O triunfo da mediocridade sobre a sabedoria

Por Leandro Fortes

Eu estava lá, fardado, nos estertores da ditadura militar, de sentinela, próximo ao muro dos fundos de um quartel, em Barbacena, fazendo a primeira ronda da noite, metido em coturnos e numa japona de lã. Ouvia, ao longe, o som da multidão. Era 1984, o movimento das Diretas Já havia, finalmente, chegado à geleiras da Mantiqueira, mas no quartel, um internato militar, aquela realidade só existia para uns poucos que pescavam, na clandestinidade, os jornais que a soldadesca retirava do cassino dos oficiais e jogava no lixo. Eu tinha 18 anos, eu era um deles. Eu lia a coluna de Janio de Freitas.

Para saber mais, usei da prerrogativa de um cargo – o de presidente da Sociedade Acadêmica da escola – para fazer assinaturas da Folha de S.Paulo e da Veja, para que todos também soubessem. O Comando do Corpo de Alunos me chamou em audiência, queriam saber as razões daquele movimento. Ainda era ditadura. As assinaturas duraram só dois meses, mas eu já estava capturado.

No ano seguinte, em 1985, exilado da caserna, dos coturnos e das japonas de lã, eu estava de volta a Salvador, matriculado no curso de jornalismo da Universidade Federal da Bahia. Segui lendo Janio de Freitas, entusiasmado, como boa parte da minha geração, com o chamado Projeto Folha, tocado por jovens jornalistas comandados por um jovem herdeiro, Otávio Frias Filho, embora meu sonho de consumo não fosse a Folha, mas o Jornal do Brasil. Eu cumpria meu turno de estudante, pela manhã, e meu expediente de repórter na Tribuna da Bahia, pela tarde, e, quando anoitecia, me enfurnava na bolorenta biblioteca do velho diário soteropolitano para ler o que chamávamos de “jornais do sul” – Folha, Globo, Estadão e Jornal do Brasil, que só apareciam nas bancas da Cidade da Bahia depois das 16 horas. E lia Janio.

Passadas quatro décadas, ler Janio de Freitas e, de certa forma, calibrar minha visão política pelas análises desse grande jornalista tornou-se uma rotina de aprendizado constante. Minha e de várias gerações de jornalistas. A notícia de que a Folha o demitiu, aos 90 anos, pelo motivo torpe da contabilidade, em meio a um dos muitos passaralhos que a empresa vem promovendo, me deixou triste e indignado. No fim das contas, é a revelação final do mau caratismo dessa velha imprensa – torpe, obsoleta, reacionária – que, incapaz de formar quadros de verdade nesses cursinhos de trainee que adotou como filtro de entrada, decidiu se livrar daqueles que ainda lhe conferem algum brilho, sensibilidade e profissionalismo.

É a vitória da mediocridade sobre sabedoria.

Deixe uma resposta