A importância da demarcação de terras para enfrentar o desmatamento

Jair Bolsonaro (PL) diz que demarcar 500 terras ameaça o agro. Levantamento feito para o projeto Mentira Tem Preço mostra que processos de demarcação são 240; na maioria dos estados agricultores, terras indígenas não chegam a 1%.

Por Eduardo Geraque, no Infoamazônia

Logo em sua primeira fala após saber o resultado do primeiro turno das eleições de 2022, o presidente Jair Bolsonaro (PL) reforçou um argumento que vem repetindo desde 2017: o de que em seu governo “não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena”. A novidade é que agora ele diz que a demarcação de Terras Indígenas (TIs)  prejudica o agronegócio brasileiro.

“O Lula fala em demarcar as reservas que estão sendo pedidas há algum tempo, são quase 500 novas terras indígenas, isso daí praticamente nós acabaríamos com o agronegócio, perderíamos a nossa segurança alimentar, e bem como a nossa balança ia cair muito”, disse ele na noite do dia 2 de outubro. O vídeo foi divulgado em seu canal no YouTube e teve 206 mil visualizações; o que subiu no canal Folha Política, um dos quatro canais desmonetizados pelo Tribunal Superior Eleitoral até o fim das eleições, teve mais de 1 milhão de views.

A pedido do projeto Mentira tem Preço, técnicos do ISA (Instituto Socioambiental) deram senso de realidade à fala do presidente e candidato à reeleição. Em primeiro lugar, Bolsonaro exagera: não existem 500 pedidos de demarcação na fila, e sim 240, segundo uma análise dos dados publicados no Diário Oficial da União. 

Dos 728 processos de demarcação formalmente iniciados pela Funai (Fundação Nacional do Índio), quase 67% já foram concluídos. Procurada pela reportagem, a assessoria de Jair Bolsonaro (PL) não respondeu até a publicação desta matéria.

Quanto ao discurso de que demarcar novas terras indígenas travaria o avanço do agronegócio, os números do ISA mostram que, entre os nove principais estados voltados para o agronegócio, em sete o percentual do território ocupado por terras indígenas não passa de 1%. No caso específico de Mato Grosso, maior produtor agropecuário nacional, o percentual de território indígena atinge 16%.

As Terras Indígenas ocupam cerca de 13,7% do território brasileiro, aponta Márcio Santilli, filósofo e sócio-fundador do ISA —nível abaixo da média mundial, que é de 15%. Por outro lado, 41% do território nacional (três vezes mais) são áreas privadas, segundo o Censo Agropecuário 2017 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Além disso, 20% das terras do país pertencem a pouco mais de 51 mil proprietários rurais (ou 1% do total), segundo esse recenseamento

A própria ex-ministra da Agricultura do governo Bolsonaro, Tereza Cristina, repetidas vezes afirmou que o agronegócio não precisa desmatar mais nada para aumentar a produção nem da Amazônia para crescer. Suas frases são referendadas por vários estudos do setor, inclusive da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), ligada ao governo federal. Isso porque, hoje, quase 22% do território nacional é ocupado com pastagem —metade disso com algum grau de degradação — e cerca de 8% com agricultura, conforme o projeto MapBiomas e o Atlas Digital das Pastagens Brasileiras.

A maioria absoluta das Terras Indígenas (98%) fica na Amazônia Legal. Atualmente, 9% da extensão total de Terras Indígenas ainda espera a demarcação, considerando-se os processos já abertos na Funai, com áreas e limites definidos preliminarmente (e excluindo-se os territórios “em identificação”, “sem limites” e “extensão definidos”).

Segundo Santilli, hoje, das terras indígenas que estão em processo de demarcação, cerca de dois terços estão em processos que ele considera “enroscados” do ponto de vista jurídico. “Mas não há nada que impeça o governo de fazer a demarcação do outro um terço”, diz. “O que falta mesmo é esforço político. Basta querer.”

Ele explica que não existe nenhum dado que mostra que a demarcação de Terras Indígenas e o agronegócio são conflitantes, muito pelo contrário. Alguns estudos mostram como essas terras, por serem áreas protegidas, contribuem tanto para a preservação da biodiversidade como para o enfrentamento das mudanças climáticas que prejudicam a agricultura.

Um estudo do Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) mostra um exemplo: no nordeste de Mato Grosso, a temperatura atmosférica chega a ser entre 4oC e 6oC maior fora das Terras Indígenas, exatamente por causa da regulagem climática gerada pela floresta. O entorno do Território Indígena do Xingu, onde a pesquisa foi realizada, registra altos índices de desmatamento.


Essa reportagem faz parte do projeto Mentira Tem Preço – especial de eleições, realizado por InfoAmazonia em parceria com a produtora Fala. A iniciativa é parte do Consórcio de Organizações da Sociedade Civil, Agências de Checagem e de Jornalismo Independente para o Combate à Desinformação Socioambiental. Também integram a iniciativa o Observatório do Clima (Fakebook), O Eco, A Pública, Repórter Brasil e Aos Fatos.

A autorização para republicação do conteúdo se dá mediante publicação na íntegra, o Mentira Tem Preço não se responsabiliza por alterações no conteúdo feitas por terceiros.

Rock na madrugada – The Rolling Stones, “Beast of Burden”

Do álbum “Some Girls”, 1978.

Do DVD ‘Some Girls Live in Texas 1978’. Mick Jagger, Keith Richards, Charlie Watts, Ronnie Wood e Bill Wyman ao vivo durante a turnê americana de 1978, que celebrou o lançamento do álbum do mesmo nome, elogiadíssimo pela crítica. Captura os Stones no seu melhor ao vivo. ‘Some Girls Live in Texas 1978’ foi filmado no Will Rogers Memorial Center em Forth Worth, Texas, em 18 de julho de 1978. O show mostra nos arranjos uma volta triunfal ao rock básico, essencial no êxito da banda ao longo de toda sua carreira. Há também uma óbvia influência do punck rock, que havia explodido nos anos 70.

Apresentando muitas músicas do álbum Some Girls, que na época em que a banda chegou ao Texas já havia alcançado o topo das paradas americanas, recria a força e a energia da banda, com ênfase nas guitarras afiadas de Keith e Ronnie Wood, que havia substituído dois anos antes o virtuose Mick Taylor. A interpretação de “Beast of Burden”, um dos mais gloriosos B-side da história dos Stones, dá bem a medida do nível geral da turnê.