carro chefe da casa é o frango assado com farofa e baião, que serve pelo menos três pessoas e custa R$ 50.

Com o valor pago pela Presidência da República no estabelecimento, teria sido possível comprar 6,4 mil marmitas econômicas. Ou então 4,7 mil marmitas tradicionais. Ou, ainda, 2,1 mil encomendas do frango assado com farofa e baião.

Em 26 de outubro de 2021, Bolsonaro desembarcou na cidade por volta de 9h40, visitou um abrigo para imigrantes venezuelanos, participou de um encontro com indígenas, almoçou com o comando do Exército na região e participou de um culto de comemoração pelo aniversário da Igreja Assembleia de Deus. Ele voltou a Brasília no fim da tarde.

A dona do restaurante Sabor de Casa, Roberta Rizzo, confirmou à coluna a compra realizada pela equipe de Bolsonaro. “Eles solicitaram almoço e uns kits de lanche para atender à equipe de segurança. Era um kit bem completo, com pão, queijo, presunto, fruta, água e biscoito”, disse.

KITS, MARMITA E SUPERFATURAMENTO

A coluna perguntou à empresária se o valor da despesa divulgado pelo governo poderia estar errado, por conta de algum erro do sistema de cartão corporativo. Ela disse não estranhar o valor. A reportagem perguntou, então, como kits de lanche e almoço entregues no dia de uma visita do presidente à cidade puderam custar R$ 109,2 mil. “Não lembro exatamente a quantidade, mas foi um serviço que entregamos direitinho e que seguiu o padrão de preços da cidade”, disse.

Rizzo pediu à reportagem que entrasse em contato novamente no meio da manhã desta quinta-feira, para detalhar melhor os itens entregues na compra feita com o cartão corporativo da Presidência, mas não respondeu mais aos contatos do UOL. No início da tarde, ela ligou informando que gostaria de detalhar o que forneceu à equipe do presidente: 659 marmitas de almoço com bebida, ao custo de R$ 30, cada, e 2.964 kits de lanche com sanduíche, água, maça e barra de cereal, ao custo de R$ 30, cada.

Segundo ela, o pedido também incluiu algumas garrafas de água, refrigerante e barras de cereal. “Tudo o que foi comprado foi discriminado na nota. Se você me perguntar se havia 659 pessoas para comerem as marmitas ou 3 mil para comerem os kits, eu não posso responder. Entreguei a encomenda às 5h da manhã no quartel e fui trabalhar”, afirmou. (Do UOL)