Fifa faz festa digna de final e a Croácia supera o valente Marrocos na disputa do 3º lugar

POR GERSON NOGUEIRA

O penúltimo jogo da Copa do Mundo, válido pelo terceiro lugar, sempre foi um confronto subestimado. Os times pareciam mais interessados em se despedir da competição e davam pouca importância à disputa. Em meio a isso, porém, aconteceram grandes partidas na véspera da festa principal. Foi o caso de Brasil e Itália, em 1978, vencida pela Seleção por 2 a 1, com direito a um golaço inesquecível do lateral direito Nelinho, com a bola descrevendo uma curva impressionante antes de entrar. Um dos gols mais bonitos de todas as Copas (vídeo no fim da matéria).

Neste sábado, 17, no estádio Al Khalifa, em Doha, o jogo valia muito mais do que o terceiro lugar. Era a celebração em torno de Marrocos, primeira seleção africana a chegar a uma semifinal de Copa do Mundo. E a partida não decepcionou. Foi disputada com intensidade, como se fosse uma final.

A Croácia foi melhor desde o início. Centrada e organizada, a equipe de Luka Modric envolveu o time marroquino com uma boa troca de passes a partir do meio-campo. Insistiu com jogadas pelos lados e chegou ao gol em manobra inspirada. Perisic apareceu livre na ponta esquerda e escorou para Gvardiol desviar no canto direito do gol de Bono, aos 7 minutos.

Com a garra habitual, Marrocos não se acomodou e respondeu em cima do lance. Mesmo errando muito nas saídas rumo ao ataque, acabou achando o caminho do gol com um cruzamento para o meio da área, que pegou a defesa croata desarrumada. Dari cabeceou diante do goleiro Lukovic e empatou, aos 9′.

A partida ficou eletrizante, com tentativas dos dois lados, mas a Croácia prevalecia pela forma mais organizada de chegar ao ataque. Modric percorria o espaço entre as duas áreas, ditando o ritmo de seu time. Até que, aos 42′, Orsic mandou um chute por cobertura, fora do alcance do goleiro Bono. Um golaço.

No segundo tempo, Marrocos se lançou ao ataque, de forma até comovente, mas a insistência desta vez não deu resultado. A Croácia controlou o jogo no meio, perdeu duas boas chances ainda e manteve a vantagem até o final.

No confortável e reformado Al Khalifa, de um lado a torcida croata celebrou bastante o terceiro lugar – que, pela primeira vez, teve uma cerimônia de entrega de medalhas dentro do próprio campo.

Em grande maioria nas arquibancadas, a incansável torcida de Marrocos aplaudiu seus heróis demoradamente pela histórica campanha e não deixou barato em relação a Gianni Infantino, presidente da Fifa. Aos gritos de “Fifa é máfia!”, reagiu à entrada no gramado do dirigente, ao lado do emir do Qatar, para a cerimônia de premiação.

CROÁCIA 2 x 1 MARROCOS

Data-Hora: 17 de novembro de 2022 – 12h (de Brasília)
Árbitro: Abdularhman Al Jassim (QAT)
Assistentes: Taleb Al Marri (QAT) e Saoul Ahmed Almaqaleh (QAT)
VAR: Julio Bascunan (CHI)
Cartões amarelos: Ounahi e Ammalah (MAR)

CROÁCIA (Técnico: Zlatko Dalić): Livakovic; Stanisic, Sutalo e Gvardiol; Kovacic, Modric, Orsic (Jakic, 49/2T), Majer (Pasalic, 21/2T) e Perisic; Livaja (Petkovic, 20/2T) e Kramaric (Vlasic, 15/2T).

MARROCOS (Técnico: Walid Regragui): Bono; Hakimi, Dari (Benoun, 18/2T), El-Yamiq (Amallah, 21/2T) e Attiat-Allah; Amrabat, Sabiri e El Khannouss (Ounahi, intervalo); Ziyech, En-Nesryi e Boufal (Zaroury, 18/2T). 

Deixe uma resposta